Últimas notícias

Fique informado

A Plataforma MOSIP está pronta para a construção de um ecossistema mundial de ID digital

31 de julho de 2023

Plataforma Modular de Identidade de Código Aberto teve um grande impacto nos sistemas de identificação digital de países da Ásia e da África e está preparando o terreno para alcançar mais países e novas regiões com um ecossistema em amadurecimento.

Novos parceiros, dispositivos biométricos e especificações estão sendo adicionados ao MOSIP em um ritmo acelerado, e a organização está mudando seu foco de estabelecer a plataforma para disseminá-la.

À margem de seu recente evento MOSIP Partner Conversations em Nairóbi, Quênia, na véspera do ID4Africa 2023, o chefe do ecossistema biométrico, Sanjith Sundaram, e o diretor de divulgação, Nagarajan Santhanam, juntaram-se à atualização biométrica para discutir o rápido progresso e o futuro promissor da plataforma.

Realizado em 22 de maio na bela cidade de Nairobi, o MOSIP Partner Conversations 2023 criou um fórum para colaboração e compartilhamento de conhecimento em torno da ID digital. Tivemos o prazer de receber mais de 200 delegados de todo o mundo; como um grupo diversificado de fornecedores de tecnologia e partes interessadas de nossos países adotantes.

A equipe MOSIP é composta por apenas algumas dezenas de funcionários, muitos dos quais estão juntos desde que foi estabelecido para ajudar a dar aos países mais opções entre as tecnologias de identidade digital. Todos os líderes seniores do MOSIP permaneceram na organização desde sua fundação, de acordo com Sundaram.

Desde então, sistemas de identidade digital baseados em MOSIP foram lançados nas Filipinas e no Marrocos, e pilotos estão sendo executados em países como Serra Leoa e Sri Lanka.

A escala da influência do MOSIP e seu rápido crescimento parecem desmentir o tamanho da equipe por trás dele. Sundaram enfatiza a importância da abordagem do ecossistema para ajudar o MOSIP a escalar.

O ecossistema é formado por parceiros selecionados entre fornecedores de tecnologia de biometria e identificação digital, bem como os países com os quais trabalha. Também inclui cada vez mais laboratórios de testes, instituições acadêmicas e outras organizações sem fins lucrativos.

Construção do ecossistema em andamento

A MOSIP lançou seu programa de parceiros especificamente para integradores de sistemas de identidade digital para apoiar seu envolvimento e, ao mesmo tempo, garantir sua conformidade com a plataforma. Os parceiros comerciais são integradores de sistemas que trabalham com governos e executam a implementação do sistema, enquanto os parceiros de tecnologia fornecem dispositivos ou serviços que são verificados pelo MOSIP em um ambiente sandbox.

“Com os integradores de sistemas, o que queríamos garantir não era um produto, mas uma empresa e sua capacidade”, explica ele.

O programa agora consiste em 14 integradores de sistemas, 12 deles parceiros integradores de sistemas comerciais e de tecnologia, e 2 que são apenas integradores de tecnologia, de acordo com Sundaram.

A ideia é que, como o MOSIP fornece os módulos de software e a plataforma para conectá-los, os parceiros fornecem os dispositivos e os mecanismos correspondentes necessários para completar o sistema. O integrador do sistema realiza uma pequena customização e a implementação é suportada pelo MOSIP.

“O que isso significa é que estamos dando algum tipo de garantia ou garantia ao país de que, se você entrar nesta plataforma, estaremos lá para apoiá-lo com suporte de Nível 3”, explica Sundaram.

A MOSIP não recebe nenhuma compensação dos países com os quais trabalha pela configuração inicial, manutenção ou qualquer outra parte do processo.

Os produtos devem incluir uma interface que se encaixe nas definições do MOSIP para facilitar a implementação pelos países para estar em conformidade. A segurança e a privacidade dos dados são incorporadas ao sistema, diz Sundaram.

