Últimas notícias

Fique informado
Crescimento do mercado de crédito, terá ritmo menor, mas deve se manter acima de 8% em 2023

Crescimento do mercado de crédito, terá ritmo menor, mas deve se manter acima de 8% em 2023

2 de janeiro de 2023

Spotlight

A Transformação Digital do Mercado Imobiliário: Blockchain, Moedas digitais, Cartórios e o Futuro

A tecnologia blockchain tem despertado interesse devido ao seu potencial disruptivo em vários setores, incluindo o setor imobiliário.

8 de abril de 2024

Empresa de Israel traz tecnologia de ponta em cibersegurança para o mercado brasileiro

Com o potencial de crescimento do mercado brasileiro e sua consequente inserção no ambiente digital, os fundadores da Cysfera decidiram trazer as inovações de ponta israelenses ao cenário nacional.

3 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Brasil é um dos principais alvos de ciberataques no mundo e empresas correm em busca de soluções

Segundo relatório da Netscout, neste ano de 2022 o país só fica atrás dos Estados Unidos em número de ciberataques

2 de janeiro de 2023

Serviços na nuvem garantem maior produtividade e redução de custos, assegura especialista

Com aumento no número de ataques cibernéticos em 2022, um dos principais investimentos em TI deve ser em serviços de computação na nuvem

1 de janeiro de 2023

E-commerce B2B: 4 vantagens de indústrias e distribuidores que vendem online

Especialista elenca principais benefícios do segmento e-commerce B2B, previsto para crescer quase 20% ao ano até 2030

30 de dezembro de 2022

Quais as perspectivas para o bitcoin e outras criptomoedas em 2023?

Analistas avaliam o mercado de criptomoedas em 2022, projetam tendências e preveem retomada positiva para o próximo ano

30 de dezembro de 2022

Saiba como se proteger do golpe do dinheiro no WhatsApp

Confira orientações que podem ajudar a impedir que golpistas entrem em contato com familiares informando troca de número no WhatsApp

29 de dezembro de 2022

Vazamento de dados da SPTrans: o que pode ser feito para se proteger?

SPTrans, empresa que administra o bilhete único na cidade de São Paulo, divulgou vazamento de dados de 13 milhões de usuários

29 de dezembro de 2022

Pesquisa capta piora das expectativas para 2023, especialistas preveem recuo nos juros somente a partir do terceiro trimestre

Seguindo tendência já verificada ao longo do ano, as projeções para o mercado de crédito no Brasil apontam para um desempenho robusto, tanto em 2022 quanto em 2023.

Após o crescimento atípico registrado em 2020 e 2021, a carteira total de crédito manteve-se em expansão forte em 2022 e deverá seguir acima do crescimento observado no período pré-pandemia (6,5% em 2019) em 2023, elevando-se em 8,2%, revela a Pesquisa FEBRABAN de Economia Bancária e Expectativas.

As projeções feitas pelos bancos sobre o mercado de crédito em 2023 apontam um leve recuo ante a pesquisa anterior, de novembro, que previa alta de 8,4%. Essa queda deve-se à menor expectativa de crescimento econômico e taxas de juros mais altas.

Já para o ano de 2022, a pesquisa captou nova melhora na projeção de crescimento da carteira total, elevando de 14,1% (novembro) para 14,8%. Essa melhora decorre principalmente das surpresas positivas com os números mais recentes da economia, especialmente nas linhas de crédito com recursos direcionados, como os programas públicos.

A Pesquisa FEBRABAN, realizada com 20 bancos entre 13 e 20 de dezembro, é feita a cada 45 dias, logo após a divulgação da Ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Nela são reunidas as percepções das instituições financeiras sobre o documento do Banco Central e as projeções para o desempenho das carteiras de crédito no ano corrente e no próximo.   

Fiscal e Selic

A preocupação dos analistas com os rumos da política fiscal se espelhou no adiamento do período esperado para o início do processo de flexibilização da política monetária (queda da taxa básica de juros) e na revisão da tendência de crescimento da economia. 

A pesquisa captou que a grande maioria (75%) dos participantes espera que o início da flexibilização ocorra apenas a partir do 3º trimestre de 2023, nas reuniões de agosto ou setembro.

Na pesquisa anterior, a maioria dos analistas (60%) apontava que isso ocorreria no 2º trimestre. Ainda 20% dos participantes indicam que a Selic deve começar a cair só no 4T 23, algo não apontado na pesquisa anterior. 

“A pesquisa é um alerta sobre a necessidade de rigor na política fiscal e no controle dos gastos públicos”, avalia Isaac Sidney, presidente da Febraban, que completa: “Com o cenário externo ruim com inflação elevada, juros altos e atividade em desaceleração e o quadro doméstico igualmente desafiador, temos de buscar uma âncora fiscal forte e crível e firme controle da inflação. Não enxergo outra direção senão perseverar nesses fundamentos econômicos para arrumar a casa”.

