Últimas notícias

Fique informado

GSI impõe combinação entre operadoras na instalação de redes do 5G

27/03/2020

Spotlight

Leia o Parecer de Plenário sobre a MP 983/20 e diversos artigos e entrevistas

Leia também outros artigos e entrevistas sobre a MP 983 2020 publicados pelo Portal Crypto ID

12/08/2020

Câmara aprova MP 983 2020 que amplia uso de assinatura eletrônica

Todos os sistemas que utilizam assinatura eletrônica precisarão se adaptar às novas regras da MP983/2020 até o dia 1º de julho de 2021.

12/08/2020

Como gerenciar seus certificados TLS sob as novas regras do Google?

Em 01 de setembro de 2020, os principais navegadores passam a bloquear certificados TLS que têm um período superior a 398 dias.

10/08/2020

Quatro motivos para investir na autenticação de múltiplos fatores com Inteligência Artificial

Uma maneira de resolver problemas de acessos de usuários é aplicar sistemas de autenticação de múltiplos fatores, como a autenticação condicional.

10/08/2020

Presidente do ITI fala sobre a CertLive que abordou as MPs 951 e 983

Conversamos com Carlos Roberto Fortner sobre a primeira CertLive recebeu parlamentares e integrantes do governo brasileiro em torno das MPs 951 e 983 de 2020.

31/07/2020

Associações da Sociedade Civil manifestam seu apoio à aprovação da MP 951/2020

A MP autoriza a emissão dos certificados digitais, no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil, por meio de videoconferência.

31/07/2020

O pequeno herói e sua conexão com a tecnologia para acesso ilimitado e seguro

Neste ebook apresentamos a história do pequeno herói neerlandês e sua conexão com a tecnologia do SafeSign e todo o ecossistema de soluções da AET – Unlimited access to your world.

22/07/2020

A hora da segurança é agora, com o uso de 5G

Se a crise atual acontecesse em 2022, a presença da rede 5G faria o Brasil ter uma vida virtual ainda mais rica, mais rápida, mais produtiva.

23/03/2020

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República publicou nesta sexta, 27/3, uma instrução normativa (4/20) com requisitos de segurança cibernética a serem adotados no estabelecimento das redes 5G

A norma não traz restrições a nenhum dos fornecedores de equipamentos de forma explícita, mas impõe alguma forma de combinação de mercado entre empresas concorrentes.

Expressamente as diretrizes “buscam elevar a proteção da sociedade e das instituições nacionais, em face da possibilidade de existência de vulnerabilidades e backdoors em sistemas de tecnologia 5G”.

Ela aponta que cabe aos órgãos e entidades da administração pública encarregados da implementação do 5G (leia-se, Anatel) cumprir os ditames, mas na prática coloca a responsabilidade nas operadoras.

Nessa linha, boa parte da IN 4/20 absorve o que já existe nas boas práticas da implantação de redes, desde exigir equipamentos certificados, interoperabilidade, auditoria e uso de tecnologias de segurança, desde virtualização de rede, até SEPP, de Security Edge Protection Proxy, que serve para isolar os núcleos de rede, que inclusive já é especificação do 3GPP.

Há, porém, um ponto que causa dúvida. Trata-se da ordem para que “as prestadoras de serviço deverão subcontratar fornecedores distintos, de forma que uma mesma área geográfica possua, pelo menos, duas prestadoras utilizando equipamentos de fornecedores distintos”.

De forma simplificada, a leitura pode indicar a necessidade de que as redes 5G não fiquem todas nas mãos de um único fornecedor de equipamentos, preocupação já alentada pelo próprio Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

A prevalecer essa interpretação, em termos práticos nada muda no mercado de fornecedores do país, onde três empresas – Huawei, Ericsson e Nokia – já estão presentes em todas as operadoras.

Mas podem existir complicações de ordem prática e que vão além da ausência de conceituação do que quer dizer “área geográfica” na IN. A principal é como as diferentes operadoras vão saber que estão implantando equipamentos distintos das concorrentes em determinada área. Essa é uma informação que nem a Anatel possui.

Não por menos, na agência reguladora já acende um sinal amarelo. A primeira preocupação é como tal medida pode efetivamente ser implementada, porque exige algum nível de coordenação entre competidores.

Consequentemente, a medida tem impacto potencial no aumento de preços pela redução da competição entre fornecedores, diante das limitações de escolha em cada “área geográfica”.

Fonte: Convergência Digital

Kantar aponta e-sports, 5G e áudio como algumas das tendências para 2020

Futurecom traz discussões importantes sobre a implementação do 5G no Brasil

O 5G no Reino Unido pode ser postergado em função da segurança da rede

Aqui você encontra tudo sobre o 5G e suas novidades!

  Explore outros artigos!