Últimas notícias

Fique informado

Segurança física na pandemia do COVID19. Tecnologias ajudam a espalhar o novo vírus? Por Erico Santos

22/04/2020

Spotlight

Identificar, confiar e conectar. Quantas vezes por dia nos autenticamos?

Controlar credencias de acesso nas organizações é tão difícil quanto

02/12/2020

ONLYOFFICE, plataforma colaborativa, apresenta sua estrutura de segurança de dados

Confira a entrevista na íntegra com Nadya Knyazeva, Gerente de Comunicação da ONLYOFFICE, a plataforma open source que possui mais de sete milhões de usuários no mundo

27/11/2020

Lei da Internet das Coisas segue para sanção presidencial e deve impulsionar o mercado de eIDs

Os equipamentos que utilizam a Internet precisam ser identificados para a autenticação precisa máquina a máquina e, em alguns casos, é primordial estarem blindados contra invasões hackers.

26/11/2020

Doutor Fabiano Menke Concede Entrevista Sobre a Evolução das Assinaturas Eletrônicas

Nesta entrevista Dr. Fabiano Menke fala sobre a Lei 14.063 de setembro de 2020 e sobre o Decreto 14.543 de novembro de 2020 sobre os tipos de assinaturas eletrônicas

25/11/2020

A certificação de plataformas de telemedicina para uso da assinatura digital

O uso de certificados digitais para assinatura de documentos clínicos é adotado no Brasil desde a primeira resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM), em 2007

25/11/2020

Decreto 14.543/2020 regulamenta o artigo 5º da Lei 14.063/2020

O decreto 14.543/20 define alguns requisitos do artigo 5º Lei 14.063/2020.

16/11/2020

Com soluções de tecnologia para a Saúde, MV apoia operação de hospitais de campanha no Brasil

#Hospitaisdecampanha começam a entrar em operação em alguns estados brasileiros para atender pacientes infectados pelo novo coronavírus e a MV apoia essas iniciativas com a implantação de suas tecnologias.

20/04/2020

Entrevista com Marcelo Buz, presidente do ITI sobre as recentes conquistas da ICP-Brasil

Marcelo Buz fala sobre a MP 951/2020 que trata da emissão dos Certificados Digitais ICP-Brasil 100% online e da Lei que aprova a Telemedicina e Prescrição Médica Digital.

16/04/2020

Sensores biométricos tornam-se disseminadores de vírus e o reconhecimento facial simplesmente não funciona com quem utiliza máscara de proteção. As alternativas atuais foram postas em cheque, será o fim do reconhecimento biométrico como conhecemos?

Por Erico Santos

Erico Santos – Analista Técnico do Suporte de Gestão de Acesso e Segurança, Performance Corporativa e Aplicativos e Tecnologia da Senior Sistemas.

Comodidade aliada à segurança, é isso que todos esperam quando optam por instalar alternativas de identificação biométrica em seus ambientes.

Mas em tempos de pandemia, quando olhamos tudo com novos ângulos e passamos a repensar algumas estratégias, percebemos que mesmo seguras e cômodas, as atuais formas de autenticação biométricas não foram pensadas para evitar a transmissão de vírus e bactérias.

Recentemente fiz uma viagem internacional, ela começou antes da pandemia e terminou exatamente em meio a ela. Transitei em algumas áreas internacionais de aeroportos e passei a perceber detalhes aos quais nunca havia prestado atenção: na entrevista de imigração, lá estava ela, a boa e velha leitora de impressões digitais.

Fiquei observando a enorme quantidade de pessoas de diversos países apresentando suas digitais sobre a superfície acrílica, onde o Corona vírus pode manter-se ativo por mais de um dia e, mesmo em meio à pandemia, os agentes de imigração não se mostraram muito preocupados em higienizar o equipamento.

Logo mais à frente, um agente solicitava a remoção das máscaras de todos os passageiros que às utilizavam, motivo: o reconhecimento facial não consegue fazer seu trabalho quando as pessoas cobrem a face com a máscara.

Comparando esta experiência com o ambiente corporativo, observamos que os equipamentos que utilizamos também podem ser pontos de transmissão de vírus e bactérias entre as pessoas que circulam nos ambientes da empresa, tanto os funcionários quanto os clientes que a visitam.

