Últimas notícias

Fique informado

O futuro das mulheres na segurança cibernética. Por Longinus Timochenco

17/10/2018

O futuro das mulheres na segurança cibernética é agora e já uma realidade.

Longinus Timochenco (*)

Longinus Timochenco  | Diretor de Cyber Defense da Stefanini Rafael na América Latina e colunista do Crypto ID

A Cibersegurança já está no cotidiano de pessoas e empresas há algum tempo, cada vez mais forte e carente de profissionais qualificados para combate a indústria do crime digital de forma preditivo. Nesse artigo, trago para refletirmos o tema “Mulheres no mundo Cibersegurança”.

As mulheres vêm abraçando com muita qualidade e eficiência essa oportunidade.

O estudo da Kaspersky Lab aponta que mulheres representam apenas 11% do total da força de trabalho na área de Cibersegurança.

É fato que os homens predominam neste segmento, no entanto o levantamento evidencia que esse quadro tende a se manter, sem alteração para os próximos anos, ou seja, 78% das jovens mulheres jamais cogitaram a possibilidade de se aventurar por uma carreira nessa área.

Habilidades

O estudo mostra também que, em geral, as mulheres não têm conhecimento das habilidades que os empregadores procuram e, ainda, não tem a convicção se contam com os atributos que são exigidos para exercer essa atividade.

Ao serem questionadas sobre os motivos de não tomarem a decisão de investir na carreira de segurança cibernética, as mulheres se mostraram mais inclinadas do que os homens ao afirmar que não possuem experiência em codificação (57% vs. 43%), não têm interesse em computação (52% vs. 39 %), não têm conhecimento de cibersegurança (45% vs. 38%) e que não são suficientemente ‘afiadas’ em matemática e exatas (38% vs. 25%).

Importante ressaltar que as indústrias de Cibersegurança já identificaram que as mulheres podem agregar valor significativo para este setor, considerando suas habilidades naturais tais como precisão nos detalhes e mente analítica que avalia rapidamente os problemas mais complexos, provendo soluções práticas.

O mercado reconhece que as mulheres são capazes de gerenciar múltiplas tarefas, enquanto lideram grupos para atingir resultados positivos e sucessos surpreendentes.

Alguns fabricantes como Kaspersky, Symantec, IBM, One Identity, entre outros, estão na vanguarda dessa realidade e estão investindo fortemente neste perfil incluindo-as nas academias, labs, engenharia e em campo de trabalho.

Entretanto, a representação das mulheres neste aspecto de segurança dominado pelos homens é alarmantemente baixa ainda mais se considerarmos todas as áreas: Compliance, Auditoria e Governança. Certamente, o mercado possui mentes brilhantes independente do gênero, uma vez que o trabalho conjunto pode prover a perfeição.

O maior desafio para as mulheres é ter a real percepção da capacidade para tornarem-se codificadoras, programadoras e pesquisadoras de segurança on-line.

Nosso objetivo dever ser de encorajar, capacitar e promover o ingresso de mais mulheres tanto no mundo da Cibersegurança, como em mercados de Segurança da Informação, Compliance, entre outros.

É preciso vencer os preconceitos e, dessa forma, elevar a nossa maturidade profissional. Supervalorizamos o novo, o digital, o cumprimento de metas, mas falhamos na essência, no básico. O caminho é unir forças e conhecimento para a construção de algo maior e poderoso para atingirmos um objetivo comum e salutar para todos.

(*) Longinus Timochenco é Diretor de Cyber Defense da Stefanini Rafael na América Latina.

Executivo e Especialista em Segurança da Informação Corporativa, Cyber Security, Professor, Palestrante, a mais de 21 anos de experiência em Tecnologia. Forte atuação em Governança Corporativa, Risco & Fraude, Compliance e Gestão de TI. Membro do Comitê Brasil de Segurança da Informação ISO IEC JTC1 SC 27 na ABNT Brasil, atuante no mercado em Consultorias (Accenture, KPMG, TIVIT, BT-British Telecom etc…) para grandes corporações globais no Gerenciamento de projetos estratégicos, Auditorias, combate a Crimes Cibernéticos.

Cases de sucesso com empresas nacionais e internacionais como Oracle, Checkpoint, Rapid7, Pentest Magazine, Projetos IT Green, Outsourcing de TI. Premiado – Security Leaders Brasil 2014 e 2016.

Chief Information Security Officer – CISO

Colunista do Crypto ID

  Leia outros artigos de Longinus Timochenco