Últimas notícias

Fique informado

Pandemia acelerou digitalização dos bancos na América Latina, diz pesquisa do The Economist Intelligence

8 de junho de 2021

Spotlight

Tecnologia referência em segurança chega ao ramo educacional através da CredDefense

Além de universidades e faculdades, a CredDefense quer oferecer seus serviços para escolas de ensino fundamental e médio e também para cursinho pré-vestibular

8 de junho de 2021

Philip Zimmermann: “Today marks the 30th anniversary of the release of PGP 1.0.”

PGP Marks 30th Anniversary – 6 June 2021 – Today marks the 30th anniversary of the release of PGP 1.0

8 de junho de 2021

O que é uma cifra de bloco e como ela funciona para proteger seus dados?

Uma cifra de bloco tem alta difusão (as informações de um símbolo de texto simples são distribuídas em vários símbolos de texto cifrado).

7 de junho de 2021

Comissão Europeia propõe uma identidade digital segura e de confiança para todos os europeus

As Orientações da Comissão para a digitalização até 2030 definem uma série de metas e marcos que a identidade digital europeia ajudará a alcançar.

7 de junho de 2021

Para 84% dos executivos entrevistados na região, a pandemia forçou o setor bancário a repensar como dirigir seus negócios

Segundo pesquisa realizada pela The Economist Intelligence em parceria com a Mambu, líder mundial em soluções de core bancário na nuvem, a pandemia de covid-19 foi um dos fatores para o avanço da digitalização nos bancos da América Latina. De acordo com 84% dos executivos ouvidos, a pandemia forçou o setor a repensar como dirigir seus negócios.

Ainda segundo o estudo, 98% dos executivos de bancos da região afirmam que suas organizações têm uma estratégia digital e 50% categorizam a implementação desta estratégia como avançada.

A pesquisa foi realizada com o objetivo de explorar a jornada dos bancos em direção à digitalização e entender como a pandemia da covid-19 influenciou nesse processo.

Entre executivos de grandes bancos (com ativos de US$ 1 bilhão ou mais), 40,3% responderam que sua estratégia digital está muito avançada. Já os respondentes de bancos menores e cooperativas de crédito (com ativos abaixo de US$ 1 bilhão) caracterizaram sua transformação como em “bom progresso”.

A avaliação dos executivos é otimista sobre os compromissos das organizações para digitalizar suas operações – 40% deles acredita que verá uma aceleração na sua estratégia de transformação digital como um resultado da pandemia, provavelmente causado por mudanças nos clientes, comportamentos e novas demandas.

E que, inclusive, já é possível identificar algumas mudanças geradas pela crise sanitária, como a grande aceitação de pagamentos digitais, principalmente como resultado da maior adoção do e-commerce.

Eles apontam, contudo, barreiras que incluem riscos de migração de dados para novas infraestruturas de TI, que não são facilmente implementadas no meio de uma crise, e a falta de alinhamento entre as organizações.

Segurança

No que se refere à segurança de dados, o mercado financeiro é um dos grandes alvos dos ataques cibernéticos e o tema tem sido uma preocupação persistente para instituições da área. Em resposta a essas ameaças, quase 85% dos bancos aumentaram seus investimentos em segurança cibernética nos últimos três anos. Para os executivos entrevistados, melhorar a segurança de dados é o principal incentivo para a digitalização no setor.

Fintechs

A relação entre bancos tradicionais e as fintechs também mudou e já é vista como um complemento. De acordo com 87% dos respondentes, as fintechs estão forçando os bancos a repensarem como os serviços financeiros são fornecidos e alavancar infraestruturas digitais para melhorar a eficiência operacional.

Enquanto 52,9% dos executivos ouvidos veem os fornecedores de carteiras digitais como parceiros, apenas 22,5% os veem como concorrentes. Empresas de pagamento como Apple Pay e Paypal também aparecem como parceiras, de acordo com 45,1% dos entrevistados, por serem os responsáveis em aumentar os pontos de venda e fortalecer o ecossistema de pagamentos digitais.

Por fim, 39,2% dos entrevistados veem empresas não financeiras, como varejistas e empresas de telecomunicações, como parceiras, já que atuam principalmente como agentes bancários.
A pesquisa ouviu executivos bancários na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru no começo do ano.

Sobre a Mambu
A Mambu é uma fintech alemã fundada em 2011 e líder mundial em soluções de core bancário (SaaS) para instituições financeiras. Nativa em nuvem, é uma empresa com elevada taxa de crescimento (scale-up company), tendo captado US$ 134 milhões na última rodada de investimentos, atingindo o status de unicórnio com um valuation de US$ 2,1 bilhões. A Mambu é uma plataforma baseada em APIs, pioneira no conceito de composable banking que permite aos clientes compor a experiência bancária mais adequada para os seus negócios, sem que estejam vinculados a um fornecedor, sistema ou tecnologia específicos. A Mambu está presente em mais de 65 países e agora expande sua atuação para novos mercados como Brasil, Japão e Estados Unidos. O portfólio de clientes inclui Itaú Ank, Santander Asto, ABN New10, Afinz, Bankly, BTG, N26, OakNorth, Tandem, ABN AMRO, Bank Islam, Orange Bank e muitos outros. Para saber mais, acesse mambu.com.

Bancos investem em automação para agilizar análises de crédito durante a pandemia

Serviço ajuda fintechs e bancos digitais a testarem seus aplicativos mobile para garantir a satisfação do cliente e evitar o churn rate

Pesquisas & Estudos

Aqui vocês encontra reunidos os melhores estudos e pesquisas sobre o universo da Segurança da Informação aplicada a diversas verticais de negócios. Acesse nossa coluna e conheça!