Últimas notícias

Fique informado

O potencial empático dos NFTs

30 de maio de 2022

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Techfin Moeda Semente anuncia presença no metaverso

Moeda Semente, primeira techfin a usar blockchain para o mundo alcancem o desenvolvimento sustentável, está investindo no metaverso

7 de março de 2022

Por que investir em segurança da informação e qual o seu retorno financeiro?

O principal ponto para decidir investir na segurança da informação nas empresas é para fortalecer a segurança dos dados

7 de março de 2022

Cidadão passa a ter acesso no GOV.BR a consulta e transferência dos valores ‘esquecidos’ em bancos

Nesta segunda-feira (7), serviço do Banco Central está disponível para usuários com contas nos níveis Prata e Ouro no GOV.BR

7 de março de 2022

LGPD: não basta ter, é preciso executar

Estar em conformidade com a LGPD é relevante para o contexto geral de mercado, como o ambiente de negócios ao qual a empresa está inserida

7 de março de 2022

Como a Inteligência Artificial e os Data Centers neutros apoiam a evolução dos negócios

O avanço da tecnologia vem estimulando cada vez mais o investimento em métodos inovadores e disruptivos para os negócios

7 de março de 2022

A natureza escassa dos NFTs resulta em um senso de comunidade, isso porque sua aquisição funciona como uma “identificação premium”

Por Ruy Fortini

Ruy Fortini, fundador e CEO da Doare

Cada inovação tecnológica que surge é acompanhada com curiosidade e, ironicamente, com ceticismo. Tal comportamento não é novo e no decorrer da história já teve quem olhou com descaso para o automóvel, que não visse futuro para os celulares e sentenciasse um fim fracassado para as televisões. Esses apontamentos podem soar um pouco absurdos agora, mas hoje, há quem olhe com incredulidade para tendências como a web3, metaverso e NFT, por exemplo. De mãos dadas à descrença, há a clássica preocupação com as interações humanas, sobre como a frieza dos códigos binários substituirá as experiências do mundo real. 

Enquanto há quem argumente que a tecnologia torna as pessoas mais distantes, individualistas e frias, penso que a inovação tem o potencial de fazer justamente o contrário. Claro que o surgimento de novas tecnologias requer senso crítico e responsabilidade, mas gosto de olhar o copo meio cheio, de ver as possibilidades que podemos criar com tais ferramentas. E as aplicações são muitas, nas mais diversas áreas. Pensemos no terceiro setor, por exemplo.

Hoje, é possível conhecer causas e instituições do mundo todo, é viável reunir assinaturas de todos os continentes e eleger voluntários de hemisférios opostos. A conectividade e o ativismo online já são uma realidade, mas agora estamos diante de uma nova tecnologia: o NFT. Apesar do conceito ser bem recente, muitas organizações filantrópicas já estão se beneficiando com as vantagens dos NFTs. E o mais curioso é que essa tendência tem relação com um conceito quase antropológico da humanidade: a necessidade de fazer parte de uma comunidade.

Somos animais sociáveis e o pertencimento aos nichos e grupos é muito importante para nós. Curiosamente, a natureza escassa dos NFTs resulta em um senso de comunidade, isso porque a aquisição de um token não-fungível funciona como uma “identificação premium”, uma distinção que indica que aquele indivíduo pertence a um grupo seleto. 

Tal engajamento já vem sendo usado por marcas, mas também pode ser de bom uso para instituições. Imagine a possibilidade de criar comunidades engajadas e ativas em determinadas, ou até em todas, causas sociais? A oportunidade de que as pessoas usem os seus tokens para participarem ativamente de ONGs e opinarem sobre o uso de verbas e novos projetos? A viabilidade de mobilizar até mesmo empresas e personalidades como embaixadores?

Hoje, milhões de dólares já foram destinados para doação através da venda de NFTs beneficentes. No Brasil, tal movimento ainda é muito recente e os principais cases até o momento são os projetos Cachorro Caramelo e Impact Women NFT, por exemplo. 

Ao pensar no futuro, ouso teorizar que é uma questão de tempo para que a cultura de doação seja “atualizada”, não só pelas novas possibilidades de suporte tecnológico, mas também por causa das novas gerações de doadores. Segundo a edição mais recente do estudo “Um Retrato da Doação no Brasil”, os adultos mais jovens são os mais propensos a acreditar no impacto positivo das organizações da sociedade civil (OSCs); juventude essa que está familiarizada a doar em vaquinhas online, por PIX e até QR codes, formatos impulsionados pelas transmissões de lives na pandemia; não tardará muito para se acostumarem com a filantropia de NFTs. 

Sendo assim, reconheço que ainda estamos em um período experimental de tal tecnologia (no momento empírico de testar, errar e acertar), mas é inegável a importância da aproximação entre a cultura de inovação e a filantropia. Acredito que, em tal mistura, há muito o explorar, agregar e otimizar; as duas áreas podem mutuamente se ajudar e melhorar. Na equação, todos saem ganhando: a tecnologia se torna mais democrática e inclusiva enquanto o terceiro setor potencializa sua eficiência e capilaridade. 

Sobre o autor

Ruy Fortini é fundador e CEO da Doare, fintech de doações online que oferece soluções para organizações filantrópicas. Formado em Administração pela PUC do Rio de Janeiro, o executivo já passou por empresas como Outra Coisa e Sirius Interativa. Além disso, antes de criar a Doare, o empreendedor fundou a Thinkr e a Riobuzz Produções. Com tais experiências no currículo, Ruy foi um dos mentores do Desafio Brasil SEBRAE, em 2013.

NFTs: movimentações milionárias no meio digital

Por que famosos têm investido milhões em NFTs?

NFTs: certificados digitais devem continuar em ascensão em 2022

Acompanhe também artigos sobre Criptoativos aqui no Crypto ID.

Cadastre-se para receber o IDNews

E acompanhe o melhor conteúdo do Brasil sobre Identificação Digital! Aqui!