Últimas notícias

Fique informado

First Tech democratiza o acesso à criptografia segura para fintechs e bancos digitais no Brasil

19 de julho de 2021

Spotlight

O que é o open banking e como ele funciona

Saiba o que vai mudar na vida dos brasileiros com

14 de julho de 2021

Incidente na Kaseya chama a atenção para atrativa maneira em propagar de ataques

O incidente na Kaseya resultou na indisponibilização de ativos de mais de mil empresas no início deste mês.

14 de julho de 2021

Marcelo Fernandes da FICO fala sobre a segunda fase do open banking

Em 15 de julho, os bancos passam a operar com sistemas abertos e clientes terão mais acesso aos serviços financeiros.

8 de julho de 2021

Novo serviço desenvolvido pelo ITI permite consultar certificados digitais emitidos pela ICP-Brasil

Os usuários de Certificados digitais da ICP – Brasil agora contam com mais um serviço, o Meu Certificado, com intuito de facilitar seu o uso

25 de junho de 2021

Empresas do Brasil se unem para capacitar de graça e empregar estudantes em blockchain, tecnologia e mercado financeiro

A Investtools e a Grana Capital, fintechs parceiras incubadas no Instituto Gênesis, da PUC-Rio, estão oferecendo um programa de formação para universitários, na área de tecnologia para o mercado financeiro

5 de abril de 2021

O impacto do Open Banking para o mercado financeiro

Desde o anúncio do open banking, um dos pontos mais questionados foi a segurança e a privacidade dos dados.

30 de março de 2021

Investindo em inovações no mercado financeiro

Lançamento do PIX; modernização da legislação cambial; agilização e ampliação da concessão de microcrédito a pequenos empreendedores; e lançamento da cédula de R$ 200 fizeram parte do mercado financeiro

14 de dezembro de 2020

O PIX na visão de advogados especialistas em Mercado Financeiro

O BC decidiu considerar os participantes indiretos do PIX como integrantes do SPB. Essa qualificação gera um aumento significativo das obrigações regulatórias.

3 de setembro de 2020

Atenta à essas tendências do mercado, a First Tech vem investindo em soluções para garantir a segurança de transações das empresas

As soluções de tecnologia têm transformado o mercado financeiro, a exemplo do Open Banking, já com a primeira fase de implantação iniciada em fevereiro no Brasil com a premissa de democratizar as conexões entre as instituições financeiras para a troca de dados e informações com o consentimento do usuário final.

Junto com este movimento, segurança se torna a palavra de ordem, sendo imprescindível um sistema seguro para a integração das informações, com monitoramento constante e, acima de tudo, confiável.

Atenta à essas tendências e movimentos do mercado, a First Tech vem investindo no desenvolvimento de soluções para garantir a segurança de transações das empresas, principalmente para as que estão nascendo agora, como é o caso das fintechs e bancos digitais. 

Recentemente, a companhia iniciou o projeto da nova solução de HSM (Hardware Security Module) como serviço e agora lança oficialmente no mercado brasileiro o HoP, ou HSM off Premises, que disponibiliza um mix de serviços para a segurança e criptografia no processamento de transações e mensagens seguras das empresas. 

Com investimento superior a um milhão de dólares, a First Tech focou no aperfeiçoamento da solução por meio da capacitação e contratação de especialistas que fortaleceram o time da companhia no Brasil, no desenvolvimento de aplicações (API) e toda a infraestrutura necessária para potencializar a solução já disponível com a certificação padrão global de segurança PCI.

Gustavo Silveira, Diretor Técnico e Sócio da First Tech

Com o HoP, a First Tech visa habilitar fintechs e bancos digitais para o mercado de meios de pagamento, “suprindo suas necessidades de infraestrutura e serviços de segurança que envolvem equipamentos HSM para proteger as transações financeiras”, explica Gustavo Silveira, Diretor Técnico e Sócio da First Tech

De acordo com o executivo, a nova forma de uso de HSM como serviço simplifica e acelera o processo de segurança de transações, dando mais velocidade para as empresas operarem seus negócios. 

O tempo médio de implementação da tecnologia no modelo HoP API, ou seja, quando a empresa escolhe utilizar a API da First Tech, acontece em menos de 30 dias. Caso as aplicações sejam desenvolvidas internamente pela própria empresa, a implementação ocorre dentro de 120 dias. 

“O nosso propósito é democratizar o acesso à criptografia segura para as fintechs e bancos digitais no país, com serviços customizados e uma equipe dedicada para garantir a segurança das atividades e transações. O HoP foi pensado exatamente para isso”, completa Silveira. 

Como resultado, a nova solução da First Tech viabiliza a entrada de novas empresas no mercado, com custo e tempo mínimo de implementação e o diferencial no volume de processamento de transações que pode ser escalonável e customizado de acordo com a necessidade de cada negócio. 

Com o reconhecimento de mais de 26 anos no mercado nacional, a First Tech já garantiu estrutura e segurança para a operação de muitos bancos e empresas de pagamento, atendendo hoje mais de 130 clientes, com contratos em segurança digital, comunicação empresarial, colaboração e segurança de transações, atendendo o setor financeiro em todo o território nacional. 

Sobre a First Tech

Empresa especializada em soluções de segurança para fintechs, bancos digitais e instituições do setor financeiro, atualmente a First Tech é responsável por equipamentos que processam mais de 80% das transações das maiores adquirentes e bancos em geral no País.

Com mais de 26 anos de atuação no mercado de serviços e soluções de TI, a First Tech fornece diversas outras soluções para segurança digital, comunicação empresarial, colaboração e segurança de transações de pagamentos.

Serviço ajuda fintechs e bancos digitais a testarem seus aplicativos mobile para garantir a satisfação do cliente e evitar o churn rate

Segurança digital: quais cuidados as fintechs devem ter com os dados financeiros dos clientes?

Boomers: como o PIX, open banking e fintechs impactam essa geração?