Últimas notícias

Fique informado

Cinco lições aprendidas sobre cibersegurança durante a pandemia

18 de junho de 2020

Spotlight

FEBRABAN TECH traz renomados keynotes internacionais e nacionais para a edição 2022

Ban Ki-moon, Paul Krugman, Makaziwe Mandela, Ilan Goldfajn, Roberto Campos Neto e o ex-jogador Cafu estão entre os destaques do tradicional evento de tecnologia, que ocorre de 9 a 11 de agosto, na Bienal de São Paulo

3 de agosto de 2022

Primeiros cidadãos do país têm acesso ao RG digital no Acre

Documento de identificação dos brasileiros já está disponível digitalmente no aplicativo GOV.BR

3 de agosto de 2022

IDENTITY WEEK 2022 – O mais importante evento de Identidade e Autenticação nos USA

Identity Week: Como autenticar ou identificar cidadãos, consumidores e funcionários, em domínios físico, digital e móvel?

28 de julho de 2022

CISO Forum Brazil 2022 acontece 100% on line com o apoio do CRYPTO ID

CISO Forum Brazil 2022, a ser realizado nos dias 18, 19 e 20 de outubro de 2022 de forma 100% online.

25 de julho de 2022

Diversidade, metaverso, blockchain e formato de trabalho presencial são as principais tendências do Vale do Silício

Empresas e negócios devem absorver essas tendências que hoje estão no centro das discussões sobre inovações no mundo

14 de julho de 2022

NIST anuncia os primeiros quatro algoritmos criptográficos resistentes ao computador quântico

Os 4 algoritmos de criptografia selecionados farão parte do padrão criptográfico pós-quântico do NIST.

6 de julho de 2022

Ciberataque não segue padrão e invade universidades, empresas e organizações governamentais

Como descobriram os analistas da Comodo, um dos ataques, dirigidos a 30 servidores de correio, teve origem no endereço IP 177.154.128.114 e do domínio dpsp.com.br de São Paulo. Todos os 328 e-mails de phishing foram enviados durante um dia – 8 de janeiro.

24 de janeiro de 2018

O Covid-19 mudou a forma como trabalhamos e, consequentemente, a maneira como os dados e usuários estão expostos

A pandemia, entre outras coisas, revolucionou a maneira de trabalhar e testar a segurança cibernética dos negócios em todos os níveis, introduzindo mudanças que vieram para ficar. O objetivo de todas as empresas deve ser atravessar a crise mais fortes e mais seguras do que antes.

Os C-Levels devem entender os riscos potenciais e as oportunidades para garantir que a segurança cibernética não esteja lá apenas para evitar o desastre, mas para ser um facilitador essencial da sua estratégia comercial geral. Neste contexto, a Forcepoint, empresa líder global em cibersegurança, compartilha algumas lições do COVID-19:

1. O usuário e os dados: as joias da coroa – Os ativos mais importantes para uma empresa e que devem ser protegidos são seres humanos e informações confidenciais. A segurança deve seguir esses dois, não importa onde eles estejam.

2. O ser humano é o novo perímetro – Isso já estava sendo discutido, mas a pandemia o confirmou; o perímetro não está na infraestrutura. Novas políticas, com forte foco no treinamento e na conscientização dos funcionários sobre questões relacionadas à segurança de computadores, para reduzir o estresse gerado por esse novo tipo de trabalho e facilitar a execução segura de suas tarefas.

3. Intrusos nas reuniões: um novo perigo – Reuniões virtuais através de plataformas de videoconferência é outra modalidade que veio para ficar. Análise, volumetria e comportamento do usuário foram instalados como pilares importantes para poder prevenir e detectar cenários de risco em torno de novas formas de colaboração remota, usando computadores pessoais, aplicativos em nuvem e links residenciais da Internet.

4. Rearmando as estruturas de TI – As arquiteturas de segurança que foram realizadas até hoje agora precisam oferecer suporte ao novo modelo de colaboração. A cadeia de valor foi modificada e uma combinação de aplicativos em nuvem e conexões VPN foi ativada. Escalabilidade, agilidade, resiliência, eficácia, análises avançadas, integração, entre outros, são apresentados como os principais parâmetros dessas novas estratégias de cibersegurança.

5. Mais com menos – Para otimizar custos (uma premissa que afeta todas as áreas da empresa e a de segurança não é exceção), o foco foi o mapeamento para validar onde se encontram informações confidenciais e valiosas para a empresa, quem tem acesso a ele, eliminar a complexidade nos processos, medir a eficácia dos controles de segurança cibernética existentes em toda a cadeia de suprimentos e acelerar a execução de ações de correção.

Segurança cibernética e de dados durante o trabalho remoto

Como lidar com as ameaças à infraestrutura crítica das indústrias brasileiras

Sobre a Forcepoint

A Forcepoint, anteriormente conhecida como Websense ou Raytheon|Websense, é líder mundial em segurança cibernética e proteção de dados de usuários.

As soluções Forcepoint baseadas em comportamento se adaptam aos riscos em tempo real e são transmitidas por uma plataforma de segurança convergente que protege os usuários da rede e o acesso à nuvem, impedindo que dados confidenciais saiam da rede corporativa e elimina as infrações causadas por pessoas internas.

Sediada em Austin, Texas, a Forcepoint cria ambientes seguros e confiáveis para milhares de clientes empresariais e governamentais e seus funcionários em mais de 150 países.

Segurança da informação: aprendendo com 30 anos de evolução dos ciberataques

Leia mais e saiba mais sobre nosso conteúdo sobre cibersegurança!

  Explore outros artigos!