Últimas notícias

Fique informado

Em expansão, privacidade de dados demanda profissionais qualificados 

31 de janeiro de 2023

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Mais da metade dos brasileiros veem positivamente o tratamento psicológico com Inteligência Artificial

No Brasil, 64% dos entrevistados disseram perceber de forma positiva o uso da Inteligência Artificial no cuidado à saúde mental

28 de janeiro de 2023

Proteção de dados: o risco dos certificados digitais

Será que você ou sua empresa realmente fazem tudo o que podem para proteger os dados dos seus clientes e colaboradores?

27 de janeiro de 2023

Trinus promove palestra gratuita sobre privacidade e proteção de dados

A ação tem como objetivo promover a conscientização às leis, regras e boas práticas voltadas à privacidade e proteção de dados

27 de janeiro de 2023

Mercado brasileiro: Real digital e o caminho inevitável

Com novidades, como o Pix, Open Finance e criptomoedas, setor financeiro vive um momento latente para a inovação digital

24 de janeiro de 2023

Multibiometria destaca-se como uma das principais tendências de segurança cibernética para 2023

A utilização da multibiometria tem se tornado uma das principais inovações da segurança digital, com significativo potencial de crescimento

23 de janeiro de 2023

A indústria precisa de um novo perfil de líderes na cibersegurança

Uma liderança alinhada ao campo da cibersegurança propicia um pensamento preventivo e integrado a longo prazo

23 de janeiro de 2023

Metaverso: empresas se unem para desenvolver Brazil Metaverse Fashion & Beauty District

Espaço no metaverso será uma ilha em 3D, permitindo que empresas realizem ações de comunicação, vendas e engajamento com seu público

22 de janeiro de 2023

Após lançamento de Shakira, contas falsas da CASIO surgem no Twitter e enganam usuários

ESET analisa a velocidade com que os agentes mal-intencionados se apropriam de assuntos de destaque para aplicar golpes com contas falsas

21 de janeiro de 2023

O que é Inteligência Artificial?

Muito além de filmes futurísticos: entenda de uma vez o termo, as classificações e até onde a Inteligência Artificial pode chegar

18 de janeiro de 2023

A importância de impulsionar a presença feminina no mercado de tecnologia

Segundo relatório do Instituto AnitaB.org, atualmente profissionais mulheres compõem cerca de 30% da força de trabalho na área de tecnologia

4 de janeiro de 2023

Vazamento de dados da SPTrans: o que pode ser feito para se proteger?

SPTrans, empresa que administra o bilhete único na cidade de São Paulo, divulgou vazamento de dados de 13 milhões de usuários

29 de dezembro de 2022

Setor da privacidade de dados necessita de trabalhadores com diferentes qualificações, mas exige aprimoramento constante

Não faz muito tempo que cuidar bem do RG garantia a privacidade e evitava riscos de cair em golpes. Com a tecnologia avançando de forma acelerada, para manter a privacidade, é preciso de legislação própria, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), e de profissionais especializados no mercado.

O assunto é tão sério que foi criado até o Dia Internacional da Proteção de Dados, comemorado no dia 28 de janeiro.

Mas você sabe quem são as pessoas que atuam nessa frente de trabalho? Quais qualidades são necessárias para seguir uma carreira em um setor tão promissor?

Primeiro ponto: não é obrigatório ser engenheiro ou programador para isso. Há uma diversidade de profissionais ligados ao tema.

Sabrina Di Salvi Oliveira é Privacy Knowledge da Unico, empresa especializada em soluções de identidade digital. A trajetória dela, no entanto, começou na área de Comunicação Social. Formada em Rádio e TV, ela deu início à vida profissional em Comunicação.

Depois ainda cursou Letras e passou para a área de Treinamento & Desenvolvimento. Em 2019, começou uma guinada na carreira ao trabalhar com Treinamento e Comunicação para a área de Gestão de Mudanças no Projeto LGPD. Até aquele momento, ela só havia ouvido falar na lei.

