Últimas notícias

Fique informado

Equipamentos são conectados a sistemas capazes de avisar aos pais se o filho não foi à aula; especialistas alertam para privacidade e risco de vazamento de imagens

18 de março de 2023

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Filmes indicados ao Oscar que usaram reconhecimento facial em sua produção

O evento reúne não só os melhores filmes, mas, melhor trilha sonora, animações e outros prêmios que compõem as 23 categorias da premiação

10 de março de 2023

Biometria facial e outras tecnologias inovadoras em Avatar: O Caminho da Água

Avatar: O Caminho da Água é uma dessas grandes façanhas realizadas pelo diretor canadense, diferentemente, de Aquaman e Pantera Negra 2

10 de março de 2023

Prefeitura de São Paulo suspende pregão eletrônico para contratar sistema de reconhecimento facial

O programa “Smart Sampa” pretende instalar e integrar 20 mil câmeras até 2024 para Reconhecimento Facial na cidade de São Paulo.

5 de dezembro de 2022

Sistema de reconhecimento facial em escolas devem se tornar uma tendência nos próximos anos. Há alguns riscos inerentes aos dados armazenados

Por Marcio Dolzan

sistemas
Marcio Dolzan – Repórter do Estadão

Sob o argumento de aumentar a segurança dos alunos e combater a evasão, escolas públicas brasileiras começaram a instalar equipamentos de reconhecimento facial, à semelhança do que já ocorre em aeroportos e outras áreas de grande circulação.

A iniciativa ainda é incipiente, mas já chegou a redes de ensino em cidades da Bahia, de Santa Catarina, do Rio e outros Estados.

Apesar das promessas de eficiência contra a prática de “matar aulas”, especialistas alertam sobre os riscos à privacidade dos estudantes.

Levantamento elaborado pela InternetLab – centro independente que pesquisa ações nas áreas de tecnologia, direitos e políticas públicas – apontou que ao menos 15 cidades, em todas as regiões do País, já usam a tecnologia.

O grupo mapeou o uso de sistemas de reconhecimento facial em escolas de cidades da Bahia, Ceará, Goiás, Minas, Rio, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Pernambuco e Tocantins.

Brasil tem mais alunos que se formam professores do que outros países. Por que isso é um problema?

Segundo o trabalho, praticamente todas as iniciativas partem dos municípios, “por meio de contratos públicos firmados com empresas nacionais que oferecem serviços de tecnologia”.

A exceção é o Estado de Tocantins, que investiu no recurso para a capital, Palmas.

A rede municipal de Angra dos Reis retomou as atividades no início de fevereiro, quando passou a cadastrar os rostos de todos os alunos 

Um dos exemplos vem de Angra dos Reis, na Costa Verde fluminense. Lá, a rede municipal retomou as atividades no início de fevereiro, quando passou a cadastrar os rostos de todos os alunos.

A partir daí, para os estudantes ingressarem nas unidades de ensino, precisam fazer check-in em um equipamento de reconhecimento facial.

Ao Estadão, a Secretaria de Educação, Juventude e Inovação informou ter investido R$ 1,17 milhão na implementação do sistema. Ao todo, 89 escolas compõem a rede de Angra.

O reconhecimento facial deverá atingir 17,3 mil alunos do ensino fundamental e da educação de jovens e adultos (EJA). Segundo a pasta, o sistema visa a combater a ausência das aulas e a evasão escolar.

“Os estudantes são cadastrados no equipamento que chamamos de ‘coletor de imagens’ e diariamente se reportam a ele para cômputo de sua chegada. Caso o estudante não registre sua frequência até o fim do período de tolerância, o equipamento emite mensagem SMS para o telefone do responsável que está cadastrado no sistema informando a ausência”, diz o secretário de Educação, Paulo Fortunato.

“Não apenas a escola, mas a equipe da secretaria pode perceber mais rapidamente onde estão os casos de infrequência e possível evasão para atuar de modo mais efetivo e eficiente.”

Ainda conforme o secretário, além de acompanhar a presença diária dos alunos, a biometria facial permitirá ao município ter maior controle dos números da rede.

Esses dados “são base para o planejamento e execução de todas as políticas públicas voltadas à educação”.

Elas incluem fornecimento de merenda, materiais, quantificação do quadro docente, avaliações, entre outros.

A ausência de estudos prévios em casos de cidades que implantaram a tecnologia é criticada por Bárbara Simão, coordenadora da área de Privacidade e Vigilância do InternetLab.

“A falta de estudos preliminares para a implantação da tecnologia demonstra que é uma aposta, sem um respaldo técnico que aponte porque o reconhecimento facial é melhor do que outras possibilidades para sanar os problemas apresentados”, avalia a pesquisadora.

“Seria importante que o poder público fizesse essa avaliação de impacto de antemão.”