Como as barreiras físicas como catracas e portas são de passagem obrigatória, todos serão submetidos ao risco, mas, o que pode ser feito para reduzir estes pontos de contágio nos ambientes em que somos responsáveis sem abrir mão da segurança?

Barreiras físicas na transmissão do vírus

No que tange às barreiras físicas, podemos destacar dois pontos críticos de transmissão: a leitura biométrica que na maioria das vezes depende do contato físico e o acionamento do bloqueio físico (girar a catraca, abrir a porta). Para o acionamento, a solução é de certa forma óbvia: utilizar acionamentos automáticos, como as catracas motorizadas como as “asas de anjo” ou ainda com o conceito “free flow” que permanecem sempre abertas, fechando apenas quando uma pessoa não autorizada é detectada.

Em ambientes restritos onde as catracas não são aderentes, a utilização de portas automáticas fará o papel de controle de acesso sem que as pessoas necessitem tocar nelas.

Mas, como responsáveis pela gestão dos ambientes, talvez fazer a perguntão não óbvia possa nos trazer respostas ainda mais interessantes: a barreira física é mesmo necessária?

Muitas vezes, os conceitos de “controle de acesso” e “controle de presença” são confundidos, em casos onde não há necessidade de restrição de acesso, como em áreas comuns ou grandes áreas fabris, é possível a utilização de tecnologias de reconhecimento para o controle de presença.

Estes equipamentos são especialmente úteis em empresas que desejam controlar o tempo de permanência de seus colaboradores em áreas de recreação ou quando é necessário controlar de forma mais eficaz possíveis evacuações das edificações, como em de refinarias ou barragens. Para esta aplicação, as melhores soluções estão no ramo de IPS (Indoor Positioning System) ligadas aos smartphones e o reconhecimento facial, que dispensarão a barreira física e poderão emitir alertas quando detectarem divergências.

Como por exemplo uma pessoa cujo Treinamento de Segurança esteja desatualizado, podendo ser abordada pela equipe de segurança que tratará o incidente, evitando a implantação de barreiras físicas e consequentemente o contato com estes equipamentos.

Contato com os equipamentos durante a identificação do acesso

Mesmo após um bom trabalho removendo as barreiras físicas não essenciais, chegaremos nos pontos onde elas serão indispensáveis, como na entrada da empresa ou no acesso a áreas de pesquisa e desenvolvimento. Neste momento, várias soluções disponíveis disputam espaço, desde as tradicionais chaves até os equipamentos com reconhecimento biométrico. E é na linha do reconhecimento biométrico que encontramos as inovações que podem fazer total diferença nas empresas.

Impressão digital sem toque

Recentemente, grandes empresas do mercado passaram a oferecer soluções “touchless” para o reconhecimento biométrico. Estas soluções conseguem identificar usuários tão rápido quanto as leitoras tradicionais de biometria, e possuem duas grandes vantagens: elas realizam a leitura das impressões digitais a distância, sem que a pessoa encoste no sensor, e ainda permitem leitura de múltiplos dedos, aumentando consideravelmente a confiabilidade do sistema de reconhecimento biométrico e reduzindo possíveis pontos de transmissão de vírus e bactérias.

Os fabricantes têm adotado uma dentre três tipos diferentes de tecnologia para possibilitar uma leitura rápida e confiável: Leitura de imagens por câmera, sensores ultrassônicos ou laser. Estes sistemas possibilitam segurança e requinte, possibilitando a utilização em áreas estratégicas da empresa, como salas de reunião ou áreas de acesso à diretoria/presidência.

Leitura de íris não invasiva vírus

A leitura de íris é umas das formas de identificação biométrica que mais causam impacto, principalmente devido a toda esfera criada pelos filmes de ficção que demonstravam este tipo de identificação.

E não é para menos, a íris é uma biometria muito mais difícil de ser copiada quando comparada à impressão digital, a íris de um cadáver não pode ser reutilizada, é impossível de modificar por cirurgias plásticas, possui cerca de 400 pontos de verificação e sua probabilidade de duplicação biológica (duas pessoas que nasceram com a mesma íris) é menor do que 1/1072 (um para dez elevado a 72ª potência), ou seja, é praticamente impossível encontrar dois seres humanos com a mesma íris no mundo.

