Últimas notícias

Fique informado

Cryptojacking e os desafios da segurança digital 

19 de fevereiro de 2024

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

O ataque representa uma ameaça significativa para a segurança cibernética, oferecendo mais oportunidades para criminosos

No mundo digital em constante evolução, surgem constantemente novas ameaças que desafiam a segurança cibernética, deixando usuários e empresas preocupadas com a segurança de seus sistemas e dados, como o cryptojacking, que vem ganhando ainda mais destaque atualmente. Nele, atacantesaproveitam os recursos de processamento de computadores de terceiros para minerar criptomoedas sem o conhecimento ou consentimento de seus proprietários. 

Para as organizações, o ataque representa uma ameaça significativa para a segurança cibernética, onde o uso extensivo de dispositivos conectados à rede oferece mais oportunidades para criminosos explorarem vulnerabilidades para realizar ciberataques, o que pode causar prejuízos financeiros e de reputação.

O crime de cryptojacking pode acontecer por dois canais: host ou navegador. O primeiro ocorre por meio de várias técnicas, das quais três se destacam em termos de notoriedade: phishing, que consiste no envio de anexos de e-mail maliciosos para a vítima; aplicativos falsos, que são programas fraudulentos, como jogos contendo malware; e o comprometimento da cadeia de suprimentos de fornecedores de software legítimo, possibilitando a inserção do malware em softwares genuínos.

No ataque via navegador, considerado o mais comum, são usados códigos ocultos em sites para explorar a capacidade de processamento dos dispositivos, afetando qualquer aparelho conectado à Internet. Isso se enquadra no conceito de malware fileless, que utiliza as próprias ferramentas e processos do sistema operacional por meio da técnica “Living off the Land”, permitindo atividades maliciosas sem a necessidade de instalar executáveis adicionais no sistema da vítima.

Sobre a Tempest

A Tempest Security Intelligence é uma empresa brasileira com atuação global e uma das maiores companhias brasileiras especializadasem cibersegurança e prevenção a fraudes digitais. Sediada no Recife, a Tempest conta também com escritórios em São Paulo e Londres, com mais de 500 colaboradores. Ao longo de seus mais de 20 anos de história, a Tempest ajudou a proteger mais de 500 empresas de todos os portes e setores, dentre elas companhias do setor financeiro, varejo, e-commerce, indústria e healthcare, atuando em clientes nacionais e internacionais atendidos tanto pelo time no Brasil quanto no Reino Unido.

As armas para derrotar os ataques de Cryptojacking

O cryptojacking se torna uma das principais ferramentas dos hackers, sinalizando uma grande ameaça à segurança cibernética e pessoal

Microsoft Warns of Cryptomining Malware Campaign Targeting Linux Servers