“Como fui escalada para ser o ponto focal do tema, passei a fazer cursos para entender melhor. Fui da turma 23 do Instituto Data Privacy Brasil sobre LGPD. Fiz curso de Direito do Titular e todos os outros que apareceram na época para que eu pudesse compreender melhor o universo da lei”, destaca Sabrina.

Sabrina conta que gostou tanto que acabou permanecendo no setor: “Fiquei tão inserida na área que passei a reportar direto para a recém-chegada área de Privacidade, passando a ser a especialista focada em conscientização por lá. Cheguei à Unico, em 2021 com o mesmo propósito”.

Aprimoramento constante

Mas a missão não é simples. No cenário atual, trabalhar com privacidade relaciona várias áreas de uma empresa.

“Porque envolve desde os processos que identificam por onde os dados transitam, recomendações de tratamento desses dados (toda a ação feita com os dados pessoais: armazenar, coletar, guardar, excluir, tudo mesmo). Envolve ainda programa de conformidade com a LGPD, governança e conscientização, além da parte jurídica de adequação também”, diz Sabrina.

Ficou interessado? Saiba que o tema está superaquecido, com espaço no mercado brasileiro e europeu por conta das legislações de proteção de dados. Mas é necessário se preparar e se atualizar sobre o tema.

O cuidado com a privacidade ainda está engatinhando. As pessoas não têm o hábito de se preocupar tanto com os dados pessoais como deveriam.

Tanto que é comum informar CPF, RG, endereço e outras informações em troca de um desconto ou brinde, sem nem questionar o porquê e para onde eles serão destinados. Sem perguntar quais serão os cuidados adotados com todas as informações.

“Eu sempre comparo a questão do empoderamento de entender para onde vão os seus dados, e escolher com quais empresas vai compartilhá-los, com a questão ambiental. Acredito que as pessoas vão passar a escolher (se já não passaram) as empresas que de fato cuidam dos seus dados, que se posicionam dessa forma, assim como foi a questão da empresa verde, ESG etc”.

Isso porque o perigo é grande. “Com os seus dados pessoais, alguém pode abrir contas no banco, realizar empréstimos, utilizar-se da sua identidade. O que é um risco muito maior que um roubo comum de um cartão de crédito, por exemplo, que você poderá bloquear”, finaliza Sabrina.

Evolução do setor de privacidade de dados

Kendji Wolf atua com informação e com dados sensíveis há bastante tempo. São mais de 20 anos dedicados à área, sendo os últimos três especificamente mais próximos do segmento de proteção de dados.

Mas, para elencar toda essa experiência no currículo, a formação foi extensa. Graduado em Estatística pela Unicamp, tem ainda pós-graduação em Marketing pela FGV, MBA pela Fundação Dom Cabral.

Fez também curso de especialização em Gestão de Pessoas na Espanha, pela IEDE, e especialização em Internet of Things pelo MIT, nos Estados Unidos.

Segundo ele, com a evolução da tecnologia, os dados pessoais passaram a ser cada vez mais utilizados e os cuidados com segurança não avançaram na mesma proporção. Com isso, as pessoas acabam mais expostas sem se dar conta.

Wolf lembra que, até 20 anos atrás, ninguém se preocupava com informações que hoje precisam ser melhor gerenciadas.

“Nosso CPF e RG eram impressos, ficavam guardados dentro da carteira. O número de telefone ficava em uma agenda de papel e informações pessoais vinham impressas. Hoje CPF, RG, número do passaporte, e-mail são informações que você precisa cadastrar em alguns lugares para que consiga executar e acessar diversos serviços”, afirma.

Para o profissional, mesmo depois da aprovação da LGPD, ninguém dá garantias absolutas no quesito segurança de dados.

Muitas empresas ainda não se encontram aptas a armazenar e gerir com segurança as informações sob sua guarda. Mesmo assim pedem um rol de dados ao realizar uma simples compra pela internet.

Com isso, o consumidor fica em um dilema: se essas informações vazarem, a responsabilidade é da empresa, mas o dano segue com o cliente. Por outro lado, se não informar os dados solicitados, o produto não chega.

