Últimas notícias

Fique informado
Monitoramento de microfone, webcam e publicidade na Internet

Monitoramento de microfone, webcam e publicidade na Internet

15 de julho de 2021

Spotlight

O que é o open banking e como ele funciona

Saiba o que vai mudar na vida dos brasileiros com

14 de julho de 2021

Incidente na Kaseya chama a atenção para atrativa maneira em propagar de ataques

O incidente na Kaseya resultou na indisponibilização de ativos de mais de mil empresas no início deste mês.

14 de julho de 2021

Marcelo Fernandes da FICO fala sobre a segunda fase do open banking

Em 15 de julho, os bancos passam a operar com sistemas abertos e clientes terão mais acesso aos serviços financeiros.

8 de julho de 2021

Novo serviço desenvolvido pelo ITI permite consultar certificados digitais emitidos pela ICP-Brasil

Os usuários de Certificados digitais da ICP – Brasil agora contam com mais um serviço, o Meu Certificado, com intuito de facilitar seu o uso

25 de junho de 2021

Monitoramento de microfone, webcam e publicidade na Internet

Como resultado, vale enfatizar que não há privacidade na Internet quando usamos os principais serviços gratuitos disponíveis

15 de julho de 2021

Futuro da Defesa: unidades cada vez mais conectadas e automatizadas

De acordo com o estudo da Forrester sobre organizações de defesa, uma força de defesa conectada está no topo da agenda.

31 de março de 2020

Internet das Coisas – Riscos e Desafios desta Inovação Disruptiva

A vulnerabilidade global a atos maliciosos no ciberespaço está crescendo à medida que avança a tecnologia IoT

27 de agosto de 2018

Por que Usar uma Webcam Cover?

Ninguém está livre de olhares alheios e é fato mais do que comprovado que você pode ser espionado pela sua webcam.

7 de julho de 2017

Como resultado, vale enfatizar que não há privacidade na Internet quando usamos os principais serviços gratuitos disponíveis

Por Paulo Pagliusi e Thiago Martins

Neste artigo, destacamos a trilha digital que deixamos quando usamos serviços de Internet, e como esta trilha pode vir a ser utilizada em prol de uma publicidade ativa, individualmente direcionada ao nosso perfil.

Paulo Pagliusi, PhD, CISM – Chief Information Officer at Apex-Brasil | Thiago Martins – Head of ICT Operations and Security

Quando fazemos uma pesquisa, visitamos um site, fazemos uma compra, acessamos uma rede social, tudo isto é interconectado.

No final das contas, tanto o Google quanto o Facebook sabem tudo o que fazemos, se não utilizarmos um navegador com proteção forte de privacidade e serviços de busca privados (como por exemplo, DuckDuckGo ou outros similares), e extrai um alto valor desta análise de dados.

Vale destacar que os assistentes virtuais são todos de escuta ativa permanente.

Por este motivo, o que falamos próximo a qualquer aparelho celular pode e é comumente utilizado por tais assistentes virtuais como subsídio para que nos sejam enviadas propagandas bastante direcionadas ao nosso perfil.

No que se refere aos assistentes virtuais associados a sistemas operacionais móveis, os existentes no ambiente iOS provavelmente não fazem uso destes dados coletados, uma vez que esta ação, teoricamente, contraria a política de privacidade da Apple; porém, no caso do Android, o Google pode sim utilizá-los – e o faz – para gerar publicidade.

Outra questão importante a se destacar é quanto ao uso de e-mails gratuitos, como o Gmail. O Google sabe tudo de nós, pelo conteúdo que temos armazenado e circulamos via Gmail. E pode fazer uso disto também para vender publicidade.

Neste contexto, é importante lembrar que o uso de redes sociais nunca foi, de fato, gratuito – acabamos sempre pagando, só que de outra forma: com o fornecimento de nossos hábitos e preferências, de modo que mecanismos automatizados de marketing, que possuem recursos como o de aprendizagem automática, nos façam bombardeios de anúncios direcionados ao nosso perfil, o que contribui para comprarmos mais, elevando assim a receita dos anunciantes.

Como resultado, vale enfatizar que não há privacidade na Internet quando usamos os principais serviços gratuitos disponíveis. Tudo o que fazemos na Internet, quando utilizamos por exemplo o Google, Facebook, Waze e Instagram é de uma forma ou de outra, rastreado.

A quantidade de informações que tais empresas possuem sobre nós é assustadora e suficiente para montar um perfil detalhado sobre nossas vidas, preferências, hábitos e sabe-se lá o que mais.

