Últimas notícias

Fique informado

ChatGPT: Um futuro promissor ou caótico para estratégias de defesa?

30 de janeiro de 2023

Spotlight

A Transformação Digital do Mercado Imobiliário: Blockchain, Moedas digitais, Cartórios e o Futuro

A tecnologia blockchain tem despertado interesse devido ao seu potencial disruptivo em vários setores, incluindo o setor imobiliário.

8 de abril de 2024

Empresa de Israel traz tecnologia de ponta em cibersegurança para o mercado brasileiro

Com o potencial de crescimento do mercado brasileiro e sua consequente inserção no ambiente digital, os fundadores da Cysfera decidiram trazer as inovações de ponta israelenses ao cenário nacional.

3 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Dilema cultural da transferência de responsabilidade na segurança digital

O cenário de ameaças tornou-se cada vez mais perigoso enquanto

12 de dezembro de 2022

Como capitalizar na era de ouro da segurança cibernética?

Na linha de frente desses desafios estão os profissionais de segurança e fornecedores que trabalham incansavelmente para revolucionar o setor

5 de dezembro de 2022

Computação de borda e a proliferação ataques cibernéticos na saúde

Uma das maneiras inovadoras pelas quais as equipes hospitalares podem reduzir o risco de ataques cibernéticos prejudiciais é por meio da implantação de sistemas de computação de borda.

14 de novembro de 2022

Zoom bombing – Empeça que a invasão estrague seu evento virtual

os hackers e os chamados ataques de Zoom bombing – uma invasão incômoda, geralmente feita por trolls de internet e hackers, numa videoconferência – começaram a ganhar força na internet.

31 de outubro de 2022

O ano da tecnologia começou com o ChatGPT sendo o aplicativo de inteligência artificial (AI) mais falado ao redor do mundo

Por Adriano da Silva Santos

ChatGPT
Jornalista e escritor, Adriano da Silva Santos

A ferramenta funciona basicamente como um chatbot de IA generativa.

Ou seja, de forma simples, o software atua de modo a entender e se comunicar conosco de uma maneira muito próxima de uma conversa com um ser humano real.

Um ser humano muito inteligente e experiente, que conhece cerca de 175 bilhões de informações e é capaz de se lembrar de qualquer uma delas quase instantaneamente.

As funções e a capacidade do ChatGPT alimentaram a imaginação do público sobre o que poderia ser possível com a IA.

Já existe muita especulação sobre como isso afetará um grande número de funções humanas, desde o atendimento ao cliente até a programação de computadores.

Aqui, porém, quero dar uma olhada rápida no que isso pode significar para o campo da segurança cibernética.

É provável que isso leve a um aumento no número já crescente de ataques cibernéticos direcionados a empresas e indivíduos? Ou coloca mais poder nas mãos daqueles cujo trabalho é combater esses ataques?

Na prática isso se desenha da seguinte maneira: o ChatGPT – e mais importante, as futuras interações da tecnologia – têm aplicações tanto em ciberataque quanto em ciberdefesa.

Isso ocorre porque a tecnologia subjacente conhecida como processamento de linguagem natural ou geração de linguagem natural (NLP/NLG) pode facilmente imitar a comunicação humana, tanto  escrita como falada e também pode ser usada para criar novos códigos de computador.

Portanto, de um lado negativa algumas das possibilidades que uma parte maliciosa pode ter à sua disposição incluem: escrever e-mails de fraude e phishing mais elaborados que encorajem os usuários a compartilhar senhas ou dados pessoais confidenciais, como informações de contas bancárias.

Além disso, ele também pode automatizar a criação de muitos desses e-mails, todos personalizados para atingir diferentes grupos ou até mesmo indivíduos.

Por outro lado, há também aplicações potenciais para defesa. Isso passa, por exemplo, pela identificação de golpes de phishing; pela codificação de software anti-malware; pelo diagnóstico de vulnerabilidades no código existente; na autenticação e até mesmo, na criação de relatórios e resumos automatizados, podendo ser aplicado na automatização de resumos em linguagem simples dos ataques e ameaças que forem detectados, combatidos ou daqueles dos quais uma organização provavelmente será vítima.

Esses relatórios podem ser personalizados para diferentes públicos, como departamentos de TI ou executivos, com recomendações específicas para diferentes pessoas.

Adentrando mais essa questão, existe hoje um intenso debate internacional sobre se a IA provavelmente levará a perdas generalizadas de empregos e redundância entre os humanos.

Minha opinião é que, embora seja inevitável que alguns empregos desapareçam, é provável que outros sejam criados para substituí-los também.

Sendo assim, o mais importante é que os trabalhos perdidos sejam principalmente aqueles que exigem trabalho repetitivo e rotineiro – como instalar e atualizar filtros de e-mail e software antimalware.

Aqueles que permanecem, ou são criados recentemente, em contrapartida, deverão requerem conjuntos de habilidades mais criativas, imaginativas e humanas.

Isso incluirá o desenvolvimento de conhecimentos em engenharia de aprendizado em máquina para criar novas soluções, mas também o desenvolvimento e a construção de culturas de conscientização sobre segurança cibernética nas organizações, orientando as forças de trabalho sobre ameaças que não podem ser interrompidas pela IA (como os perigos de escrever detalhes de login na postagem) e partir disso, desenvolver abordagens estratégicas inovadoras para a segurança cibernética.

Sobre Adriano da Silva Santos 

O jornalista e escritor, Adriano da Silva Santos é colunista colaborativo do Crypto ID. Formado na Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Reconhecido pelos prêmios de Excelência em webjornalismo e jornalismo impresso, é comentarista do podcast “Abaixa a Bola” e colunista de editorias de criptomoedas, economia, investimentos, sustentabilidade e tecnologia voltada à medicina.  Adriano Silva (@_adrianossantos) / Twitter Adriano Silva | LinkedIn

Leia outros artigos escritos por Adriano da Silva Santos aqui!

Como as transações em cripto podem contribuir na inclusão bancária?

Os seis principais desafios para cibersegurança em 2023

Dilema cultural da transferência de responsabilidade na segurança digital

Como capitalizar na era de ouro da segurança cibernética?

Acompanhe os principais conteúdos sobre Inteligência Artificial!

Você quer acompanhar nosso conteúdo? Então siga nossa página no LinkedIn!