Últimas notícias

Fique informado

Setor público – ainda aquém da aplicação de recursos de segurança de dados?

11 de abril de 2024

Spotlight

Nuvens Tempestuosas: Navegando pelo Panorama Complexo da Cibersegurança na Nuvem

Enquanto as organizações migram cada vez mais dados e serviços para a nuvem, a complexidade e a magnitude das ameaças cibernéticas também crescem.

15 de maio de 2024

Cancelamento de hipotecas – Assinatura avançada versus qualificada – Parte II

Essa segunda parte discute os padrões e requisitos para o processamento eletrônico de documentos no registro de imóveis no Brasil.

15 de maio de 2024

Cancelamento de hipotecas – Assinatura avançada versus qualificada – Parte I

Questão das assinaturas eletrônicas no Registro de Imóveis é incerta, mesclando aspectos tecnológicos e jurídicos.

14 de maio de 2024

Por que é tão complexo se proteger de ataques cibernéticos? Por Rodrigo Fragola

“A meta agora não é alcançar segurança absoluta, mas sim segurança relativa no mercado em que se atua.” Fragola

13 de maio de 2024

Edmar Araujo, o novo diretor-executivo da ANCD concede sua 1ª entrevista ao Crypto ID

Edmar Araujo diretor-executivo da Associação Nacional de Certificação Digital e fala com exclusividade ao Crypto ID.

13 de maio de 2024

Confira 7 dicas para a redução do uso de papel nas empresas

São sete dicas essenciais para ajudar as empresas a reduzirem o uso de papel e promoverem práticas mais sustentáveis.

9 de maio de 2024

De acordo com o Ministério da Economia, a implementação de uma tecnologia robusta ajuda a sanar muitos problemas relacionados à segurança de dados

Por Ricardo Maravalhas

Ricardo Maravalhas, fundador e CEO da DPOnet

A era digital trouxe uma infinidade de oportunidades para melhorar os serviços públicos, simplificar processos e aumentar a eficiência. No entanto, à medida que o setor público abraça cada vez mais a tecnologia, a questão da segurança de dados assume uma importância crítica.

Nesse cenário, infelizmente muitas entidades governamentais ainda estão aquém na aplicação de recursos adequados para proteger esses dados valiosos.

A segurança de dados nesse setor não é apenas uma questão de proteger informações confidenciais dos cidadãos, mas também de garantir a integridade dos sistemas e a continuidade dos serviços essenciais. No entanto, muitas vezes algumas violações de dados e vazamentos comprometem a confiança do cidadão e destacam a necessidade urgente de medidas mais robustas de segurança cibernética, como o caso de compartilhamento indevido de informações do INSS, prefeituras, etc.

De acordo com o Ministério da Economia, a implementação de uma tecnologia robusta e eficiente ajuda a sanar muitos problemas relacionados à segurança de dados.

Para se ter uma ideia, desde janeiro de 2019 mais de 800 serviços foram digitalizados, com uma economia prevista de cerca de R$ 2 bilhões por ano com cerca de R$ 500 milhões apenas nos custos com operações como locação de estruturas, contratação de pessoal para atendimento pessoal, entre outros, e o restante em economia para a sociedade como um todo, que não precisa mais se deslocar para obter alguns serviços. 

Apesar do Governo Federal já investir em serviços digitais como o Gov.br, a falta de investimento adequado em tecnologias e práticas de segurança de dados ainda é um desafio que precisa ser superado. Muitas agências governamentais operam com orçamentos limitados, o que resulta em sistemas desatualizados e vulneráveis a ataques cibernéticos. Além disso, a burocracia e a falta de agilidade tornam difícil para essas entidades acompanhar as rápidas evoluções no cenário de ameaças cibernéticas.

Trata-se de uma tendência mundial. Segundo o Gartner, empresa que desenvolve tecnologias relacionadas a introspecção necessária para seus clientes tomarem suas decisões todos os dias, até 2025 mais de 50% das agências governamentais terão modernizado seus processos, implantando aplicativos para aumentar a resiliência e a agilidade dos serviços.

Outro obstáculo significativo é a falta de conscientização e treinamento em segurança cibernética entre os funcionários do setor público. Muitos ataques cibernéticos bem-sucedidos têm origem em falhas humanas, como phishing e engenharia social. Portanto, é crucial que os colaboradores sejam devidamente treinados para reconhecer e responder a ameaças de segurança de dados.

Além disso, a questão da conformidade com regulamentações de segurança de dados também é uma preocupação crescente para o setor público. Com a implementação de leis como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) na União Europeia, leis semelhantes em outras jurisdições e a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), as agências governamentais enfrentam uma pressão adicional para garantir a conformidade e proteger a privacidade dos cidadãos.

Para superar esses desafios, o setor público precisa adotar uma abordagem proativa e holística para a segurança de dados. Isso inclui investir em tecnologias modernas de segurança cibernética, como firewalls avançados, detecção de intrusos e criptografia de dados. Além disso, é fundamental promover uma cultura de segurança cibernética dentro das organizações, por meio de treinamento regular e conscientização.

Outro ponto interessante é que as consultorias de empresas privadas podem desempenhar um papel crucial na melhoria da segurança de dados do setor público. Empresas privadas de segurança cibernética podem oferecer expertise e recursos que complementam as capacidades das agências governamentais, ajudando a fortalecer as defesas contra ameaças cibernéticas.

Em última análise, a segurança de dados no setor público não é apenas uma responsabilidade das agências governamentais, mas de todos. Acredito que ainda temos muito que evoluir, mas estamos no caminho para garantir um futuro digital seguro e próspero!

Entrevista com especialista da ODATA sobre segurança de dados em Datacenters

Criptografia quântica: Preparando-se para alterar o passado da segurança de dados

Como simplificar a segurança de dados para empresas de médio porte