Quando as Filipinas selecionaram o MOSIP como um bem público digital, o país lançou pedidos separados de propostas de dispositivos e um integrador para ajudar na configuração. A RFP de kits de cadastramento biométrico foi vencida pela Thales, que forneceu cerca de 7.800 kits. A implementação do sistema contou com o apoio de um pequeno conjunto de engenheiros do pool do MOSIP. As Filipinas já começaram a lançar casos de uso para seu sistema de identificação, com 78 milhões de pessoas inscritas.

Os integradores de sistemas tiveram um trabalho um tanto diferente na implementação da ID digital baseada em MOSIP do Marrocos. Com uma população muito mais concentrada e menor, o Marrocos passou a utilizar o sistema para prestação de serviços ao registrar 10 milhões de pessoas.

O MOSIP também trabalha na capacitação e treinamento de integradores de sistemas, destaca Sundaram, o que, por sua vez, o ajuda a apoiar mais iniciativas. A MOSIP Academy é um conjunto voluntário de materiais de treinamento para integradores de sistemas com uma avaliação no final.

O ecossistema de parceiros foi construído primeiro envolvendo fornecedores de dispositivos biométricos, sistemas automatizados de identificação biométrica (ABIS) e SDKs para trazer as soluções comerciais que os países previstos pela MOSIP precisariam. Os países que trabalham com a plataforma pedem ao MOSIP que recomende um integrador de sistemas ou um determinado dispositivo biométrico, mas a organização procura manter-se neutra.

Em vez disso, a MOSIP criou seu mercado, que lista todos os parceiros qualificados. Os benefícios para esses parceiros comerciais, diz ele, são muitos.

“Pode ser participar de pilotos, pode ser participar das atividades de preparação de especificações e depois de iniciativas de tecnologia, porque também precisamos considerar o mercado. Não dizemos que somos especialistas em tecnologia facial, por exemplo. Sabemos que existem parceiros em potencial por aí que são qualificados nisso.”

Os centros de experiência são a próxima fronteira no ecossistema. Sundaram explica que, além do MOSIP Experience Center original no IIIT-Bangalore, a organização está trabalhando para expandir o conceito. Um MoU já foi assinado para ajudar a estabelecer um centro de experiência de ID digital, com o MOSIP como parceiro e um componente dentro dele, com a CMU Ruanda. O MOSIP também está em negociações com a Universidade das Filipinas. Eventualmente, o MOSIP quer um ou dois centros de experiência em cada região em que atua.

Sundaram descreve os Centros de Experiência como “mais como um POC walk-in do MOSIP”, com os visitantes atuando como a autoridade de identificação de um país imaginário.

O teste também é um elemento importante no ecossistema. No entanto, o MOSIP não realiza nenhum teste em si, mas está criando um ecossistema de laboratórios de teste independentes e uma estrutura de como certificar dispositivos.

A MOSIP já está trabalhando com a BixeLab , com sede na Austrália, para criar uma especificação para interfaces de dispositivos biométricos e com a Ferma, com sede na Europa, para padrões de criptografia para proteger os dados confidenciais que são armazenados e usados ​​na plataforma de identificação digital.

O BixeLab já está integrado para testes e Sundaram revelou que o Ingenium é o próximo no pipeline. Ele escreveu para todos os laboratórios de biometria credenciados pelo NIST e planeja escrever para os laboratórios credenciados pela FIDO também, para convidá-los a fazer parte do ecossistema de testes do MOSIP, mesmo enquanto o regime de testes está sendo construído.

“Acho que estamos quase lá para os dispositivos de inscrição”, diz Sundaram. “Para dispositivos de autenticação, levará mais tempo porque o mecanismo de criptografia está dentro dos dispositivos.”

Um anúncio sobre o progresso nas especificações de teste é esperado em breve.

Um kit de conformidade para parceiros também está disponível para fornecer ferramentas e utilitários para capacitá-los a desenvolver interfaces compatíveis sem muita ajuda direta do MOSIP.

