Últimas notícias

Fique informado

Biometria, o Resgate: ajudando as Democracias a criar Eleições Confiáveis

29 de janeiro de 2024

Spotlight

Entenda o que mudou na assinatura eletrônica em documentos a partir do Decreto nº 68306

Qual o impacto do Decreto nº 68.306 na assinatura eletrônica, simplificação de processos e nos avanços da digitalização dos serviços públicos?

24 de abril de 2024

AX4B impulsiona a resiliência cibernética de Pequenas e Médias Empresas

Conheça como a AX4B está revolucionando a Segurança Cibernética para PMEs.

24 de abril de 2024

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

O número de democracias no mundo está diminuindo. Muitos países estão lutando em um caminho precário entre a democracia e a autocracia. Os temores das democracias ocidentais há muito estabelecidas em relação à negação dos resultados das eleições estão se tornando cada vez mais frequentes. A criação de eleições confiáveis requer uma série de ações políticas e sociais firmes. Mas, em muitos casos, a tecnologia biométrica pode ser um grande passo para ajudar a garantir processos de votação mais confiáveis e confiáveis.

Você pode ler o artigo original em inglês aqui!

A maioria dos países do mundo é uma democracia, e bilhões de pessoas desfrutam de direitos democráticos básicos: o direito de votar ou a liberdade de expressão e opinião. Sem dúvida, a democracia representa um grande sucesso para a humanidade. Mas se olharmos para o mundo há apenas 200 anos – quando os revolucionários franceses tinham acabado de invadir a Bastilha clamando por liberdade, igualdade e fraternidade – as coisas eram bem diferentes. Os regimes democráticos modernos, como os conhecemos hoje, ainda estavam em sua infância, com praticamente toda a população mundial sem direitos democráticos.

Quantos países democráticos existem?

Our World in Data – um projeto supervisionado pela Universidade de Oxford – avalia que, com base em classificações acadêmicas, em 2021 cerca de 60% dos países do mundo eram democracias.

O número total de pessoas que não têm direitos democráticos é maior do que nunca, simplesmente porque a população mundial cresce mais rapidamente do que a democracia se espalha. Os caminhos da democracia são complexos e descontínuos. A Tunísia, por exemplo, tornou-se um país democrático em 2012 e tem sido amplamente considerada o único modelo democrático bem-sucedido que surgiu da Primavera Árabe – a onda de protestos pró-democracia que ocorreu no Oriente Médio e no norte da África na década de 2010. No entanto, agora em 2022, a interminável luta pelo poder entre o presidente do país e seu parlamento colocou a democracia da Tunísia sob séria pressão.

A Índia é a maior democracia do mundo, com uma população de quase 1,4 bilhão de pessoas. Devido ao seu tamanho, a democratização do país na década de 1950 levou os direitos civis a uma grande parcela da população mundial. No entanto, em 2019, o V-Dem Institute – um instituto de pesquisa independente com sede na Suécia – classificou a Índia como uma “autocracia eleitoral”. E agora muitos observadores estão se perguntando qual será o futuro da democracia na Índia.

E mesmo em países com instituições democráticas estabelecidas há muito tempo, forças internas começaram a explorar as deficiências do sistema, colocando em risco a própria democracia. Nos Estados Unidos, após a vitória de Joe Biden na eleição presidencial de 2020, o então titular Donald Trump promoveu inúmeras alegações falsas afirmando que a presidência havia sido roubada dele por meio de máquinas de votação fraudadas e fraude eleitoral. Seus esforços para anular as eleições de 2020 culminaram no que hoje é considerado o dia mais sombrio para a democracia nos EUA: o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

A suspeita de que os partidos negariam os resultados eleitorais também ofuscou as últimas eleições que ocorrerão em 2022: as eleições presidenciais no Brasil e as eleições de meio de mandato nos Estados Unidos. Portanto, ao olharmos para o futuro, a democracia não parece universal e inevitável. Em vez disso, parece uma conquista frágil que deve ser cultivada e protegida.

A base de toda democracia é a confiança

O sistema político de cada país democrático se baseia em processos que foram construídos por seu próprio povo ao longo de décadas ou mesmo séculos. No entanto, no cerne de toda democracia, há um fato imutável: a participação do povo na tomada de decisões. Isso pode ser feito diretamente no que é chamado de democracia direta ou, mais comumente, por meio de eleições em que o povo escolhe representantes para tomar decisões em seu nome.

Eleições confiáveis são o alicerce de qualquer outro processo democrático. Se os cidadãos não confiarem no processo eleitoral, provavelmente não confiarão em mais nada que venha do governo. As disputas cada vez mais frequentes sobre a aceitação dos resultados eleitorais e as alegações de fraude eleitoral sugerem que a confiança está no centro da democracia. Isso significa que as eleições não precisam apenas ser justas e igualitárias; elas também precisam ser percebidas como confiáveis pelo público. Esse é um desafio difícil no qual todas as democracias, desde as mais jovens até as mais estabelecidas, parecem estar envolvidas agora. Então, a tecnologia pode ajudar?