“Então é sempre uma escolha: qual o mínimo de informações que a gente vai pedir para o cliente e que seja necessário para o processo para que ele também se sinta confortável e não tenha que preencher um cadastro gigantesco de informações que, na verdade, não são pertinentes àquilo que ele está querendo junto à empresa? Esse é um pouco do motivo pelo qual a parte de governança e proteção está sendo bastante requisitada”, explica Wolf.

Para ele, do ponto de vista das pessoas, o grande desafio é o que se chama de alfabetização dos dados.

Ou seja, é preciso haver uma conscientização de que as informações pertencem a elas. Mas, se forem repassadas a uma empresa, a organização se torna responsável pela guarda. Quando a relação de consumo se encerra, a informação volta para o cliente, porque são dele.

“Ele é o grande tutor das suas próprias informações e isso vale dinheiro, porque as empresas se aproveitam dos dados para fazer novos produtos, novas ofertas e aumentar os seus faturamentos. E, também, vale dinheiro no mercado paralelo, porque tem muita gente que usa ou tenta acessar essas informações para gerar fraude, gerar prejuízo para todo o sistema”, pontua Wolf.

Proteção de dados: direito e tecnologia

Direito e tecnologia também têm caminhado juntos na era digital. O advogado Rodolfo Tamanaha, sócio do Madrona Advogados, por exemplo, sempre atuou com Direito Tributário e Direito Administrativo.

Mas começou a se aproximar da área de tecnologia em 2012, quando trabalhou para o Ministério da Justiça.

“Participei das discussões envolvendo o marco civil da internet, além do tema do enfrentamento da pirataria em ambiente digital. Depois tive uma nova incursão na área pública, de 2016 a 2018, como diretor de Direitos Intelectuais do Ministério da Cultura. Um dos principais temas era a proteção do direito autoral na internet”, destaca.

Em 2017, unindo as áreas de tributário e tecnologia, defendeu tese de doutorado sobre tributação da economia digital. No ano seguinte, começou a participar das discussões no Congresso Nacional sobre a LGPD. E não parou mais.

“Decidi atuar nessa área de proteção de dados por vários motivos: é uma área de especialização de tecnologia; dados pessoais são um elemento fundamental para a economia digital, e sua regulação e sua proteção são elementos-chave. As próximas tecnologias que estão surgindo também dependerão de dados pessoais”, explica o advogado.

Segundo ele, por ser uma área em constante transformações, é fundamental buscar especialização permanente.

“Essa área de proteção de dados tem um enfoque jurídico forte, mas também exige conhecimento em outras áreas. Como o assunto ainda é muito novo no Brasil, decidi buscar uma especialização no exterior, em um local considerado referência (Univ Maastricht, nos Países Baixos)”, destaca Tamanaha.

Se há espaço nesse mercado? O especialista garante que sim. Isso porque privacidade e proteção de dados são temas relevantes para as atividades econômicas atuais, sejam as totalmente digitais, sejam as que estão se digitalizando. E estar em conformidade com a LGPD é um ativo reputacional para as organizações.

“Embora seja uma área que demanda constante aperfeiçoamento técnico, é bastante promissora. A sociedade e o mercado ainda estão em processo de digitalização e o tema da privacidade e proteção de dados continuará sendo chave para o desenvolvimento dos negócios”, finaliza Tamanaha.

Sobre a Unico

A Unico é uma empresa brasileira especializada em identidade digital, fundada em 2007. A IDTech se tornou um unicórnio em agosto de 2021 e já recebeu quatro rodadas de investimentos, posicionando-a como a segunda empresa SaaS mais valiosa da América Latina, em 2022.

A Unico desenvolve soluções inovadoras para a proteção da identidade dos brasileiros nas relações com empresas privadas.

O que é Inteligência Artificial?

Proteção de dados: o risco dos certificados digitais

Como funciona uma IA e qual seu principal objetivo?

Trinus promove palestra gratuita sobre privacidade e proteção de dados

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!