Últimas notícias

Fique informado

Como reduzir a escrita dos códigos faz do low-code indispensável atualmente?

1 de junho de 2022

Spotlight

Do Deepfake ao ChatGPT: como a evolução tecnológica está influenciando as fraudes e golpes que vemos hoje?

Os golpes, de falsificação de identidade bancária a investimentos fictícios e golpes românticos, são cada vez mais diversificados

20 de maio de 2024

Contato Seguro une forças com a DOC9 para trazerem mais segurança aos abrigos do Rio Grande do Sul

Contato Seguro une forças com a Doc 9 para trazerem mais segurança aos abrigos do Rio Grande do Sul. Essa parceria é essencial para enfrentar o momento difícil que o estado está passando devido às enchentes.

20 de maio de 2024

Governo Federal apoia Rio Grande do Sul na emissão 2ª via da Carteira de Identidade Nacional

O mutirão coordenado pelo Governo do RS começou nos abrigos de Porto Alegre. Expedição da segunda via será imediata

20 de maio de 2024

Reconhecimento facial: a nova fronteira de segurança em meio aos desafios dos Deepfakes

A capacidade dos deepfakes de imitar e falsificar identidades compromete diretamente a eficácia do reconhecimento facial

20 de maio de 2024

Nuvens Tempestuosas: Navegando pelo Panorama Complexo da Cibersegurança na Nuvem

Enquanto as organizações migram cada vez mais dados e serviços para a nuvem, a complexidade e a magnitude das ameaças cibernéticas também crescem.

15 de maio de 2024

Techfin Moeda Semente anuncia presença no metaverso

Moeda Semente, primeira techfin a usar blockchain para o mundo alcancem o desenvolvimento sustentável, está investindo no metaverso

7 de março de 2022

Por que investir em segurança da informação e qual o seu retorno financeiro?

O principal ponto para decidir investir na segurança da informação nas empresas é para fortalecer a segurança dos dados

7 de março de 2022

Cidadão passa a ter acesso no GOV.BR a consulta e transferência dos valores ‘esquecidos’ em bancos

Nesta segunda-feira (7), serviço do Banco Central está disponível para usuários com contas nos níveis Prata e Ouro no GOV.BR

7 de março de 2022

LGPD: não basta ter, é preciso executar

Estar em conformidade com a LGPD é relevante para o contexto geral de mercado, como o ambiente de negócios ao qual a empresa está inserida

7 de março de 2022

Como a Inteligência Artificial e os Data Centers neutros apoiam a evolução dos negócios

O avanço da tecnologia vem estimulando cada vez mais o investimento em métodos inovadores e disruptivos para os negócios

7 de março de 2022

O low-code se consolida para entregar a qualidade e velocidade necessárias nos projetos do futuro – estejam as empresas prontas ou não

Por Tiago Farias

Tiago Farias, co-CEO da TrueChange, líder brasileira no mercado de soluções digitais em low code 

Num mundo em que as soluções tecnológicas dominam praticamente todos os setores da sociedade, é sempre interessante conhecer a  linguagem por trás delas. No caso, são os diferentes códigos que formam a estrutura de qualquer aplicação.

É por meio deles que as funções são idealizadas e programadas, permitindo resolver os problemas reais de empresas e pessoas. A questão é que essas ferramentas estão cada vez mais complexas, exigindo que o desenvolvedor escreva linhas e linhas para chegar ao resultado esperado. 

Assim, em vez de agilizar, essa situação burocratiza a busca por inovação. Para impedir isso, o conceito de low-code ganha espaço e se torna imprescindível atualmente.

Antes de entender esse movimento, primeiro é preciso entender como uma plataforma desse tipo funciona. A redução dos códigos é possível porque permite o desenvolvimento visual com uma interface gráfica e utiliza uma série de componentes prontos.

