Últimas notícias

Fique informado

Segurança e gerenciamento de dados: por que os vazamentos ocorrem?

27 de janeiro de 2023

Spotlight

A Transformação Digital do Mercado Imobiliário: Blockchain, Moedas digitais, Cartórios e o Futuro

A tecnologia blockchain tem despertado interesse devido ao seu potencial disruptivo em vários setores, incluindo o setor imobiliário.

8 de abril de 2024

Empresa de Israel traz tecnologia de ponta em cibersegurança para o mercado brasileiro

Com o potencial de crescimento do mercado brasileiro e sua consequente inserção no ambiente digital, os fundadores da Cysfera decidiram trazer as inovações de ponta israelenses ao cenário nacional.

3 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Segurança e gerenciamento de dados: por que os vazamentos ocorrem?

O Banco Central confirmou o quarto vazamento de informações relacionadas à chave PIX, desde o lançamento do meio de pagamentos

13 de janeiro de 2023

Por que a eficiência operacional é indispensável para o gerenciamento de data centers?

Há diversas práticas que auxiliam a construção de uma base de segurança e de eficiência para a gestão da infraestrutura em data centers

10 de janeiro de 2023

Cinco dicas para impulsionar uma estratégia de dados centralizada com o Gerenciamento de Dados Mestres

Com a hiperconectividade que exige rapidez das empresas, se torna essencial para um empresa ter uma estratégia de gerenciamento de dados.

27 de novembro de 2019

Já em janeiro de 2021, 223 milhões de dados pessoais foram vazados e, no mês seguinte, 102 milhões de contas de celular caíram na rede

Por Kendji Wolf

Já em janeiro de 2021, 223 milhões de dados pessoais foram vazados e, no mês seguinte, 102 milhões de contas de celular caíram na rede
Kendji Wolf ocupa o cargo de Diretor Executivo da Qads

Em meados de setembro (2022), o Banco Central confirmou o quarto vazamento de informações relacionadas à chave PIX, desde o lançamento do meio de pagamentos em fevereiro de 2020.

Na época, entre 1º de julho e 14 de setembro, cerca de 137 mil dados de natureza cadastral, sob a guarda e a responsabilidade da ‘Abastece Aí’, foram expostos em virtude de ‘falhas pontuais em sistemas da instituição de pagamento’ – de acordo com o BC.

Em novembro, a ‘Porto Saúde’ divulgou uma nota na qual se dizia ciente sobre a exposição indevida de dados de algumas das empresas parceiras, mesmo mês em que, de acordo com a investigação do Cybernews, quase 500 milhões de números de celular de usuários do WhatsApp estavam à venda na deep web.

Ao todo, 84 países foram afetados pelo vazamento, sendo o Brasil o 20º da lista, com 8 milhões de números vazados.

Por fim, listo – a título informativo – o vazamento de dados que expôs dados de 13 milhões de usuários do Bilhete Único (cuja responsável é a SPTrans) e outros 5,4 milhões de contas do Twitter que foram novamente expostos em um fórum de hackers, de acordo com o BleepingComputer.

Percebe-se a ocorrência em várias fontes e o Brasil está na 12ª posição do ranking de países mais atingidos.

No ano de 2018 foram registrados três grandes incidentes; em 2019, o número chegou a 16 – um aumento de 493%, segundo pesquisa do MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Já em janeiro de 2021, 223 milhões de dados pessoais foram vazados e, no mês seguinte, 102 milhões de contas de celular caíram na rede.

Pelos dados da holandesa Surfshark, empresa de segurança cibernética, estima-se que 455 brasileiros tenham seus dados expostos na internet a cada minuto.

O que corrobora para os cerca de 3,2 milhões de pessoas que, apenas no segundo trimestre de 2022, tiveram informações como RG, CPF, CNH, registros bancários, números de celular e outros documentos vazados no país.

Diante das comunicações que garantem a segurança da operação, você sabe porque esses eventos acontecem?

Para explicar este contexto, faço uma analogia com uma empresa responsável por transportar valores em carro forte.

