Últimas notícias

Fique informado

Inteligência de dados é a chave para o avanço da descarbonização e eficiência energética do transporte público

10 de maio de 2023

Spotlight

Nuvens Tempestuosas: Navegando pelo Panorama Complexo da Cibersegurança na Nuvem

Enquanto as organizações migram cada vez mais dados e serviços para a nuvem, a complexidade e a magnitude das ameaças cibernéticas também crescem.

15 de maio de 2024

Cancelamento de hipotecas – Assinatura avançada versus qualificada – Parte II

Essa segunda parte discute os padrões e requisitos para o processamento eletrônico de documentos no registro de imóveis no Brasil.

15 de maio de 2024

Cancelamento de hipotecas – Assinatura avançada versus qualificada – Parte I

Questão das assinaturas eletrônicas no Registro de Imóveis é incerta, mesclando aspectos tecnológicos e jurídicos.

14 de maio de 2024

Por que é tão complexo se proteger de ataques cibernéticos? Por Rodrigo Fragola

“A meta agora não é alcançar segurança absoluta, mas sim segurança relativa no mercado em que se atua.” Fragola

13 de maio de 2024

Edmar Araujo, o novo diretor-executivo da ANCD concede sua 1ª entrevista ao Crypto ID

Edmar Araujo diretor-executivo da Associação Nacional de Certificação Digital e fala com exclusividade ao Crypto ID.

13 de maio de 2024

Confira 7 dicas para a redução do uso de papel nas empresas

São sete dicas essenciais para ajudar as empresas a reduzirem o uso de papel e promoverem práticas mais sustentáveis.

9 de maio de 2024

Como a Lei Geral de Proteção de Dados pode influenciar os sistemas de videomonitoramento nas empresas

É preciso considerar o planejamento e gestão de incidentes de segurança, caso ocorra um vazamento ou perda de dados

1 de fevereiro de 2023

O que é Inteligência Artificial?

Muito além de filmes futurísticos: entenda de uma vez o termo, as classificações e até onde a Inteligência Artificial pode chegar

18 de janeiro de 2023

Cidades inteligentes são impulsionadas pelo 5G, que tem impacto direto nas corporações, diz diretor da Ligga

Com palestra intitulada “Impactos do 5G no Desenvolvimento Urbano”, Menezes compartilhou sua visão e perspectivas sobre os efeitos da nova tecnologia nas cidades

5 de dezembro de 2022

Hotéis podem garantir a segurança de dados dos hóspedes?

A utilização de ferramentas e recursos, como softwares adequados, são essenciais para que a tecnologia funcione de forma efetiva nos hotéis

4 de novembro de 2022

Segundo dados da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), 28% dos brasileiros usam o transporte público

Por Roberto Speicys

Roberto Speicys, CEO e confundador da Scipopulis, empresa green4T

Atender ao anseio da população por deslocamentos mais ágeis, acessíveis e seguros, e ao mesmo tempo diminuir as emissões de gases do efeito estufa (GEE) por parte do sistema estão entre os desafios prioritários a serem enfrentados pelos agentes públicos e privados que atuam no transporte urbano.

Segundo dados da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), 28% dos brasileiros usam o transporte público.

Com isso, são 2.703 municípios atendidos por serviços de empresas do setor e uma frota nacional de cerca de 107 mil coletivos.

Os números tornam ainda mais evidente a necessidade de tornar o serviço mais eficiente, acelerar a transição energética das frotas e otimizar recursos e investimentos.

A transformação digital do transporte público é uma tendência que deve ganhar ainda mais força a partir deste ano. Ferramentas inovadoras e disruptivas, geradas a partir de arquiteturas de sensores inteligentes (IoT), processamento de dados distribuído (edge computing), bandas de 5G de alta performance e geoposicionamento via satélite têm sido utilizadas para resolver a equação da mobilidade urbana.

Sistemas de transporte inteligentes, criados para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, apoiados por políticas públicas orientadas por dados melhoram diversas questões.

Entre elas, a saúde, a economia, a segurança das cidades e, ainda, o meio ambiente. Todos esses fatores só têm uma peça-chave para conseguirem avançar: a inteligência de dados.

Matriz energética e descarbonização

A descarbonização do transporte público é uma agenda prioritária do setor para os próximos anos. De acordo com levantamento do Banco Mundial, o transporte de passageiros por via terrestre (carros, motocicletas e ônibus) representa 60% das emissões de gases do efeito estufa associadas ao transporte rodoviário, que é responsável por 11,9% de todo o volume de poluentes emitidos pelo setor de Transporte.

Para se ter uma ideia do quanto isso equivale dentro do volume global de gases produzido na atmosfera, Transporte representa 16,2% das emissões do espectro da Energia, que por sua vez corresponde a 73,2% das emissões em todo o globo.

