Últimas notícias

Fique informado

China multa Didi em US$ 1,2 bilhão por violar leis de segurança de dados

22 de julho de 2022

Spotlight

Governo Federal apoia Rio Grande do Sul na emissão 2ª via da Carteira de Identidade Nacional

O mutirão coordenado pelo Governo do RS começou nos abrigos de Porto Alegre. Expedição da segunda via será imediata

20 de maio de 2024

O aplicativo Didi oferece uma plataforma de compartilhamento de caronas semelhante à do Uber, com a diferença de que os passageiros também podem usá-la para reservar táxis regulares.

A gigante de caronas foi multada em mais de US$ 1 bilhão pelos reguladores chineses por violações de segurança de dados.

O regulador de segurança cibernética da China multou a gigante Didi Global em US$ 1,2 bilhão após uma investigação de um ano, dizendo que violou leis sobre segurança de dados e proteção de informações pessoais.

A Administração do Ciberespaço da China disse na quinta-feira, 21 de julho de 2022, que a Didi, uma empresa chinesa de 10 anos com sede em Pequim, coletou ilegalmente 12 milhões de “informações de captura de tela” de álbuns de fotos móveis de usuários e acumulou excessivamente 107 milhões de informações de reconhecimento facial de passageiros e 1,4 milhão de informações de relacionamento familiar, entre outras violações.

O regulador também disse que havia “graves riscos de segurança” nos métodos de processamento de dados da Didi, que não seriam detalhados por estarem relacionados à segurança nacional.

As evidências são conclusivas”, disse o regulador em um comunicado publicado online. “As circunstâncias são graves, a natureza é imoral e a punição deve ser severa.”

Além das multas aplicadas à empresa, o presidente da Didi, Cheng Wei, e o presidente, Jean Liu, foram multados em US$ 148.000. A Didi divulgou um comunicado na quinta-feira dizendo que aceitou o julgamento e fortaleceria sua proteção de informações pessoais, enquanto parava de pedir desculpas aos clientes ou compartilhar detalhes sobre quais mudanças faria.

“Agradecemos sinceramente às autoridades competentes por sua fiscalização e orientação, e ao público por suas críticas e supervisão”, disse Didi.

A repressão à Didi reflete o alarme de Pequim com a vasta coleção de dados pessoais que as empresas de internet estão coletando e o risco de que elas possam vazar no exterior e minar a segurança nacional.

Outros gigantes chineses da internet também estão sob escrutínio oficial, incluindo o Ant Group, do Alibaba, cujos planos para um IPO recorde foram cancelados abruptamente em 2020.

Duncan Clark, presidente da consultoria BDA China, com sede em Pequim, disse que os executivos da Didi provavelmente foram pegos em “seu próprio campo de distorção da realidade” ao pensar que poderiam ir além como uma das estrelas iniciantes do país. Ele disse que a Didi desafiou o governo, incluindo avançar com sua listagem no exterior.

Um novo futuro está sendo construído

Didi foi claramente inspirado pelo Uber, que acabou sendo um investidor”, disse ele. “Então havia um equivalente chinês em jogo aqui, fazendo as coisas primeiro e pedindo perdão, não pedindo permissão.”

Analistas dizem que as autoridades chinesas temem que, no caso de Didi, locais confidenciais e informações pessoais de indivíduos importantes possam vazar de seus bancos de dados.

Tais preocupações não são sem fundamento. No início deste mês, hackers alegaram ter violado um banco de dados da polícia de Xangai contendo dados pessoais de 1 bilhão de pessoas, o que seria uma das maiores exposições da história, se confirmada. O pôster sem nome afirmou que o banco de dados era hospedado pelo AliCloud, uma subsidiária do gigante chinês de comércio eletrônico Alibaba Group. O Alibaba não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Na China, o aumento do custo dos negócios leva algumas empresas à saída

A lei de proteção de informações pessoais da China também entrou em vigor em novembro, reforçando os direitos dos consumidores chineses contra o rastreamento corporativo excessivo.

O problema começou para Didi há um ano. Apenas alguns dias após o IPO da empresa na Bolsa de Valores de Nova York, a administração do ciberespaço da China anunciou uma investigação, dizendo que a empresa “coletou e usou ilegalmente informações pessoais dos usuários”.

O regulador ordenou que o aplicativo de carona de Didi fosse removido das lojas de aplicativos chinesas. Os usuários existentes poderiam continuar usando o aplicativo, mas a mudança torpedeou as perspectivas de crescimento da empresa.

As ações depositárias americanas da Didi fecharam em US$ 3,49 na quarta-feira, tendo caído 79 por cento em relação ao preço de abertura no dia da listagem. A empresa oferece uma plataforma de compartilhamento de caronas semelhante à do Uber, com a diferença de que os passageiros também podem usá-la para reservar táxis regulares.

Os investidores da Didi votaram em maio para sair da Bolsa de Valores de Nova York, na esperança de que um retorno para casa ajudaria a acalmar os reguladores de Pequim.

Em seu comunicado na quinta-feira, a Administração do Ciberespaço da China disse que Didi processou ilegalmente 64,7 bilhões de informações pessoais desde sua primeira violação em 2015. Isso inclui informações de faixa etária dos usuários, endereços residenciais, locais, educação de motoristas e outros dados.

Fonte: By Eva Dou, correspondente de negócios e economia do Washington Post na China.