Quando a biometria ajudou

A criação de eleições confiáveis é um processo político e social de longo prazo que não acontece da noite para o dia. Mas, às vezes, a tecnologia pode ajudar.

No início deste século, muitos países em todo o mundo começaram a confiar na biometria para compilar registros sólidos de eleitores. Isso ajudou os governos a superar crises políticas ou a consolidar novas instituições democráticas e, em outros casos, simplesmente tornou o processo de votação mais rápido.

Um exemplo disso vem de Bangladesh – era 2007 e as eleições parlamentares tinham acabado de ser adiadas. A decisão foi tomada após semanas de violência política crescente. Uma aliança de partidos havia de fato prometido boicotar as eleições, sendo que um dos principais motivos era a má qualidade das listas de eleitores. A lista continha mais de 14 milhões de erros e nomes falsos, o que é um número extraordinário, já que o país tinha cerca de 80 milhões de eleitores na época. Pressionada pela pressão política que exigia eleições mais confiáveis, a comissão eleitoral decidiu usar a biometria para compilar registros de eleitores novos e mais consistentes. O Registro Biométrico de Eleitores, geralmente chamado de BVR, é de fato um dos usos mais comuns da biometria nas eleições. Os dados biométricos de cada eleitor elegível são capturados usando kits de registro biométrico e armazenados nos registros juntamente com outras informações biográficas e pessoais. Isso facilita a detecção de nomes duplicados e mantém os registros limpos e consistentes.

O momento era importante. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) fez uma parceria com a Comissão Eleitoral de Bangladesh para garantir os recursos necessários para o ambicioso projeto. Mais de 1.000 webcams e scanners de impressões digitais foram distribuídos em todo o país e, em apenas 11 meses, a comissão registrou 80,5 milhões de eleitores. Foi um sucesso.

No ano seguinte, em dezembro de 2008, foi realizada a eleição parlamentar adiada de Bangladesh. Observadores do International Republican Institute – uma organização sem fins lucrativos com sede nos EUA que trabalha para o avanço da democracia em todo o mundo – avaliaram que essa foi a “melhor eleição da história do país”.

A identificação biométrica dos eleitores em Gana levou ao maior comparecimento às urnas da história

Como visto em Bangladesh, a tecnologia biométrica pode ajudar a resolver uma crise política aguda, garantindo o registro dos eleitores de forma precisa e confiável. Muitos outros países estão começando a contar com a biometria para compilar listas eleitorais, especialmente em países onde os cidadãos não têm documentos de identificação confiáveis ou onde os registros populacionais são malfeitos e não são confiáveis o suficiente para extrair informações sobre os eleitores.

A biometria também pode ser adotada durante o dia da eleição para identificar os eleitores nas seções eleitorais, evitando assim fraudes, roubo de identidade e votação múltipla. Gana, por exemplo, decidiu usar a biometria em sua eleição de 2020 para compilar os registros de eleitores e identificar os eleitores no dia.

Quantos países adotam a biometria nas eleições?

De acordo com o Institute for Democracy and Electoral Assistance (IDEA), 33% dos 177 países pesquisados capturam dados biométricos como parte do processo de registro de eleitores, enquanto 30% usam informações biométricas para identificar os eleitores nas seções eleitorais.

Normalmente, a identificação biométrica do eleitor envolve verificação manual, como um funcionário da seção eleitoral que compara a aparência do eleitor com uma fotografia em uma lista de eleitores. Apenas 9% dos países pesquisados usam um sistema de identificação biométrica eletrônica, no qual um computador verifica a identidade do eleitor.

Ao adotar a mais recente tecnologia biométrica, 17 milhões de eleitores ganenses elegíveis foram registrados, tanto em locais urbanos quanto remotos. E tudo isso durante uma pandemia. “O registro de eleitores recém-compilado é, sem dúvida, o registro de eleitores mais confiável da história de Gana”, comentou Nana Addo Dankwa Akufo-Addo, Presidente de Gana.

Nas seções eleitorais no dia da eleição, uma impressão digital e uma imagem facial verificavam o eleitor, servindo como prova de que o cidadão havia votado. Como medida adicional para evitar fraudes, livros de votação impressos também foram usados para identificar o eleitor. Depois que um eleitor verificado votava, o oficial eleitoral registrava o voto no dispositivo de verificação e nos cadernos de votação impressos, o que significava que não havia nenhuma chance de um cidadão voltar à fila e votar novamente.

O sistema biométrico implementado em Gana foi muito bem-sucedido, garantindo o processo de votação de acordo com um padrão internacionalmente aceito. “As eleições presidenciais de 2020 foram organizadas com eficiência e sucesso; as eleições foram transparentes, confiáveis, justas e atenderam aos padrões internacionais.” – algo com o qual todos os partidos políticos concordaram. As eleições de 2020 também registraram uma taxa de participação de 79%, a maior até hoje.