Entretanto, em áreas urbanas, a participação da categoria no total de emissões é muito maior: no estado de São Paulo, por exemplo, o setor de transportes representa quase 30% das emissões [dados do PAC2050].

Por isso, a mudança da matriz energética, de combustíveis fósseis para energia de fontes renováveis, é encarada como fundamental para a consolidação da economia de baixo carbono em todo o mundo, para o cumprimento das Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) assumidas pelos países na Conferência do Clima das Nações Unidas firmadas em 2015 e para a criação de cidades mais sustentáveis.

Em média, um ônibus à diesel convencional consome 90 litros de combustível por dia, gerando cerca de 120 toneladas de dióxido de carbono por ano – o equivalente ao plantio de 847 árvores por veículo.

Ônibus movidos à eletricidade ou biocombustível são as alternativas mais desenvolvidas e viáveis. No caso da eletrificação, a cidade de Santiago, no Chile, possui a maior frota de ônibus elétrico da América do Sul, com 1.000 veículos.

A meta é dobrar de tamanho até o final de 2023 e atingir a eletromobilidade total em 2035. Com isso, o governo local espera reduzir em 35% as emissões de CO2 na cidade.

Esse pode ser um bom exemplo para as cidades brasileiras, que ainda têm um longo caminho pela frente. No País, o exemplo mais avançado é o da cidade de São Paulo, com o modesto percentual de 1,6% de frota elétrica dentro do seu total de 14,5 mil ônibus, até outubro do ano passado.

Inteligência de dados

Tanto a transição da fonte de energia quanto a diminuição das emissões de poluentes são fatores que podem ser acelerados a partir do uso da tecnologia.

O papel da inteligência de dados na transição energética das frotas de ônibus é fornecer uma análise criteriosa sobre as características das linhas, do tráfego local e topografia de cada rota, na intenção de determinar qual linha terá mais aderência ao modal eletrificado.

Além disso, contribuir para dar maior transparência ao processo de mudança de matriz, com informações claras à população sobre os benefícios e vantagens dessa medida.

Com uma gestão inteligente e orientada por dados, aliada a avanços no processo de eletrificação da frota, será possível acelerar de maneira mais contundente a transição para um cenário de emissões zero do transporte público.

Um objetivo a ser perseguido, primordial para a mitigação do impacto do aquecimento global na vida dos habitantes das áreas urbanas e que também beneficia a saúde de toda a população, que sejam passageiros do transporte público ou não.

Observando o futuro, as cidades que buscarem solucionar desde já os desafios de mobilidade potencializando o transporte público, estarão mais bem preparadas, com suas economias mais resilientes e sustentáveis, para enfrentar as disrupções que estão por vir.

Sobre a green4T

A green4T é uma empresa brasileira, fundada em 2016 e presente em todos os países da América Latina. Tem o compromisso de desenvolver soluções de tecnologia e infraestrutura para a transformação digital de empresas e cidades de forma eficiente e sustentável para o planeta.

Desde 2019, a companhia é finalista do Prêmio Executivo de TI do Ano, e também foi finalista do Prêmio Fornecedor do Ano 2019 (Neoenergia).

Mobilidade aérea urbana e inteligência artificial: o que esperar do setor de transporte por aplicativo para os próximos anos

Mobilidade urbana: monitoramento inteligente torna cidades mais seguras e eficientes

5G: Entenda como a tecnologia vai tornar a mobilidade urbana mais inteligente

Em novembro 2024, o Crypto ID completa uma década de sucesso

E foi um caminho incrível!

Desde o seu início, temos sido acompanhados por uma comunidade apaixonada e engajada, que cresce a cada ano.

Com dois milhões de seguidores por ano, nossa jornada é marcada por conquistas, inovação e colaboração.

As empresas mantenedoras têm sido pilar fundamental para o nosso crescimento contínuo. Seu apoio nos permite manter a qualidade e a relevância das informações que compartilhamos. Agradecemos a cada uma delas por acreditar na nossa missão e nos ajudar a construir uma comunidade forte e informada.

E não podemos esquecer do nosso excepcional time de colunistas! São eles que trazem insights, análises e opiniões valiosas para os nossos leitores. Com suas vozes únicas, eles enriquecem o conteúdo do Crypto ID e nos ajudam a manter a excelência. Expressamos, ainda, nossa profunda gratidão às Assessorias de Imprensa que têm sido parceiras essenciais ao longo dessa incrível jornada.

À medida que nos aproximamos de mais um aniversário, renovamos nosso compromisso em promover a segurança digital, a privacidade e a tecnologia. Obrigado a todos que fazem parte dessa incrível jornada!

Juntos trabalhamos por um mundo digital com mais sigilo, identificação e segurança gerando confiança para que empresas, máquinas e pessoas possam confiar umas nas outras.

CATEGORIAS

Destaques Notícias