Últimas notícias

Fique informado

Os benefícios da terceirização da cibersegurança

13 de dezembro de 2022

Spotlight

Resiliência cibernética: Insights para o Board, CEO, CIO e CISOs

Leonardo Ferreira nesse artigo oferece uma visão abrangente e atualizada sobre o cenário da segurança cibernética.

28 de fevereiro de 2024

Como o Tether (USDT) se tornou a principal criptomoeda no Brasil 

No dinâmico cenário das criptomoedas em 2023, o Tether (USDT) conquistou a posição de destaque como a principal escolha entre os brasileiros.

23 de fevereiro de 2024

Entrevista com Marco Zanini, CEO da DINAMO Networks, sobre sigilo e assinatura digital

O CEO da DINAMO Networks, Marco Zanini, destacou o sigilo e as assinaturas digitais, além de abordar os principais marcos de 2023 e expectativas para 2024

19 de fevereiro de 2024

FIDO redefine a segurança online com a autenticação sem senhas

As senhas perduram, apesar do crescente consenso de que seu uso precisa ser reduzido, se não substituído.

16 de fevereiro de 2024

1º Insurance Mega Trends

O evento Insurance Mega Trends trará as principais tendências em seguros com personalidades nacionais e internacionais.

15 de fevereiro de 2024

Open Finance, ou Sistema Financeiro Aberto, e suas variações por setor econômico. Por Susana Taboas

Sistema Financeiro Aberto permite que as empresas e os indivíduos acessem dados financeiros de diversas fontes em um único lugar.

6 de fevereiro de 2024

Uso de assinaturas eletrônicas cresce 140% e deve chegar a 2 milhões/mês

Dados da ZapSign mostram ainda que adoção de assinaturas eletrônicas por empresas quase dobrou no ano de 2023

29 de janeiro de 2024

eIDAS – REGULAMENTO (UE) N.o 910/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

eIDAS – REGULAMENTO (UE) Nº 910/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

20 de outubro de 2020

A organização evita que falhas apareçam tanto nas suas ações habituais, como em momentos difíceis, a exemplo dos incidentes de cibersegurança

Por Denis Riviello

A organização evita que falhas apareçam tanto nas suas ações habituais, como em momentos difíceis, a exemplo dos incidentes de cibersegurança
Denis Riviello, Head de Cibersegurança da Compugraf

Nos últimos anos, a preocupação com a segurança cibernética nas empresas deixou de ser uma opção e se tornou uma verdadeira necessidade, independente do segmento que a corporação pertença.

Podemos ver esse movimento em uma pesquisa do Gartner, que revela que 88% dos conselhos de administração vêem o tópico como um risco de negócio.

Além disso, dados da Global Digital Trust Insights Survey ainda revelam que 83% das companhias brasileiras estimam um crescimento nos gastos com esse tema em 2022, valor 14% maior do que a expectativa mundial.

Dentro desta seara de investimentos, há algumas vias de como estruturar uma estratégia de cibersegurança. Uma boa parte das marcas opta pela atuação de uma frente terceirizada, que é especializada no assunto.

Definitivamente, é um movimento inteligente no que diz respeito a colher todas as vantagens que a proteção no meio digital pode oferecer para o cenário corporativo nos dias atuais, seja pela eficiência, custo-benefício ou facilidade de adaptação às atividades da organização.

É importante destacar que essa alternativa não é melhor ou pior do que investir em uma equipe interna para lidar com a segurança cibernética da empresa, especialmente dependendo do perfil e porte da companhia, do fator de exposição, do BIA (Business Impact Analisys) e dos prós e contras que a liderança está disposta a enfrentar.

Por isso, é essencial que o grupo empresarial faça uma análise dos riscos a que está exposto, definindo depois disso qual e quanto de esforço deve dedicar ao tema.

Quando se investe internamente nesse quesito, já é esperado que o time tenha uma atuação muito mais alinhada e direcionada ao tipo de negócio da marca; afinal, em teoria, possui total familiaridade e vivência tanto nos processos de cibersegurança, como no dia a dia da organização.

Contudo, há alguns aspectos nessa escolha que podem trazer determinadas dificuldades extras, como: questões trabalhistas, a especialização necessária aos colaboradores, a escassez de mão de obra e o custo da operação. 

Por outro lado, em um modelo terceirizado a expectativa é que esta capacitação esteja embutida no contrato, no qual o capital intelectual é repassado para profissionais já preparados e 100% focados em identificar e tratar as ameaças cibernéticas.

Isso faz com que a empresa contratante esteja à frente da sua concorrência em relação à conscientização sobre a segurança cibernética, criando uma maturidade antecipada em como reagir a possíveis sinais de ataques no meio digital.

Em outras palavras, a companhia consegue adquirir rapidamente a visibilidade dos riscos a que está exposta e suas vulnerabilidades técnicas, uma vez que o trabalho preliminar à implementação de um programa de proteção é realizado de acordo com cada objetivo de negócio.

Com isso, o investimento permite que marcas das mais diversas áreas se blindem de crimes cibernéticos dentro de políticas e normas de especificidades, sem precisarem se desdobrar em uma jornada longa de readaptação.

Ainda vale frisar que as empresas que contratam serviços terceirizados não só estão validando internamente todas as suas atividades, mas também possuem essa aprovação por uma organização externa e que está atualizada com os movimentos do mercado.

Dessa maneira, a organização evita que falhas ocultas apareçam tanto nas suas ações habituais, como em momentos difíceis, a exemplo dos próprios incidentes de cibersegurança.

Portanto, a terceirização da proteção cibernética é uma via excelente para garantir uma equipe dedicada e especializada para o tópico sem surpresas.

As empresas que prestam esses serviços são formadas por profissionais que vivem o ambiente corporativo real, tratando a segurança contra ameaças digitais como um assunto de extrema importância para cada cliente.

Logo, é uma estratégia que mescla à perfeição a prevenção contra um problema muito atual ao crescimento ininterrupto no mercado.

A importância das pequenas empresas repensarem a estratégia de cibersegurança

Como a tecnologia 5G pode impactar na cibersegurança

Como fortalecer a cibersegurança do varejo durante as vendas de fim de ano

SOBRE CRYPTO ID

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Desde 2014 levamos as melhores e mais atualizadas informações sobre o mercado brasileiro e internacional de segurança digital para mais de 2 milhões de usuários únicos por ano.

As empresas que nos apoiam contribuem para a construção de um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!