Últimas notícias

Fique informado

Aumentam fraudes em operações de empréstimos

13 de maio de 2022

Spotlight

Entrevistamos Darryl Green, CEO da CAF – Combate a Fraude

A CAF levantou recentemente R$ 80 milhões e se posiciona como um competidor para empresas do setor antifraude como a Unico e IDWall.

16 de agosto de 2022

BlockchaIn Rio Festival lança programação oficial

O BlockchaIn Rio Festival, que acontece entre os dias 1 a 4 de setembro, no Píer Mauá, anuncia a sua programação.

15 de agosto de 2022

As diferenças entre extorsão e ransomware segundo Tenable

São diversas formas que esses ataques podem acontecer, mas vale destacar dois tipos: extorsão e ransomware

15 de agosto de 2022

HC3 – Centro de Coordenação de Segurança Cibernética de Saúde dos USA orienta como manter a segurança da IoT na área da saúde

À medida que a saúde se torna cada vez mais interconectada, os dispositivos IoT se tornam cruciais para os fluxos de trabalho e a funcionalidade.

15 de agosto de 2022

TecBan reúne as melhores práticas de segurança para evitar golpes e fraudes em dispositivos móveis

A TecBan preparou algumas dicas para ajudar a evitar golpes e fraudes em dispositivos móveis.

12 de agosto de 2022

O que é criptografia assimétrica – ID Plus #10

No Id Plus dessa semana, a equipe de redação te explica o que é a criptografia assimétrica e como ela se aplica em nosso cotidiano

8 de agosto de 2022

Algumas financeiras têm exigido a entrega do certificado digital e senha do titular para obtenção de empréstimos

As reclamações sobre empréstimos, especialmente a modalidade consignado, teve um aumento expressivo durante a pandemia. Do total de 26.700 registros contra bancos e financeiras, 6.798 são referentes à oferta ou prestação de informação sobre crédito consignado de forma inadequada, segundo o Banco Central. No ranking, houve aumento de 56% nos registros – de 9.010 em 2019 para 14.049 no ano seguinte. Em 2020, o consignado foi responsável por 16,6% do total de 84.825 reclamações.

Outro levantamento do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) mostra que, em 2020, as ocorrências envolvendo o crédito consignado também ficaram em primeiro lugar. O Idec alerta para a falta de segurança com os dados dos consumidores, que têm suas informações compartilhadas sem consentimento prévio e, assim, se tornam vulneráveis a fraudes.

Empresas atuantes na cadeia de emissão de certificados digitais vêm sendo abordadas por pessoas que desejam emitir certificado digital com a finalidade de obter crédito em financeiras e similares. Segundo relatos de empresários do setor, clientes afirmam que vêm sendo exigida a entrega do certificado digital com a sua respectiva senha à financeira para que, então, o crédito seja liberado.

Segundo o presidente-executivo da Associação das Autoridades de Registro do Brasil – AARB, Edmar Araújo, é ilegal a exigência da entrega do certificado digital e a sua respectiva senha como condição para a obtenção de empréstimos financeiros. “Tal prática é extremamente lesiva, haja vista que o certificado digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP Brasil) é um documento que produz assinatura eletrônica com o mesmo valor probante daquelas em papel e reconhecidas em cartório – e, por esse motivo, o certificado digital é de uso pessoal e intransferível”, alerta Araújo.

Em março, o Procon Londrina-PR notificou uma financeira que exigiu de uma consumidora a compra de um certificado digital. Aprovado o empréstimo, ela foi informada que precisaria comprar um certificado digital fornecido por eles. A consumidora desistiu do empréstimo e que uma multa seria cobrada e seu nome negativado. O edital de notificação à financeira foi publicado no Jornal Oficial do Município de Londrina-PR.

“A Medida Provisória 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, é clara quanto à validade dos atos praticados com a utilização de assinaturas eletrônicas produzidas com certificados digitais. Tal valor probante atribui ao titular do certificado o exclusivo conhecimento da chave privada. Ao fornecer o certificado para um terceiro, ele assume a responsabilidade pelo que se faça em seu nome”, lembra Edmar Araújo.

Outro tipo de fraude é o depósito antecipado de determinada quantia para que o empréstimo seja liberado. Para que o cidadão se proteja de situações que causem prejuízos financeiros, o Banco Central tem em seu site uma ferramenta que permite descobrir se um banco ou financeira tem autorização para funcionar.

Para fazer a consulta, basta acessar o site do BC e preencher o campo que pede o nome ou o CNPJ da instituição que está oferecendo o empréstimo. Em seguida, clicar em pesquisar. Caso a instituição não esteja autorizada pelo Banco Central para funcionar, aparecerá a mensagem “Nenhuma instituição encontrada”.

“Em se tratando de empresas que prometem linhas de crédito muito tentadoras, as pessoas devem desconfiar. Nenhuma empresa financeira tem tanto potencial para ofertar dinheiro com juros muito baixos. Importa repetir: se exigir a entrega do certificado digital para o empréstimo, tudo leva a crer que seja golpe. Também é uma prática abusiva oferecer venda casada, exigir a compra de um certificado digital para obtenção do empréstimo, muitas vezes a preço abaixo do mercado. Todo cuidado é pouco”, diz Araújo.

O dirigente lembra que quem entrega o seu certificado digital com a respectiva senha a terceiros fica exposto ao risco, por exemplo, de ter empresas abertas em seu nome ou ser envolvido na prática de ilícitos e fraudes.

Recurso de assinatura digital ofertado pelo governo tem pouca efetividade, diz AARB

CertForum 2022 terá cotas de patrocínio para Autoridades de Registro

AARB participa de reunião com Ministério da Economia, ITI e Serpro sobre AR Eletrônica

Sobre AARB

Fundada em 2014, a Associação das Autoridades de Registro do Brasil (AARB) é fruto dos anseios dos representantes das Autoridades de Registro da ICP-Brasil e tem por objetivo defender os interesses do segmento perante os poderes da república, sociedade civil organizada, bem como a massificação da certificação digital no País.

Por meio da AARB, as Autoridades de Registro podem fazer-se representar nas mais diversas esferas do poder público. Graças a sua atuação, as AR possuem melhores condições para alcançar objetivos do que teriam se atuassem de forma isolada.

Entidade de direito privado e sem fins lucrativos, a AARB é mantida exclusivamente por seus associados. Além dos interesses mencionados, compete a AARB disseminar a cultura da tecnologia ICP-Brasil e agregar benefícios e vantagens aos seus associados.

Leia a coluna da AARB aqui no Crypto ID!