Sundaram descreve a abordagem como “como imitar um sistema MOSIP e nossa interface em um pequeno utilitário para que eles possam testar continuamente o sistema e, em seguida, ajustar seu desenvolvimento”. Isso garante que as interfaces estejam prontas, antes da colocação no centro de experiência para uma demonstração totalmente funcional.

Pilotos mais rápidos, tecnologia emergente

Santhanam, diretor de divulgação do MOSIP, diz que, à medida que a plataforma foi sendo desenvolvida e lançada, a equipe aprendeu constantemente com a experiência.

O novo modelo de implementação piloto rápida foi introduzido no ano passado e é um dos produtos desse aprendizado. O MOSIP ajudará os países a estabelecer um piloto, que pode envolver apenas alguns milhares de pessoas, com implementação e inscrição concluídas dentro de dois meses após a assinatura do acordo. A etapa mais longa do processo costuma ser a espera pelo envio inicial de dispositivos biométricos, de acordo com Sundaram. Os primeiros pilotos do MOSIP levaram de seis a oito meses para serem lançados.

Havia quatro pilotos MOSIP rodando em paralelo no momento da entrevista.

A organização também se envolve com parceiros nesses pilotos, em parte para demonstrar as opções que os países têm. Se forem necessários quatro kits de registro biométrico, diz Sundaram, o MOSIP tentará garantir que pelo menos algumas opções diferentes sejam incluídas no piloto.

A entrega piloto mais rápida, juntamente com a aplicação da “regra 80/20”, na qual os países usam um modelo desenvolvido por aqueles que vieram antes deles e depois o personalizam, encurta o prazo para a implementação, diz Santhanam. “A prestação de serviços é empurrada para um estágio muito inicial.”

Mesmo com a aceleração do processo de adoção, a tecnologia biométrica está evoluindo, e Sundaram observa que, se os países estiverem interessados ​​em executar uma prova de conceito com uma tecnologia emergente, como impressões digitais sem contato, o MOSIP o apoiará.

A MOSIP está conversando com a Integrated Biometrics , Tech5 e Identity sobre a integração de suas tecnologias de impressão digital sem contato. Para mostrar seus produtos, a organização está planejando uma nova seção em seu mercado para tecnologias promissoras que ainda estão sendo desenvolvidas e avaliadas.

“Estamos constantemente ouvindo todas essas atividades que estão acontecendo”, diz Sundaram.

Nessa mesma linha, o centro de experiência em Bangalore já apresenta dois mecanismos de biometria de voz.

A organização deve ser clara com os países sobre quais são as opções, enfatiza Sundaram. A comunicação aberta é um tema que surge várias vezes durante a conversa.

“A menos que contemos a eles sobre algo que está por vir, um país nem pensará nisso”, diz Sundaram. “Então eles não vão conseguir ser um catalisador desse movimento. Eles não poderão participar do movimento”.

O POC permite que os países avaliem e possivelmente alavanquem novas tecnologias, bem como apoiem e influenciem seu desenvolvimento.

“Os países podem ver um POC de ponta a ponta, os parceiros podem mostrar do que são capazes e participar das novas atividades de construção de padrões, e os institutos acadêmicos se unem para tentar resolver problemas que ainda estão em aberto.” diz Sundaram.

A comunicação com os países também inclui comentários sobre o próprio MOSIP, e alguns foram convidados a participar da construção da estrutura como observadores.

O MOSIP também está evoluindo com base no feedback interno, muitas vezes na forma de debate vigoroso. Sundaram e Santhanam descrevem uma equipe com rotatividade muito baixa e alta confiança mútua, engajada em “muitas discussões saudáveis”. A equipe de divulgação se vê como um cliente da equipe de engenharia.

A segunda onda

Já são cerca de 80 os parceiros comerciais da MOSIP, que já colocaram mais de 50 soluções no centro de experiência. Vinte e sete países visitaram o centro de experiência até agora e vários outros se envolveram com o MOSIP de outras maneiras. Onze países estão em vários estágios de adoção do MOSIP, e os programas de educação e testes estão avançando rapidamente.

