Últimas notícias

Fique informado

A estratégia para a Transformação Digital do BIM

11 de maio de 2021

Spotlight

Facebook fala sobre o incidente de 4 de outubro

“Agora que nossas plataformas estão funcionando normalmente após a interrupção de 4 de outubro achei que valeria a pena compartilhar,”Santosh Janardhan.

6 de outubro de 2021

Por Marcus Granadeiro

A concepção de uma estratégia de implementação de BIM é fundamental e deve estar alinhada com objetivos de negócio

Marcus Granadeiro – CEO Construtivo.com Brasil

A migração dos processos tradicionais da engenharia para o BIM (Building Information Modeling) não se dá de forma súbita, pois este processo está mais para uma jornada do que para um projeto.

Pensando de forma mais moderna, trata-se de ondas de implantações com sprints sucessivos que formam a trajetória de transformação. 

Neste caso, cada movimento, cada sprint e cada onda pode durar muito e demandar esforços e recursos.

Quem já tentou apenas modelar ou simplesmente compatibilizar projetos ou até mesmo focar somente no processo de orçamentação e planejamento sabe bem quão complicado e difícil é.

Um passo que parece simples, normalmente pensado como aquisição de um software, treinamento e desenvolvimento de um piloto para ganhar experiência, frequentemente se mostra mais complexo e, eventualmente, fica inacabado ou mesmo gera algum tipo de frustração. 

Dentro desse contexto, a concepção de uma estratégia de implementação de BIM é fundamental e deve estar alinhada com objetivos de negócio, ou seja, pensada para ser viável dentro da realidade da empresa e necessária para evitar que a organização fique fora do mercado.

Entender as ondas e suas diversas iniciativas dentro do contexto da estratégia, acompanhá-las e revisá-las passa a ser uma das responsabilidades chaves no contexto da transformação digital.

Infelizmente, um erro muito comum, é confundir uma onda de implantação, normalmente a primeira, como toda a jornada completa e, pior, é entender o BIM como se fosse um “check” necessário para atender um requisito de algum cliente ou do mercado.

Empresas que fazem isso podem até já ter avançado e colhido algum benefício ou desfrutado de algum status. Porém, em pouco tempo, ficarão para trás e talvez já sem tempo para se recuperar. 

A grande maioria das empresas e o próprio decreto do governo sobre BIM, que entrou em vigor no ano passado, optaram por iniciar a migração pela área de projetos modelando, realizando compatibilização, extraindo quantitativos e gerando documentação de forma automática.

A primeira parte desta onda normalmente é a mais simples: basta selecionar um software, comprar ou alugar a licença, receber um treinamento e iniciar a modelagem com ele.

As dificuldades vão aumentando com a necessidade de maiores detalhes, que requerem precisão na informação para que o orçamento saia de forma correta, compatibilização com os planejamentos e, principalmente, coordenação em diferentes modelos realizados por diversos profissionais em distintos sistemas. 

Pensando em termos estratégicos, faz sentido todos os players do mercado iniciarem por projeto? Não. Obviamente, para o grupo que desenvolve projetos executivos sim, mas para os stakeholders clientes do projeto, certamente não.

Esses, caso tivessem discutido melhor sua estratégia BIM, fatalmente optariam pela fase de planejamento e definição de produto, obra ou até mesmo operação, fases com melhores retorno para eles em termos de custo, qualidade e risco.

Então, é possível iniciar uma jornada BIM sem que seja pela fase de projeto? Sim. Precisamos entender que BIM é processo muito mais do que modelagem.

Claro que é fundamental ter um modelo para usá-lo como lugar geométrico da informação, mas a parte mais complexa é ajustar o processo para que não ocorra duplicidade ou quebra do fluxo de informação e registros. O BIM, sem digitalização dos processos correlatos, não acontece de forma plena. 

E quando pensamos no decreto federal, que impõe às empresas a implantação da fase de projeto, contabilização e orçamento utilizando o BIM a partir de janeiro deste ano, devemos considerar que os desafios para esse passo são enormes.

Muitos já avançaram, fizeram pilotos, entenderam como fazer e precisam agora colocar em produção. Outros ainda estão buscando finalizar. Infelizmente ainda há muito BIM “para inglês ver”, pois todo o processo e desenvolvimento está sendo realizado de forma tradicional e o modelo sendo desenvolvido por fora para entregar ao cliente e cumprir o requisito.

Fazer desta maneira parece mais cômodo, dá a impressão que custa menos, mas não é verdade. Quem está fazendo desta forma está cavando sua sepultura e, em breve, estará completamente fora de condições de competir com o mercado. 

Vale destacar que este mesmo decreto estabelece o gerenciamento de obras em BIM até 2024. São três anos até lá, porém os desafios na implantação desta fase são bem maiores. Os processos a serem alterados são mais complexos, pois haverá mais stakeholders envolvidos, mais tecnologias e mais custo.

Nessa fase, a chance de se perder nas implantações, caso a estratégia geral não esteja clara para todos, é enorme. Por isso, há a necessidade de se ter clareza de objetivos para tomar decisões de vulto que envolvem grandes desembolsos e riscos. Ou, a pior decisão, é não fazer nada. E essa, normalmente, é a pior delas. 

Sobre o Construtivo

O Construtivo é uma empresa de tecnologia com DNA de engenharia. Pioneira no conceito de nuvem, atende aos maiores projetos de infraestrutura do Brasil. Fundado em 2000 como uma joint venture do Grupo Santander, o Construtivo passou por um processo de MBO (Management buy-out) em 2004 e se tornou uma empresa nacional.

Atendendo mais de 70 mil usuários e cerca de 200 clientes ativos, entre eles Norte Energia, AES, CPFL, EDP, Taesa, Alupar, CTG, Energisa, CSN, Rumo, Promon, Concremat, EGIS, Intertechne, Systra, LBR, Voith, Andritz e Weg, a empresa mantém uma sede em São Paulo e uma filial em Porto Alegre.

O Construtivo tem como carro chefe a plataforma Colaborativo, ofertada na modalidade de serviço (SaaS). Com o objetivo de apoiar seus clientes em sua transformação digital, as soluções do Construtivo não se limitam apenas àquelas que compõem o Colaborativo.

Elas englobam outras tecnologias e serviços aproveitando o know-how de mais de 20 anos de sua equipe em CAD e o pioneirismo em BIM. 

Referência em gerenciamento de processos com especialização em engenharia civil, a empresa atende áreas como energia, transporte, saneamento, ferrovia, administração pública, manutenção, entre outras.

ABIMDE e empresas da BIDS estão prontas para receber visitantes na Idex, em Abu Dhabi

DigiCert e Valimail firmam parceria para ajudar empresas a exibir marca em e-mail e se preparar para o BIMI

ICP-Brasil avança para recebimento do selo Webtrust

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID

contato@cryptoid.com.br   +55 11 3881 0019