Ela acredita que a implantação do sistema vem sendo feita com boas intenções, mas de maneira apressada.

“O que a gente percebe não é que o poder público está mal intencionado ao usar essa tecnologia. Acho que é um desconhecimento em relação a esses riscos que essa tecnologia apresenta.”

O Estadão questionou o Ministério da Educação (MEC) sobre se há levantamento ou algum projeto sobre o uso dessa tecnologia em escolas do País, mas a pasta não soube informar.

Em Xaxim, no oeste catarinense, o aparelho de reconhecimento facial está em uso em uma das escolas do município e será expandido para todas as nove que compõem a rede local.

“O sistema surgiu como alternativa para dar segurança aos familiares dos alunos quanto ao ingresso e estadia na escola. O registro está interligado ao sistema do aluno que contém notas, atividades desenvolvidas pelos professores, frequência, entre outros”, diz a secretária municipal de Educação, Isabel Canalle.

“Os familiares têm acesso remoto ao sistema, facilitando o acompanhamento escolar do aluno.”

Rede municipal de Angra dos Reis começou a cadastrar os rostos dos alunos em fevereiro deste ano.

Segundo o relatório da InternetLab, nenhum município ou Estado mapeados informou se fez estudos de impacto prévios, como o que envolve risco aos direitos humanos, nem análises sobre o potencial de discriminação dos softwares.

O estudo alerta que “tecnologias de reconhecimento facial não são imunes a erros e falhas significativas”.

E acrescenta: “há diversos estudos que pontuam como elas são menos precisas quando o público-alvo da ferramenta são pessoas não pertencentes ao gênero masculino ou não brancas, uma vez que são treinadas por meio de bancos de dados fracos em termos de diversidade de gênero, raça e registros culturais”.

Para Luiz Felipe Ribeiro, pesquisador especializado em computação visual e simulações interativas em tempo real do Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e Pesquisas Computacionais da Universidade Federal do Rio (UFRJ), sistemas de reconhecimento facial em escolas devem se tornar uma tendência nos próximos anos. Ele aponta, porém, alguns riscos inerentes aos dados armazenados.

“Sou favorável, enquanto professor, porque facilita em termos de chamada de alunos, por exemplo. Em outros países, como Estados Unidos e Israel, já é bastante difundido principalmente pela questão da segurança”, afirma.

“Mas há algumas discussões que devem ser consideradas, como a salvaguarda desses sistemas, como eles estão sendo tratados à luz da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e, no caso das escolas, à luz do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)”, diz.

Ribeiro diz que a maior preocupação precisa ser voltada à segurança dos dados.

“Imagine um banco de dados com crianças, com identificação delas, nomes, rostos. Eventual vazamento disso seria gravíssimo”, alerta.

“Esses sistemas, ainda mais quando se fala de crianças, devem ser extremamente seguros.”

Segundo a Ponto ID, empresa que forneceu os equipamentos de reconhecimento facial a Angra dos Reis, a imagem captada é “criptografada e alocada exclusivamente e de forma offline na memória dos equipamentos por motivos de segurança, não sendo acessada ou transmitida”.

Ao mesmo tempo, contudo, é possível registrar uma fotografia similar à 3×4 dos alunos e cujo acesso é possível mediante uso de senha.

“(A foto) opcionalmente poderá ser transmitida de forma online e criptografada para o sistema de gestão, cujo acesso é restrito aos usuários com perfil e senha que contenha essa permissão – como por exemplo, os secretários das escolas -, podendo ou não ficar visíveis no sistema, a critério da unidade escolar ou da Secretaria de Educação”, explica a empresa.

Fonte: Estadão

Secretaria de Educação de Mato Grosso avalia implantar biometria facial

Solução da Valid para controle de presença dos alunos com reconhecimento facial beneficia mais de 400 escolas

Reconhecimento facial estima reduzir o tempo do professor com os alunos

Acompanhe como o reconhecimento facial e impressões digitais, de íris e voz estão sendo utilizados para garantir a identificação digital precisa para mitigar fraudes e proporcionar aos usuários conforto, mobilidade e confiança. Crypto ID, o maior canal brasileiro sobre identificação digital. Leia outros artigos aqui!

Learn how facial recognition and iris, voice and fingerprints are being used to ensure accurate digital identification to mitigate fraud and provide users with comfort, mobility and trust. Read other articles here! Crypto ID, the largest Brazilian channel on digital identification. Read other articles here!

Descubra cómo se utilizan el reconocimiento facial y el iris y las huellas dactilares del voz para garantizar una identificación digital precisa para mitigar el fraude y brindar a los usuarios comodidad, movilidad y confianza. Crypto ID, el mayor canal brasileño de identificación digital. ¡Lea otros artículos aquí!

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!