Basta arrastar e soltar na tela para fazer o “encaixe”. Estima-se que em um projeto de desenvolvimento de software na Mendix, referência global em low-code, a necessidade de codificação seja de apenas 3% a 5% – tanto para modificar algo já pronto ou para criar um componente do zero.

Ou seja, com a utilização de plataformas que diminuem a escrita dos códigos, há redução significativa no tempo de lançamento de uma aplicação e na quantidade de recursos necessários para desenvolvê-lo.

Agora que sabemos como esse conceito atua, é necessário entender por que ele se desenvolve. A razão é bem simples: o crescimento exponencial na demanda de empresas e clientes por inovação, experiências digitais e aplicativos de softwares que entregam diferentes funcionalidades.

Então, para atender a esse mercado sedento na velocidade que o negócio espera, é preciso ganhar tempo sem prejudicar a eficiência – que é justamente o que o low-code propõe. Caso contrário, a empresa fica para trás e é literalmente engolida pelos concorrentes. Em suma: as áreas de TI precisam mudar a forma como criam novos aplicativos para as organizações.

Evidentemente, toda mudança gera resistência. O desenvolvedor gosta de ter o controle sobre o código gerado. Assim, quando ele utiliza uma plataforma que abstrai justamente o código e utiliza componentes prontos com um desenvolvimento visual, isso traz uma série de dúvidas e questionamentos para o profissional. Se a plataforma cuida de todo o desenvolvimento tecnológico, será que o código é tão bom quanto o criado manualmente?

Nesse sentido, o primeiro passo é quebrar os “pré-conceitos” e mostrar que, sim, esse código gerado por uma plataforma low-code é tão robusto quanto o que é  escrito  por um desenvolvedor. Dessa forma, a pessoa não precisa se preocupar com os aspectos tecnológicos e pode exercer uma atuação mais consultiva. Além disso, é necessário desmistificar a ideia de que low-code só é destinado a coisas pequenas. Na verdade, não há barreiras ou limites para essa proposta.

Portanto, antes de implementar o low-code na empresa, é necessário seguir algumas recomendações. Primeiro, claro, compreender o que é essa tecnologia, com todas as particularidades já citadas. Também é preciso entender bem o que se quer com essa plataforma, ou seja, o que vai ser desenvolvido, o público-alvo, os canais, entre outras coisas.

O cenário interno, que envolve demandas, capacidade de entrega, metas do negócio e dos clientes, influencia na escolha da melhor solução. E não se esqueça da disponibilidade para aprender e desenvolver na plataforma low-code. Com isso, é possível acelerar a criação de aplicações (até dez vezes mais rápido), reduzir os recursos necessários (até 70%) e promover maior sinergia entre as áreas e o time de TI.

Em um cenário de aceleração digital, o mantra para os profissionais de tecnologia é conseguir mais, com menos. Isso significa que o desenvolvimento de soluções inovadoras precisa acontecer num ritmo cada vez mais rápido e com promessa de entregar sempre os melhores resultados. 

Assim, perder tempo escrevendo códigos complexos quando seria possível utilizar modelos prontos está totalmente fora de cogitação. O low-code se consolida para entregar a qualidade e velocidade necessárias nos projetos do futuro – estejam as empresas prontas para isso ou não.

Sobre a TrueChange

Dedicada a ajudar organizações a implementar soluções inovadoras com foco na criação de valor para os seus negócios, a TrueChange conta com uma equipe de profissionais qualificados e especializados em low-code e nas melhores práticas de desenvolvimento de software para realizar a transformação digital dos negócios. Atualmente, a empresa é o principal parceiro da Siemens na América Latina focada em negócios Mendix, plataforma low-code líder no mercado global.  

Você sabe o que é Low Code?

Low-code e a urgência na modernização de legados

Por que o low-code é a bola da vez: um passo a passo para implementá-lo

Cadastre-se para receber o IDNews

E acompanhe o melhor conteúdo do Brasil sobre Identificação Digital! Aqui!

CATEGORIAS

Notícias