Últimas notícias

Fique informado

Segurança das APIs: como proteger seu ecossistema de microsserviços

5 de janeiro de 2024

Spotlight

A Transformação Digital do Mercado Imobiliário: Blockchain, Moedas digitais, Cartórios e o Futuro

A tecnologia blockchain tem despertado interesse devido ao seu potencial disruptivo em vários setores, incluindo o setor imobiliário.

8 de abril de 2024

Empresa de Israel traz tecnologia de ponta em cibersegurança para o mercado brasileiro

Com o potencial de crescimento do mercado brasileiro e sua consequente inserção no ambiente digital, os fundadores da Cysfera decidiram trazer as inovações de ponta israelenses ao cenário nacional.

3 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Hotéis podem garantir a segurança de dados dos hóspedes?

A utilização de ferramentas e recursos, como softwares adequados, são essenciais para que a tecnologia funcione de forma efetiva nos hotéis

4 de novembro de 2022

LGPD: entenda como a logística pode garantir a segurança de dados dos consumidores

Em vigor efetivo desde o segundo semestre de 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) determina diretrizes rigorosas

31 de outubro de 2022

Redes sociais e apps de mensagens são os maiores desafios para a segurança de dados corporativos

Esses apps não-autorizados podem fazer a empresa perder o controle sobre a produtividade dos funcionários e da segurança corporativa.

2 de agosto de 2022

China multa Didi em US$ 1,2 bilhão por violar leis de segurança de dados

O aplicativo Didi oferece uma plataforma de compartilhamento de caronas semelhante à do Uber, com a diferença de que os passageiros também podem usá-la para reservar táxis regulares.

22 de julho de 2022

Tecnologia biométrica: como a metodologia pode ser usada para segurança de dados

A tecnologia biométrica é atualmente uma das mais usadas para garantir a segurança e privacidade, recorrer à biometria é uma boa solução

30 de março de 2022

Segurança de dados: o essencial que ninguém vê

A segurança de dados nas empresas abrange tudo o que envolve a proteção de informações de pessoas físicas e jurídicas por meio de técnicas

15 de julho de 2021

5 mitos e verdades sobre a segurança de dados

A gestão de dados consegue reduzir consideravelmente possíveis ameaças de ataques cibernéticos, os líderes devem planejar estratégias de segurança de dados para mais assertividade

29 de maio de 2021

A segurança de dados na medicina diagnóstica para atender a LGPD. Por Franco Motta

Plataformas confiáveis e com proteção para arquivamento em nuvem fazem parte do conjunto mínimo da segurança de dados no âmbito da LGPD.

19 de janeiro de 2021

O uso de APIs permite que componentes modulares se comuniquem entre si de forma padronizada e segura, evitando que sejam isolados

Por Andre Seolin

Andre Seolin, Senior development da Engineering Brasil

Nos últimos anos, muitos fornecedores de SaaS (Software as a Service) adotaram a arquitetura de microsserviços como uma abordagem eficaz para desenvolver, escalar e manter seus aplicativos.

No entanto, embora ela tenha muitos benefícios, também traz desafios. Nesse cenário, as APIs (Application Programming Interface, ou, em português, Interface de Programação de Aplicativos) desempenham um papel crucial nessa arquitetura.

Gerenciamento de complexidade, coordenação entre microsserviços e garantia de consistência de dados em sistemas distribuídos são algumas das adversidades que a incorporação bem-sucedida dessa arquitetura oferece.

O uso de APIs nesse contexto permite que esses componentes modulares se comuniquem entre si de forma padronizada e segura, evitando que sejam isolados. 

Isso facilita a troca de dados e informações, mesmo quando são desenvolvidos em diferentes tecnologias ou linguagens de programação.

Além disso, em um ambiente SaaS, é comum que os clientes desejem integrar o serviço com outras ferramentas que eles utilizam e, nesses casos, as interfaces de programação permitem que os parceiros integrem facilmente os softwares com seus sistemas existentes.

Mas, há um questionamento: como manter todo esse conjunto seguro?

Implantação segura: a proteção de microsserviços e APIs

Para além desses benefícios, um grande detalhe é que as APIs também podem ser projetadas com medidas de segurança, como autenticação, verificação da identidade de um usuário, e autorização de acesso a um usuário a determinados recursos de uma API.

Todos esses fatores garantem que apenas as partes autorizadas tenham acesso aos dados e funcionalidades dos microsserviços.

A combinação adequada desses métodos contribui para a segurança dos processos, prevenindo invasões e controlando o acesso de forma granular.

Entretanto, o sistema de API também pode ser vulnerável a ataques, como injeção de código ou exploração de vulnerabilidades de segurança, além de ser usado para fraudar usuários ou cometer outros crimes, o que também demanda proteção.