Isso significa que a primeira fase do desenvolvimento da plataforma está quase concluída, de acordo com Santhanam. Como acontece com qualquer plataforma, diz ele, a primeira fase é sobre a construção e estabilização da plataforma, enquanto a segunda é mais focada na divulgação e a terceira é a prestação de serviços.

Enquanto Sundaram diz que “as portas estão sempre abertas” a potenciais parceiros, a próxima fase de atividade do MOSIP será diferente.

“Nosso foco não será ter muito alcance”, revela Sundaram. “Temos um bom ecossistema. Faremos questão de trabalhar em estreita colaboração com eles. Certifique-se de que haja oportunidades suficientes para nossos parceiros, porque esse é um modelo sustentável. Eles também ganham mais visibilidade et cetera.”

O amadurecimento do ecossistema de parceiros está tornando a plataforma mais eficiente, diz Santhanam. Eles continuarão influenciando o projeto, ao mesmo tempo em que o apresentam como opção aos próprios países.

“Queremos tornar nossos parceiros mais bem-sucedidos”, diz ele. “Esse é o nosso modelo porque somos uma organização sem fins lucrativos. Não estamos aqui para ganhar dinheiro. Temos uma plataforma de classe mundial instalada, por isso são nossos parceiros que irão levá-la e divulgá-la para o próximo nível.”

A segunda fase de crescimento da MOSIP também inclui planos de expansão para a América Latina. Entrar em uma nova geografia traz vários desafios, como para qualquer organização, e Santhanam diz que os países estão certos em procurar exemplos de implementação bem-sucedida de qualquer plataforma em sua própria região.

“Entrar em qualquer nova região exige muito trabalho de base, mas acho que o mercado está clamando por nós”, diz Santhanam. “Sentimos muita diferença cultural entre a África e a América Latina. A América Latina a gente sente que está um pouco mais madura, tem muitos lugares que já tem um sistema de identificação e podem precisar do MOSIP para uma finalidade diferente.”

Ele acredita que um acordo assinado no início do ano entre o IIT-B e o Conselho Latino-Americano e do Caribe de Registro Civil, Identidade e Estatísticas Vitais (CLARCIEV) ajudará a chegar aos países da região que buscam atualizar seus sistemas de identificação digital.

Entretanto, há mais dois ou três países “bastante próximos” de assinar acordos, segundo Santhanam.

Acertar na plataforma foi o foco inicial, diz Santhanam, muito mais do que mensagens cuidadosamente elaboradas. Ele relata um encontro inicial com um fornecedor de biometria que acreditava que o MOSIP seria mais um concorrente do que um parceiro. Esses dias acabaram.

As peças do ecossistema estão no lugar. Parte do próximo desafio, de acordo com Santhanam, é afastar a percepção de que o MOSIP é bom demais para ser verdade.

Fonte: BiometricsUpdate

Recurso de replicação de voz pode ser uma ameaça potencial a esse tipo de biometria?

Plataforma desenvolvida na Índia pretende utilizar certificados digitais como prova de vacinação

Algoritmos levarão a melhor sobre a opinião humana, projeta Daniel Kahneman

Acompanhe como o reconhecimento facial e impressões digitais, de íris e voz estão sendo utilizados para garantir a identificação digital precisa para mitigar fraudes e proporcionar aos usuários conforto, mobilidade e confiança. Crypto ID, o maior canal brasileiro sobre identificação digital. Leia outros artigos aqui!

Learn how facial recognition and iris, voice and fingerprints are being used to ensure accurate digital identification to mitigate fraud and provide users with comfort, mobility and trust. Read other articles here! Crypto ID, the largest Brazilian channel on digital identification. Read other articles here!

Descubra cómo se utilizan el reconocimiento facial y el iris y las huellas dactilares del voz para garantizar una identificación digital precisa para mitigar el fraude y brindar a los usuarios comodidad, movilidad y confianza. Crypto ID, el mayor canal brasileño de identificación digital. ¡Lea otros artículos aquí!

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!

TAGS

biometria