“Não existe almoço grátis”, diz um famoso ditado. Em todos os serviços virtuais alegadamente “gratuitos” o produto somos nós, as pessoas, sendo os verdadeiros usuários destes serviços as empresas que pagam para que a publicidade do que almejam vender nos seja direcionada, em massa, mas de modo customizado, a cada um de nós, com base em nossos perfis com dados permanentemente coletados e atualizados.

Assim sendo, tais plataformas “gratuitas” sobrevivem vendendo publicidade direcionada e, para se atingir isto, os aplicativos monitoram e coletam tudo o que podem sobre nós.

Até mesmo alguns aplicativos que são pagos, como o Spotify, também coletam uma quantidade massiva de dados. No caso do Spotify, um documento em PDF com 191 páginas é necessário para listar tudo o que o aplicativo coleta sobre seus usuários (fonte: The Hack). Ou seja, em última análise, pagamos o aplicativo para sermos espionados.

O que é mais impressionante é nem ser preciso estar usando ativamente tais aplicativos para ser monitorado. O Google e o Facebook possuem uma rede de propaganda gigantesca e praticamente todos os sites que exibem publicidade possuem ambas as plataformas conectadas, o que permite que o simples acesso a um site seja registrado no perfil do usuário nessas plataformas.

Se você possui um usuário no Gmail, por exemplo, mesmo que não tenha o aplicativo de e-mail aberto, ao acessar um site que exibe publicidade com a solução do Google AdSense, informará ao Google que seu usuário fez o acesso ao site em pauta.

No caso de usuários do Gmail é ainda maior a quantidade de informação que o Google pode coletar, pois utilizam o conteúdo das mensagens de e-mail para direcionamento de publicidade.

Dessa forma, suas mensagens de e-mail pessoais, que você recebe e envia para familiares, amigos e demais, servem de fonte para se montar um perfil detalhado de suas preferências.

Há ainda uma questão controversa sobre os assistentes virtuais inteligentes.

A Alexa (da Amazon) e o assistente do Google, por exemplo, escutam de forma ativa em nossos telefones e caixas de som inteligentes.

Essa escuta ativa serve para acionar o assistente quando dizemos uma ou duas palavras-chave. Só que isso significa também que tais assistentes podem escutar todas as nossas conversas e utilizar as informações para complementar os perfis que as empresas montam sobre seus usuários.

As políticas de privacidade dessas empresas deixam essas questões em aberto ou de forma obscura; mesmo que digam que tais conversas não são armazenadas ou repassadas a terceiros, elas ainda podem ser processadas para incrementar o perfil de consumo e preferências dos usuários. Ou seja, não há como escaparmos deste “Big Brother” virtual.

É por isso que, muitas vezes, temos a sensação de que tem alguém nos espionando (e tem mesmo). Quando você acessa um site e recebe uma publicação ou publicidade sobre algo que estava conversando no carro, ou relacionado a alguma coisa que talvez seja muito pessoal, saiba que isto não é mera coincidência.

Para quem desejar se aprofundar neste tema, indicamos um documentário chamado “O Dilema das Redes”, da Netflix, que também aborda o assunto e mostra como as redes sociais são construídas para monitorar e saber tudo sobre seus usuários.

Por fim, é importante saber que a única forma de mudarmos isso é utilizar, preferencialmente, produtos e serviços que respeitem sua privacidade e declarem, abertamente, em suas políticas como os dados associados ao seu perfil pessoal são utilizados, armazenados e processados.

Paulo Pagliusi

Sobre Paulo Pagliusi

CIO da Apex-Brasil

Paulo Pagliusi, Ph.D., CISM, é considerado um dos consultores mais renomados do País em gestão estratégica de riscos tecnológicos, área em que atua há 25 anos, ajudando clientes globais a avaliar, gerenciar e otimizar o risco da tecnologia da informação, auxiliando-os a analisar problemas de tecnologia em seus ambientes e a superar riscos tecnológicos emergentes, para que seus negócios continuem avançando. É um dos palestrantes mais requisitados atualmente, tendo se apresentado em mais de 200 eventos no Brasil e no exterior, e concedido mais de 100 entrevistas às mídias.

Acompanhe a Coluna de Paulo Pagliusi aqui no Crypto ID!

Futuro da Defesa: unidades cada vez mais conectadas e automatizadas

Internet das Coisas – Riscos e Desafios desta Inovação Disruptiva

Internet das Coisas: um Plano de Ação para o Brasil – Aspectos de Segurança

Siga o Crypto ID no Linkedin e acompanhe as atualizações sobre inovação e segurança da informação com foco em eIDs e Criptografia!