A Albânia é outro exemplo de sucesso. Em 2021, o país uniu a votação eletrônica e a autenticação biométrica para ajudar a fornecer resultados eleitorais mais rápidos e confiáveis – algo que foi complementado por vários observadores internacionais. O novo sistema também eliminou a questão do voto múltiplo dos patriarcas, garantindo o princípio democrático de uma pessoa, um voto. A Albânia só começou a realizar eleições democráticas na década de 1990 e decidiu adotar a biometria para provar que suas eleições eram tão sólidas quanto possível, enquanto se qualificava para a admissão na União Europeia.

A tecnologia biométrica pode ajudar a democracia. Mas, sozinha, ela não é suficiente.

Desde 2009, a Bolívia também tem usado o registro biométrico de eleitores. Esse foi um ano importante para o país: as eleições presidenciais e legislativas de 2009 foram as primeiras a serem realizadas de acordo com a nova constituição que estabeleceu a Bolívia como um estado plurinacional.

Pouco antes das eleições, os partidos de oposição questionaram a precisão do registro de eleitores da Bolívia: eles argumentaram que o antigo registro continha muitos registros duplicados, além de excluir muitos cidadãos que não tinham documentos de identificação. Por esse motivo, a comissão eleitoral decidiu usar a biometria para reconstruir os registros de eleitores.

O esforço foi enorme. Mais de 3.000 centros de registro foram instalados em toda a Bolívia, dos Andes à Amazônia, e mais de 3.500 pessoas foram treinadas para ajudar no registro. Tudo funcionou perfeitamente e, graças à biometria, cinco milhões de pessoas foram inscritas no novo registro – muito mais do que o esperado – em apenas 75 dias. Foi um recorde mundial de velocidade na criação de um registro de eleitores.

Nos anos que se seguiram à criação do registro biométrico de eleitores na Bolívia, observadores internacionais, como o Carter Centre, sediado nos Estados Unidos, destacaram como esse registro biométrico havia aliviado a desconfiança mútua e renovado a confiança do público no processo eleitoral.

No entanto, o ambiente sociopolítico sempre foi altamente polarizado na Bolívia e, desde 2019, o país entrou em um estado de agitação política. Naquele ano, acusações de fraude eleitoral levaram a dias de protestos nas ruas e à renúncia do presidente de longa data Evo Morales. No entanto, o registro biométrico não foi citado entre as alegações que levaram ao cancelamento da eleição, e ainda foi considerado pela Organização dos Estados Americanos como geralmente confiável.

O caminho em direção à democracia e a uma sociedade mais igualitária raramente é reto e, muitas vezes, imprevisível. A criação de eleições confiáveis é um processo complexo: requer política, ação cívica, tempo – e pode sofrer reveses. Mesmo que a biometria possa fortalecer a credibilidade e a inclusão das eleições, a tecnologia por si só não pode resolver questões culturais e políticas. Ela é apenas uma das muitas ferramentas que os países e as pessoas podem optar por usar para promover melhor a democracia.

Ligando os pontos biométricos no Brasil

Do papel ao digital: Modernização dos registros criminais com biometria

A mágica dos dados sintéticos: Como impressões digitais inexistentes ajudam a identificar criminosos reais

Sobre Innovatrics

A Innovatrics é uma fornecedora de soluções biométricas sediada na UE, fundada em 2004. A empresa concluiu mais de 600 projetos em mais de 80 países em todo o mundo e apresenta alguns dos algoritmos biométricos mais rápidos e precisos do mundo.

Outros artigos da Innovatrics você lê aqui!

Acompanhe como o reconhecimento facial e impressões digitais, de íris e voz estão sendo utilizados para garantir a identificação digital precisa para mitigar fraudes e proporcionar aos usuários conforto, mobilidade e confiança. Crypto ID, o maior canal brasileiro sobre identificação digital. Leia outros artigos aqui!

Learn how facial recognition and iris, voice and fingerprints are being used to ensure accurate digital identification to mitigate fraud and provide users with comfort, mobility and trust. Read other articles here! Crypto ID, the largest Brazilian channel on digital identification. Read other articles here!

Descubra cómo se utilizan el reconocimiento facial y el iris y las huellas dactilares del voz para garantizar una identificación digital precisa para mitigar el fraude y brindar a los usuarios comodidad, movilidad y confianza. Crypto ID, el mayor canal brasileño de identificación digital. ¡Lea otros artículos aquí!

GOVERNO E TECNOLOGIA

Aqui no Crypto ID você acompanha as principais ações do Governo Brasileiro e de outros Países relacionadas a privacidade, proteção de dados, serviços eletrônicos, formas de autenticação e identificação digital e Cibersegurança.

Acesse agora e conheça nossa coluna GovTech!