Nesses casos, a validação rigorosa dos payloads e sanitização de dados, o uso de mecanismos de proteção contra Cross-Site Request Forgery (CSRF) e Cross-Site Scripting (XSS), a implementação de filtros de entrada e saída, o uso de WAFs, a limitação de taxa (throttling) e controle e serviços de proteção contra DDoS, de criptografia, sistemas de monitoramento e análise de logs, são formas de mitigar ataques e garantir o compartilhamento e troca de dados seguros entre as APIs e os clientes.  

Além disso, é importante manter todos os componentes da interface de aplicação atualizados com as últimas correções de segurança e patches, realizar os testes regulares de segurança, como Pentest, e proteger a infraestrutura subjacente dos microsserviços, incluindo servidores, contêineres e serviços de orquestração, para garantir que as APIs estejam sendo executadas em um ambiente seguro.

Nesse contexto, também existem ferramentas e tecnologias disponíveis para monitorar e detectar atividades suspeitas nas aplicações e nos microsserviços.

Os SIEMs (Security Information and Event Management) são sistemas que coletam e analisam dados de segurança de várias fontes, incluindo logs, eventos de segurança e dados de rede.

Já os  IDSs (Intrusion Detection Systems) são sistemas que monitoram o tráfego de rede em busca de atividades maliciosas. Nesses casos, ambos podem ser usados para detectar ataques. 

Por sua vez, os SOARs (Security Orchestration, Automation and Response) são sistemas que ajudam as organizações a automatizar as tarefas de segurança, como a investigação e a resposta a incidentes, e podem ser usados para acelerar a resposta a ataques e reduzir o impacto dos incidentes.

Para mais, manter a segurança de um sistema não depende apenas de softwares de proteção, mas também da aplicação de uma cultura em toda a equipe de desenvolvimento e operações.

Isso envolve a conscientização sobre práticas seguras, treinamento, colaboração e responsabilidade compartilhada. A promoção do apoio contínuo entre as equipes de desenvolvimento e operações e o feedback regular sobre problemas de segurança identificados permitem melhorias contínuas.

Desmentindo mitos

Já foi discutido que as APIs oferecem uma variedade de vantagens em um ambiente de microsserviços. No entanto, é importante reconhecer que também existem equívocos comuns que estão presentes nesse contexto.

O primeiro é partir do pressuposto de que as APIs são automaticamente seguras porque são usadas para comunicação interna.

Embora sejam ferramentas poderosas para interação entre microsserviços, elas não garantem proteção por si só, e isso deve ser projetado, implementado e monitorado de maneira proativa para evitar vulnerabilidades e ataques.

Contudo, a ideia de que ambientes de microsserviços são mais seguros, pois os componentes são isolados, também está equivocada, pois, embora o isolamento possa limitar o impacto de alguns ataques, isso não garante uma defesa completa.

Um serviço comprometido ainda pode ter acesso a dados sensíveis e ser usado como ponto de entrada para ataques.

Além disso, muitos acreditam que a proteção de perímetro é suficiente, mas ela não garante a segurança das APIs. Diversos ataques ocorrem dentro do perímetro de rede, e as ameaças podem se originar tanto de fora quanto de dentro.

A criptografia também não certifica a segurança completa, embora o SSL/TLS seja essencial para proteger os dados em trânsito, ele não aborda todas as preocupações de segurança.

Para mais, admitir que testes de segurança são desnecessários no uso de microsserviços pode ser um ato autodestrutivo, já que ambientes distribuídos podem introduzir novas vulnerabilidades e pontos de falha que precisam ser identificados e mitigados por meio de testes regulares.

Assim como implementar autenticação não é suficiente para a segurança da API, pois se trata de apenas uma parte do quebra-cabeça de proteção.

Em última análise, a segurança em um ambiente de microsserviços com APIs nunca deve ser subestimada, pois a crescente complexidade e distribuição dos microsserviços, juntamente com a exposição contínua das interfaces, gera uma necessidade de medidas rigorosas. 

A integridade dos dados, a confidencialidade das informações e a disponibilidade dos serviços são fundamentais para a operação bem-sucedida de uma arquitetura de microsserviços.

Portanto, investir em estratégias de proteção sólida é essencial para mitigar riscos e garantir que o ambiente permaneça seguro diante de ameaças cibernéticas em constante evolução.

Segurança de APIs: uma questão crucial no cenário Open Insurance

Por que sua Empresa Precisa Adotar APIs

Gartner prevê que mais de 80% das empresas usarão APIs de Inteligência Artificial Generativa ou implementarão aplicações habilitadas para essa tecnologia até 2026

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!

TAGS

APIs