Últimas notícias

Fique informado

Tendências em serviços emergentes de identificação bancária na Europa

20/03/2018

Rahim Kaba

Por Rahim Kaba, diretor de marketing do produto eSignLive by Vasco Data Security

Uma parte importante de qualquer negócio é conhecer seus clientes. Documentos de identidade física, tais como passaportes e cartões de identidade, foram projetados para permitir transações presenciais. No entanto, a economia digital de hoje está mudando a maneira como as transações comerciais tradicionais de tijolo e argamassa ocorrem.

À medida que a ocorrência de fraudes e de violações de dados prejudicam os negócios digitais, as empresas estão buscando opções de autenticação mais avançadas para validar a identidade dos participantes em uma transação digital – sejam eles um cliente novo ou um já existente. Não é que as organizações desejem introduzir fricção adicional na atividade on-line ou móvel de um consumidor, mas querem garantir que existam recursos de segurança adequados embutidos, particularmente para os canais digitais voltados para o cliente.

A identidade é fundamental para o setor de serviços financeiros porque permite a entrada digital e a entrega de novos produtos e serviços financeiros. Na União Europeia, por exemplo, existem inúmeros esforços para enfrentar o desafio da identidade na era digital.

Países como Holanda, Noruega, Suécia e Dinamarca, por exemplo, desenvolveram abordagens únicas para gerenciar e validar identidades. Já outros optaram por privatizar a entrega e distribuição de identidades eletrônicas (eIDs) ou oferecer EIDs emitidos pelo governo. O que eles estão fazendo é fornecendo aos cidadãos a escolha e permitindo que a comunidade bancária, por exemplo, invista em esquemas de gerenciamento de identidade.

O iDIN na Holanda é uma iniciativa bancária eID desse tipo e foi criada através de uma parceria entre a Dutch Payments Association e o governo holandês. Através do gateway iDIN, a tarefa de autenticação é transferida para a comunidade bancária e não para os comerciantes on-line individuais.

O benefício desse modelo é duplo. Os clientes usam suas credenciais bancárias estabelecidas e, portanto, não precisam lembrar mais um conjunto de credenciais e processos de autenticação. Isso permite uma experiência segura e sem atrito. Como os bancos autenticam fundamentalmente os usuários, os comerciantes on-line não ficam sobrecarregados tendo que assumir os requisitos regulamentares caros e rigorosos para identificar os clientes.

Outros serviços de autenticação de identificação bancária já surgiram na Europa, incluindo NemID na Dinamarca, BankID na Noruega e BankID na Suécia. Esses serviços têm ampla aplicabilidade – ou seja, documentos digitais de identificação e assinatura – e estão ganhando força em uma série de indústrias incluindo seguros, governo, financiamento de varejo, bem como junto à comunidade fintech.

Esses serviços emergentes de identificação bancária oferecem uma nova maneira de autenticar participantes em uma transação de assinatura eletrônica, especialmente para canais digitais B2C, onde é necessário um alto nível de segurança em relação à identidade do usuário.

Um exemplo do processo de assinatura eletrônica passo a passo, com a experiência do signatário utilizando a solução eSignLive da VASCO em conjunto com um serviço de identificação bancária:

  • o signatário revisa o contrato no aplicativo on-line da empresa e no e-Signlive (por exemplo, documento de abertura de conta)
  • o signatário clica no bloco de assinatura para concordar com os termos e as condições do contrato
  • o signatário é direcionado para o portal ID do banco (por exemplo, iDIN) para autenticação
  • o signatário autentica com suas credenciais bancárias e depois é direcionado de volta ao seu aplicativo on-line para concluir o processo de assinatura

As instituições financeiras, em particular, estão bem posicionadas para dirigir a agenda de identidade digital porque estão fortemente regulamentadas, já atuam como intermediários estabelecidos em muitas transações digitais e, geralmente, são confiáveis ​​pelos consumidores como instituições que salvaguardam informações e recursos pessoais.

Nenhum comentário até agora

Ir para a discussão

Nenhum comentário ainda!

Você pose ser o primeiro a iniciar a discussão.

<