Últimas notícias

Fique informado

Low-code e a urgência na modernização de legados

10 de agosto de 2021

Spotlight

A Transformação Digital do Mercado Imobiliário: Blockchain, Moedas digitais, Cartórios e o Futuro

A tecnologia blockchain tem despertado interesse devido ao seu potencial disruptivo em vários setores, incluindo o setor imobiliário.

8 de abril de 2024

Empresa de Israel traz tecnologia de ponta em cibersegurança para o mercado brasileiro

Com o potencial de crescimento do mercado brasileiro e sua consequente inserção no ambiente digital, os fundadores da Cysfera decidiram trazer as inovações de ponta israelenses ao cenário nacional.

3 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Na grande parte dos casos de atualização dos sistemas legados, a complexidade e a variedade de linguagens refletem na adaptação

Por Ricardo Recchi

Ricardo Recchi é country manager da Genexus Brasil


Em tempos dinâmicos, cujos clientes estão cada vez mais exigentes em relação à digitalização de suas operações, é urgente que a velocidade na mudança de processos, principalmente quando se trata da tecnologia, também seja mutável e focada na constante transformação e evolução de seus programas.

Para os sistemas legados, parece um desafio acreditar que até mesmo aqueles criados há mais de uma década, com funções cada vez mais limitadas e destinadas a se tornarem obsoletas, possam ser renovadas e potencializadas, sem implicar na sobrecarga do time de desenvolvimento da empresa. 

Na grande parte dos casos de atualização dos sistemas legados, a complexidade e a variedade de linguagens que foram utilizadas refletem na complexidade para a adaptação, manutenção ou integração dessas soluções a outras plataformas.

Examinando a situação, é inegável a infinidade de processos para manter um sistema legado estável e atualizado, sendo necessário tratar cada ponto das programações, como os códigos, as linguagens e todos os testes. Somente assim será possível modernizar esse arcabouço para suportar com agilidade às demandas da atualidade. 

Para as empresas que atuam com esses sistemas e necessitam da modernização de seus programas, ponderar uma atualização pode parecer um risco para a estrutura dos processos internos e externos, além de não parecer tão vantajoso quando analisado o custo-benefício, caso seja cogitado que o cliente acabará sofrendo interferências durante o processo. 

Mas nesse impasse, deixar de buscar a evolução de suas plataformas apenas provocará um risco ainda maior, pois destinará a empresa a continuar lidando com dificuldades na segurança, na incompatibilidade com outros sistemas, na ausência de suporte, na falta de escalabilidade, em ocorrência de bugs, além da piora nas futuras integrações, o que, com o passar do tempo, aumentará a gravidade e, devido ao avanço contínuo da transformação digital, se tornará um ponto negativo, quando não de exclusão, na disputa por espaço no mercado. 

Ao iniciar o processo de evolução dos sistemas é fundamental contar com uma tecnologia como o low-code, que, graças à sua inteligência artificial, reúne linguagens e padrões das principais ferramentas tecnológicas de mercado para desenvolver aplicações flexíveis e tratar da atualização de ferramentas de modo ágil e sem interferências na performance da empresa, preservando a usabilidade e continuidade de uso dos sistemas para o cliente final. 

O uso do pouco código para modernizar e otimizar sistemas legados traz mais vantagens pelo fato de minimizar a complexidade dos variados tipos de linguagens de códigos até os testes finais, cobrindo todas as lacunas responsáveis por separar a infraestrutura de TI da empresa das novas e constantes exigências da transformação digital e da concorrência.

O low-code possibilitará agilidade não só na modernização, mas também nas futuras atualizações contínuas. Desse modo, ao optar pelo uso de uma metodologia de desenvolvimento ágil e descomplicada, as organizações podem usufruir de um custo-benefício competitivo e de uma metodologia condizente com a Transformação Digital. 

Sobre a Genexus


GeneXus é uma plataforma de desenvolvimento software multiplataforma líder há mais de 25 anos, que permite adotar novas tecnologias rapidamente. A plataforma usada por mais de nove mil empresas e 140 mil desenvolvedores para criar software empresarial baseado em dados executados em servidores, computadores desktop e na web, bem como em dispositivos móveis. Sua metodologia ágil e acelerada permite automatizar os processos que consomem mais tempo e recursos no desenvolvimento, manutenção, integração e modernização de aplicativos de negócios e sistemas de software.
Fundada em 1988, a GeneXus está sediada em Montevidéu (Uruguai) e possui escritórios no Brasil, Estados Unidos, Japão e México. Além disso, está presente em 45 países da África, Ásia, Europa, Oceania e Américas.

Por que o low-code é a bola da vez: um passo a passo para implementá-lo

Low-code aumenta protagonismo da TI em prol dos negócios e da inovação

Por que o low-code se tornou tão valioso durante a crise?