Considere um banco com cofres, sistema de segurança e equipe devidamente treinada e fortemente armada em carros-fortes blindados.

Vê como há todo um aparato para garantir que o transporte seja feito da maneira mais segura possível? Assim também ocorre com a montagem da governança e a segurança do processo de tráfego de dados.

As empresas montam seus sistemas com firewall, criptografia e uma malha de cibersegurança que garante que o perímetro esteja seguro para manuseio, uso e transporte de dados, sempre respeitando a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados, promulgada para proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e a livre formação da personalidade de cada indivíduo).

Entretanto, assim como ocorre com as empresas de carro-forte, o risco não está apenas no transporte, mas nos inúmeros elementos que precisam ser previstos e monitorados ao longo do trajeto com o intuito de que todas as pessoas, rotinas e processos estejam alinhados e seguros, sem falhas nas barreiras de proteção.

No entorno da segurança de dados ocorre o mesmo. O risco não está somente no transporte dos dados entre as empresas.

Cada pessoa, sistema, banco de dados e os demais elementos de todas as empresas envolvidas na operação precisam estar sob uma governança de segurança de dados que garanta que nenhuma tentativa de invasão seja bem-sucedida, que os acessos às informações e aos bancos de dados estejam somente com as pessoas responsáveis e que os procedimentos sejam seguidos rigorosamente por todos os funcionários (que devem estar bem e regularmente treinados) para que este tipo de ocorrência seja infrutífera.

Em caso de alguma inconformidade, o sistema torna-se suscetível e tal vulnerabilidade é maior à medida que a preocupação e governança de segurança de dados é menor.

Falhas humanas, na política de acesso a um sistema ou base de dados, assim como falhas no armazenamento da informação ou na segurança de algum equipamento da rede interna da empresa (como notebook, impressoras wi-fi, drives de DVD, pen-drives etc.) são alguns exemplos que culminam no vazamento de informações.

Tendo em vista que essas são as principais causas, existem algumas maneiras de prever e, consequentemente, mitigar as chances dessas falhas ocorrerem.

O primeiro passo é contar com uma governança de segurança de dados bem estruturada, ativa e proativa para a criação de uma malha de cibersegurança.

A segunda dica é potencializar treinamentos e simulações de situações que poderiam colocar a empresa em risco. No que tange a falha de acesso, a governança atua na definição de permissões para cada usuário e o nível de confidencialidade da informação que ele pode acessar.

Já para mitigar a falha no armazenamento da informação, a governança define quais informações podem ser extraídas do perímetro seguro e quais podem ser manuseadas em áreas individuais.

Por fim, as falhas de segurança dos equipamentos internos podem ser minimizadas com uso de firewall e antivírus sempre habilitados e atualizados, incluindo realização recorrente de testes preventivos que simulem possíveis ataques externos.

Resumindo, é a governança quem cria uma malha de cibersegurança para, essencialmente, garantir que o perímetro de segurança seja definido e assertivo em torno da identidade de uma pessoa ou elemento.

Quando tal governança não está bem estruturada, abre-se precedentes para notícias como as supracitadas.

Sobre o Autor

Kendji Wolf ocupa o cargo de Diretor Executivo da Qads. Formado em estatística pela UNICAMP, com pós-graduação em Marketing pela FGV, MBA pela Fundação Dom Cabral com especialização no IEDE (Barcelona) e Internet of Things no MIT.

Com mais de 20 anos trabalhando com Analytics, Machine Learning, Big Data, IA, conquistou sua carreira em empresas como VIA, Santander, Telefônica/Vivo, Bank Boston e TIM.

É também professor do curso de Analytics aplicado a BIG DATA na PECE-POLI (USP) e do MBA em Customer Experience na SEDA Executive Education.

Vazamento de dados: PayPal sofre incidente de segurança expondo informações de usuários

Vazamento de dados da SPTrans: o que pode ser feito para se proteger?

Banco Pan confirma e detalha vazamento de dados

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!