Apesar disso, os leitores de íris ainda não são largamente utilizados pois o processo de leitura era extremamente complexo e muitas vezes invasivo, sendo necessário posicionar os olhos em uma máquina que realizava leitura a laser.

Nos últimos anos este cenário mudou, vários fabricantes já disponibilizam no mercado equipamentos com leitores não invasivos, sendo utilizados em dispositivos móveis como celulares, e já está disponível também para o mercado de acesso e segurança física.

Esta tecnologia ainda está ganhando seu espaço, com poucos fabricantes disponíveis no mercado, mas já podemos considerá-la mais segura do que as impressões digitais, além de possibilitar a leitura a até três metros de distância do sensor independente do uso de máscaras, sendo, portanto, uma ótima alternativa para controle de acesso “anti covid 19”.

O reconhecimento facial parcial vírus

Como mencionado, mesmo o reconhecimento facial pode sofrer em épocas de pandemia. Como o reconhecimento utiliza pontos do rosto, muitos dos quais são escondidos quando utilizamos uma máscara higiênica, esta tecnologia passou a depender da remoção das máscaras para utilização eficaz.

O processo de remoção da máscara pode acabar contaminando-a, pode possibilitar que o vírus depositado nas mãos tenha contato com o rosto ou ainda que as mãos sejam contaminadas pelo vírus que está na máscara, caso a pessoa que está utilizando a máscara já esteja contaminada por exemplo. Este processo reduz a eficácia do uso da máscara, tornando impossível a utilização em hospitais, clínicas, centros de pesquisa, laboratórios e todos os demais ramos que exigem este tipo de EPI.

A novidade aqui é que China, primeiro país a registrar casos do novo Coronavírus é também um dos países que mais utilizam o reconhecimento facial no mundo, portanto foi também o primeiro país a se deparar com a dificuldade de leitura de pessoas vestindo as máscaras.

Ao perceber a dificuldade gerada pelo uso de máscaras, imediatamente iniciou pesquisas para alterar os mecanismos de reconhecimento e já possui algoritmos que permitem acerto de 95% das amostras de pessoas com máscara, sem a necessidade de alteração dos equipamentos de leitura. Ainda há um longo caminho para alcançar os 99,5% que a tecnologia apresenta para as amostras de pessoas sem a máscara, mas já é suficientemente confiável para ambientes com alta aglomeração.

O momento pós pandemia

Enquanto estamos em meio ao surto de vírus, com uma quantidade crescente de casos a cada dia, é difícil imaginar como seremos após o término desta terrível situação, fato é que precisaremos aprender com a crise e mudar nossas formas de interação.

Mesmo após a liberação de uma vacina contra este vírus, novas ameaças à nossa saúde surgirão, vírus e bactérias estão presentes em nosso mundo e podem sofrer mutações a qualquer tempo, tornando-se letais ou danosos à nossa saúde.

Podemos considerar que o reconhecimento facial e as demais tecnologias de identificação “sem toque” são tecnologias viáveis para enfrentar os desafios que surgirão nos próximos meses, quando será necessário retomar as atividades econômicas com a menor probabilidade possível de contágio das pessoas presentes em nossas empresas.

E também para os momentos pós pandemia, quando teremos uma crescente solicitação de soluções que evitem a transmissão de vírus e bactérias entre as pessoas que transitam em qualquer local físico, como gestores de segurança, devemos estar atentos a estas tecnologia e antecipar as tendências, para atender às necessidades que surgirão em nossas empresas.

Tecnologia de biometria garante mais segurança ao Programa de Auxílio Emergencial

Ransomware evoluído de dupla extorsão chega aos hospitais aproveitando-se da COVID-19

Empresa de telemedicina aumentou em 10 vezes o número de atendimentos desde o início da pandemia

Herta lança nova tecnologia que permite a identificação facial mesmo com uma máscara

Tecnologia de biometria garante mais segurança ao Programa de Auxílio Emergencial

Reconhecimento facial nas escolas americanas

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID vírus

contato@cryptoid.com.br  
+55 11 3881 0019