Últimas notícias

Fique informado

Tecnologia de reconhecimento facial são rejeitadas pelos consumidores

11/02/2020

Spotlight

A MP 983 e a classificação das assinaturas eletrônicas: comparação com a MP 2.200-2 | Por Fabiano Menke

Em 16 de junho de 2020 foi editada a Medida Provisória nº 983 (MP 983), que dispõe sobre as assinaturas eletrônicas em comunicações com entes públicos e em questões de saúde, e trata sobre as licenças de softwares desenvolvidos por entes públicos.

29/06/2020

O mercado de reconhecimento facial

A Acuity Market Research divulgou recentemente um relatório sobre o mercado global de soluções de reconhecimento facial, indo além do Brasil.

04/02/2020

Como os países usam o reconhecimento facial

A tecnologia procura característica facial em transmissões de vídeos em directo e tenta cruzá-las com as fotografias em enormes bancos de dados.

27/01/2020

De acordo com uma pesquisa divulgada pela GlobalData, 53% dos entrevistados se disseram contrários ao uso de sistemas de reconhecimento facial por órgãos de segurança

Ao mesmo tempo em que existe um certo ‘oba-oba’ no uso de reconhecimento facial, especialmente em países onde segurança pública figura entre as principais preocupações, como no Brasil, avançam reações negativas à disseminação dessa tecnologia.

A pesquisa tem uma amostra pequena, de 644 entrevistados, mas é ilustrativa de como o reconhecimento facial é algo que divide opiniões. Mais do que isso, sugere que a resistência a esse tipo de tecnologia biométrica avança na mesma medida que a disseminação de seu uso.

Há razões para isso. Desde que, ainda em 2018, uma das várias ferramentas de reconhecimento facial apontou incorretamente 28 congressistas americanos como criminosos procurados, outros estudos suportam a preocupação com a tecnologia biométrica.

Num dos mais recentes, divulgado em dezembro de 2019 pelo NIST, o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA, a análise de mais de 200 algoritmos de reconhecimento facial mostrou altas taxas de ‘falsos positivos’, e especialmente que elas são 100 vezes maiores para negros e asiáticos do que para brancos.

Sucessivas conclusões como essa levaram a cidade de San Francisco, nos EUA, a banir o uso de reconhecimento facial pela polícia. Movimento que foi primeiramente seguido por outras cidades, como Oakland e Somerville, mas que se alastrou para estados. Oregon, New Hampshire e Califórnia já têm leis a respeito. Nova Jersey e Nova York estão na fila.

Enquanto isso, a Europa estuda suspender o uso de tecnologias de reconhecimento facial por cinco anos, conforme proposta em análise pela Comissão Europeia. Entre os dados preocupantes, a constatação de que o sistema de reconhecimento facial amplamente utilizado pela polícia de Londres, na Inglaterra, faz identificações incorretas de potenciais suspeitos em 81% dos casos.

No Brasil, onde a segurança pública é problema sério, pelo menos cinco estados já adotam a tecnologia – Bahia, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraíba e Ceará – enquanto Distrito Federal, Minas Gerais, Pará e Espírito Santo planejam entrar no clube. A experiência indica, no entanto, que a tecnologia reforça os preconceitos de sempre: segundo pesquisa da Rede de Observatórios de Segurança, mais de 90% dos presos com uso desses recursos são negros.

Fonte: Convergência Digital

Reconhecimento facial nas escolas americanas

Consumidor quer mais controle em seus dados

Como a LGPD pode proteger o consumidor de propagandas indevidas?

Navegue mais em nosso portal, você com certeza vai gostar! 

  Explore outros artigos!