Últimas notícias

Fique informado

Em 1990, a Copa do Mundo da Itália serviu de lugar para minha estreia como torcedor da seleção brasileira

11 de novembro de 2022

Spotlight

A Transformação Digital do Mercado Imobiliário: Blockchain, Moedas digitais, Cartórios e o Futuro

A tecnologia blockchain tem despertado interesse devido ao seu potencial disruptivo em vários setores, incluindo o setor imobiliário.

8 de abril de 2024

Empresa de Israel traz tecnologia de ponta em cibersegurança para o mercado brasileiro

Com o potencial de crescimento do mercado brasileiro e sua consequente inserção no ambiente digital, os fundadores da Cysfera decidiram trazer as inovações de ponta israelenses ao cenário nacional.

3 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

O álbum de figurinhas da Copa do Mundo resistiu ao disruptivo universo das tecnologias da informação e comunicação e se mantem como hype dos tempos modernos

Por Edmar Araujo

Edmar Araújo

Aos sete anos de idade, me encantei com todas aquelas nações, hinos e uniformes e, é claro, as cores do selecionado canarinho sempre me faziam (e fazem) brilhar os olhos.

Das recordações mais belas que guardo, a de ter visto bandeiras de países que disputavam o mundial na Terra da Bota estampadas em caixas de sabão em pó me marcou, especialmente a da então Alemanha Ocidental, selecionado que viria a erguer o troféu naquela ocasião ao vencer a temida Argentina, de Maradona.

32 anos depois, estamos todos entusiasmados com a chegada do mundial do Catar. Típico do brasileiro é cultivar o sentimento de vitória, mesmo quando não há grandes elencos. Ótimos, bons, regulares ou ruins plantéis, a seleção sempre teve do seu torcedor apoio quase que incondicional. E eis que entre tanta conectividade propiciando informação e, principalmente, digitalização, percebo um sobrevivente da revolução dos bites e bytes.

Sim, o álbum de figurinhas da Copa do Mundo resistiu ao disruptivo universo das tecnologias da informação e comunicação e se mantem como hype dos tempos modernos mesmo não sendo uma tendência da atualidade.

Acompanhei a saga dos meus filhos para completar seus álbuns, e como essas idas e vindas, quase quixotescas, estão na contramão da conveniência proporcionada pelos dispositivos móveis.

O processo é quase todo à moda antiga: sair para comprar, sair para trocar, sair para participar de encontro de colecionadores que vendem ou permutam suas figurinhas repetidas. Nada digital, tudo presencial, demandando dos apaixonados diálogo, capacidade de negociação e paciência.

Em pleno 2022, quando falamos de transformação digital e sua disruptividade, vemos que há coisas que não serão mudadas neste admirável mundo novo, que permanecerão como são ou estão. A verdade é que os álbuns de figurinhas demonstram, à sua maneira, que o virtual é anterior ao digital e que nossa capacidade de imaginação, imersão e realização está para além dos óculos ultrarrealistas ou da tecnologia do Metaverso.

Ao ver meninos jogando futebol na rua, algo cada vez mais raro, e imitando seus ídolos do esporte quando comemoram gols, percebo que nem toda experiência poderá migrar para o digital.

O álbum de figurinhas é o analógico do futuro, pois fatalmente em 2026, na próxima Copa do Mundo, ele estará mais uma vez disponível e a provocar a paixão pelo entretenimento não digital, mas físico, em papel, pouco conveniente e perecível.

O que mais não será digital no futuro?

*Edmar Araujo, presidente executivo da Associação das Autoridades de Registro do Brasil (AARB). MBA em Transformação Digital e Futuro dos Negócios, jornalista. Membro titular do Comitê Gestor da ICP-Brasil

MP 1085/21 é um risco ao patrimônio do cidadão, por Edmar Araújo

Entrevista: Edmar Araújo esclarece sobre pratica ilegal com o uso de Certificados Digitais de terceiros

Crypto ID entrevista: Edmar Araújo – Presidente da AARB

Bolsonaro reconhece a importância da ICP-Brasil para inibir as fraudes nas bombas de gasolina. Por Edmar Araújo

Sobre a AARB

Fundada em 2014, a Associação das Autoridades de Registro do Brasil (AARB) é fruto dos anseios dos representantes das Autoridades de Registro da ICP-Brasil e tem por objetivo defender os interesses do segmento perante os poderes da república, sociedade civil organizada, bem como a massificação da certificação digital no País.

Por meio da AARB, as Autoridades de Registro podem fazer-se representar nas mais diversas esferas do poder público. Graças a sua atuação, as AR possuem melhores condições para alcançar objetivos do que teriam se atuassem de forma isolada.

Entidade de direito privado e sem fins lucrativos, a AARB é mantida exclusivamente por seus associados. Além dos interesses mencionados, compete a AARB disseminar a cultura da tecnologia ICP-Brasil e agregar benefícios e vantagens aos seus associados.

Confira outros artigos da AARB aqui!

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!