“Para a maior parte dos entrevistados, a tramitação da PEC da Transição resultou em alteração tanto do início da flexibilização monetária quanto em uma elevação da taxa terminal da Selic em 2023. Apenas 25% afirmaram que não alteraram suas projeções para a taxa Selic”, aponta Rubens Sardenberg, diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da Febraban.

Esse resultado reforça a importância de que o novo governo defina o mais rapidamente possível a nova âncora fiscal da economia, complementa o diretor da Febraban. 

Pela pesquisa, a mediana das projeções passou a projetar que a taxa Selic fique estável em 13,75% ao ano até junho de 2023 e só a partir de agosto seria iniciada a flexibilização da política monetária.

Os participantes também ficaram divididos se o corte inicial seria de 0,25 pontos percentuais ou 0,50 pp. 

Câmbio

Para o câmbio, houve também uma revisão negativa das expectativas. Os entrevistados avaliam que o valor da moeda americana se mantenha na faixa de R$ 5,30 no 1º semestre de 2023 (ante expectativa de valor entre R$ 5,20 a 5,25 na pesquisa de novembro).

PIB

A pesquisa captou que é maior o contingente de bancos que espera um crescimento menor em 2023, em relação à pesquisa anterior. Antes, 70% dos participantes esperavam um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) entre 0,5% e 1,0% no ano e agora esse contingente caiu para 65% dos entrevistados.

O percentual daqueles que acreditam que a economia brasileira não deve crescer mais de 0,5% passou de 25% para 30%.

Crédito

Para 2023, o ligeiro recuo do aumento da carteira de crédito (de 8,4% para 8,2%) é resultado da expectativa de menor crescimento da carteira com recursos livres (de 10,0% para 8,6%), enquanto a expectativa para a carteira com recursos direcionados subiu (de 6,1% para 7,7%). 

Para 2022, a elevação da projeção da carteira total deve-se à expansão esperada para a carteira com recursos direcionados, cuja expectativa subiu de 10,2% (novembro) para 13,3%.

A projeção para a carteira pessoa física direcionada passou de 13,1% para 16,7%, diante do forte desempenho do crédito rural.

Já a expectativa de alta da carteira pessoa jurídica subiu de 5,3% para 7,3%, diante da nova rodada dos programas públicos de crédito (Pronampe e PEAC-FGI), que seguem demonstrando elevada demanda.

A projeção para a carteira com recursos livres caiu, passando de uma alta de 17,3% para 16,3%. A piora foi puxada pela carteira PJ (de 14,3% para 12,9%), que tem mostrado menor dinamismo recentemente, provavelmente, por conta da maior oferta de crédito direcionado e sinais de desaceleração da atividade.

“Enquanto isso, a projeção para a expansão da carteira pessoa física livre subiu de 18,2% para 19,0%, refletindo o forte desempenho das linhas atreladas ao consumo, como o cartão de crédito e crédito pessoal”, explica Rubens Sardenberg. 

Os números do ano serão divulgados pelo Banco Central no final de janeiro.

Inadimplência

A pesquisa também mostra piora das expectativas para a inadimplência da carteira livre. Para 2022, a projeção subiu de 4,3% (em novembro) para 4,4%, enquanto para 2023 avançou de 4,4% para 4,7%. Em outubro, a inadimplência desta carteira estava em 4,2%.

Inflação 

Também foi observada uma piora das projeções para a inflação. Agora, 70% dos entrevistados acreditam como improvável o cumprimento da meta de inflação em 2023, ante 60% em novembro.

O restante (30%) acredita que o IPCA ainda deve ficar dentro do intervalo de tolerância, cujo centro é de 3,25%, podendo variar entre 1,75% e 4,75%.

Mercado americano 

Quanto ao aperto monetário nos Estados Unidos, os participantes ficaram relativamente divididos sobre o patamar final dos juros. Para 55%, o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) terá que ser um pouco mais agressivo e levar os Fed Funds até 5,5% aa. O restante (45%) não vê necessidade de os juros ultrapassarem os 5,0% aa dada a recente desaceleração dos preços e da atividade.

Dicas de especialista do Google: como proteger as crianças de riscos digitais no fim de ano?

7 tendências para o mercado de e-commerce em 2023

Mercado financeiro: como a tecnologia impacta a comunicação crítica?

Em 2023, alta tecnologia será decisiva para empresas se manterem competitivas no mercado

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!

Você quer acompanhar nosso conteúdo? Então siga nossa página no LinkedIn!