Últimas notícias

Fique informado

IA Generativa: o kit de alquimia feito de bits onde quase tudo é possível por Alex Winetzki

16 de abril de 2024

Spotlight

Nuvens Tempestuosas: Navegando pelo Panorama Complexo da Cibersegurança na Nuvem

Enquanto as organizações migram cada vez mais dados e serviços para a nuvem, a complexidade e a magnitude das ameaças cibernéticas também crescem.

15 de maio de 2024

Cancelamento de hipotecas – Assinatura avançada versus qualificada – Parte II

Essa segunda parte discute os padrões e requisitos para o processamento eletrônico de documentos no registro de imóveis no Brasil.

15 de maio de 2024

Cancelamento de hipotecas – Assinatura avançada versus qualificada – Parte I

Questão das assinaturas eletrônicas no Registro de Imóveis é incerta, mesclando aspectos tecnológicos e jurídicos.

14 de maio de 2024

Por que é tão complexo se proteger de ataques cibernéticos? Por Rodrigo Fragola

“A meta agora não é alcançar segurança absoluta, mas sim segurança relativa no mercado em que se atua.” Fragola

13 de maio de 2024

Edmar Araujo, o novo diretor-executivo da ANCD concede sua 1ª entrevista ao Crypto ID

Edmar Araujo diretor-executivo da Associação Nacional de Certificação Digital e fala com exclusividade ao Crypto ID.

13 de maio de 2024

Confira 7 dicas para a redução do uso de papel nas empresas

São sete dicas essenciais para ajudar as empresas a reduzirem o uso de papel e promoverem práticas mais sustentáveis.

9 de maio de 2024

Vivemos tempos apressados. No espaço de apenas algumas décadas, acompanhamos o surgimento dos PCs, da internet e dos telefones celulares, que evoluíram para os smartphones e, posteriormente, para os wearables (vestíveis).

Alex Winetzki

Alex Winetzki é CEO da Woopi, empresa de Inteligência Artificial do Grupo Stefanini

As ondas de choque geradas por essas tecnologias ainda são sentidas na maneira como trabalhamos, nos comportamos, nos relacionamos e escolhemos nossos líderes. Tempos turbulentos, portanto. E ainda assim, o potencial transformador causado pela IA Generativa talvez seja maior que todas as outras evoluções. Isso porque as outras tecnologias são aceleradoras da capacidade humana e de processos necessários em nosso dia a dia, de comunicação a logística, de produção à gestão. Mas não substituem ou se comparam à habilidade humana em raciocinar e criar, que é exatamente o caso da IA Generativa.

Diferente do tear mecânico, do avião e do smartphone, essa tecnologia não apenas nos ajuda a fazer algo melhor ou de maneira mais eficiente, mas realiza tarefas cognitivas, antes unicamente reservadas aos humanos. A IA Generativa escreve, desenha, cria vídeos e música, seleciona, resume, compara, calcula e ensina; aprende mais rápido e pode tomar decisões de alta qualidade numa infinidade de tarefas.

Comando dezenas de cientistas e técnicos que, a cada dia, descobrem aplicações para esta tecnologia que, há 18 meses, acreditávamos serem impossíveis para uma máquina.

O ano passado foi um ano de espanto e descoberta, em que não economizamos recursos para testar os limites, melhores práticas e perigos de um conjunto de algoritmos que parecem um  kit de alquimia, mesmo para nós que temos anos de experiência em Inteligência Artificial.

Ao aplicar corretamente essa poção mágica feita de bits, quase tudo é possível. Tenho visto críticas tecnicamente corretas sobre os perigos e cuidados que devemos ter com a IA Generativa. Porém, boa parte dessas críticas esquece ou omite o ponto principal: quando utilizados de maneira correta, os modelos generativos entregam tanto ou mais do que prometem. E o aprendizado sobre como usá-la está chegando rápido.

Ao longo de 2023, testamos modelos e os refinamos, fizemos provas de conceito mais ou menos ambiciosas, entendemos o que fazer e não fazer e, principalmente, assistimos a uma corrida frenética de cair o queixo,  travada com bilhões de dólares por todas as maiores empresas de tecnologia do mundo, as famosas big techs. 

Esse cenário mostra que a tecnologia funciona. Já no final do ano passado, começamos a colocar projetos em produção, capazes de reduzir o tempo de execução de um número crescente de processos, antes executados apenas por pessoas, em 80% ou 90%. Neste ano, com a experiência acumulada, faremos muito mais, estimulando a adoção da tecnologia por outras organizações públicas e privadas, o que levará a um novo ciclo de aceleração. 

A IA Generativa não passará ou perderá energia. Não agora, não no futuro que consigo enxergar, pois estamos tocando apenas a superfície do que ela pode e vai fazer. Portanto, conseguir aplicá-la da maneira correta talvez seja o maior diferencial competitivo.

Esse deve ser o foco das organizações que  desejam se sobressair nessa corrida tecnológica cada vez mais frenética, disruptiva e desafiadora.

Alex Winetzki é CEO da Woopi, empresa de Inteligência Artificial do Grupo Stefanini, referência em soluções digitais.

Stefanini Cyber debate estratégias para proteger ativos empresariais no congresso da ANEFAC

Crypto ID entrevista Leidivino Natal, CEO da Stefanini Cyber, em evento para mercado segurador

Web Summit Rio 2024: Engineering Brasil lança assistente virtual movida por IA que otimiza processos e gera insights estratégicos para os negócios

Pesquisa da Amdocs revela que 90% dos provedores de serviços acreditam que a IA generativa é fundamental para atingir as metas de negócios, mas veem desafios significativos na implementação

Acompanhe o melhor conteúdo sobre Inteligência Artificial publicado no Brasil.

Você quer acompanhar nosso conteúdo? Então siga nossa página no LinkedIn!

CATEGORIAS

Destaques IA Notícias