Últimas notícias

Fique informado

A importância das pequenas empresas repensarem a estratégia de cibersegurança

28 de novembro de 2022

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

O cibercrime pode ser um problema para as empresas e os ataques crescem à medida que os cibercriminosos reconhecem a vulnerabilidade

Por Jeferson Propheta

Jeferson Propheta, Regional Sales Director at CrowdStrike

O cibercrime pode ser um grande problema para as pequenas e médias empresas e os riscos de ataques crescem à medida que os cibercriminosos reconhecem a vulnerabilidade dos dados e sistemas.

Os invasores de hoje estão de olho em pequenas e médias empresas (PMEs) e organizações sem fins lucrativos – e as consequências dessa busca podem expor informações sigilosas e comprometer anos de trabalho.

Segundo dados da Checkpoint Research, uma em cada 40 organizações são vítimas de ataques cibernéticos por semana no mundo.

A América Latina é a região com mais ataques registrados: uma em cada 23 organizações são atacadas por semana.

Os problemas relacionados à segurança digital aumentaram bastante nos últimos três anos.

Empresas dos mais variados tamanhos foram forçadas a mudar prioridades durante a pandemia.

O setor viu a transição para o trabalho remoto e as superfícies de ciberataques deixaram muitos grupos mais vulneráveis.

E os negócios menos preparados para esse cenário passaram a temer ainda criminosos que já investiram contra grandes varejistas.

E não importa o tamanho da empresa, todas mantêm dados confidenciais valiosos: registros de funcionários e clientes, propriedade intelectual, dados de transações financeiras e acesso a finanças empresariais.

Diante desse cenário, as PMEs precisam atualizar as suas estratégias de segurança para se prevenir e se defender das ameaças atuais, principalmente porque as organizações menores geralmente não têm uma equipe de segurança cibernética dedicada, tecnologia de segurança moderna, habilidades e os recursos necessários para se defender contra ameaças avançadas.

Além disso, como o dado é responsabilidade da empresa que o detém, se houver algum vazamento, devido à LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados Pessoais), todas as empresas podem ser multadas em até 2% do faturamento, e esse valor pode chegar a R$50 milhões.

Muitas pequenas empresas estão cientes dos riscos de segurança cibernética e instalam ferramentas antivírus para manter os cibercriminosos afastados.

Porém, esses produtos não são suficientes para ameaças de engenharia humana, como ataques sociais, nos quais um alvo é manipulado para dar ao invasor o que ele deseja, ou ataques baseados em identidade nos quais os invasores usam identidade roubada e informações de conta para acessar sistemas e recursos enquanto aparecem como usuários legítimos.

Só para dar uma ideia, o relatório Falcon OverWatch Threat Hunting de 2022, da CrowdStrike, descobriu que 71% das violações eram livres de malware, o que ressalta a prevalência de ataques mais sutis e a crescente preferência dos cibercriminosos por técnicas que evitam produtos de software antivírus.

Depois de se estabelecer em seu ambiente, os invasores podem se mover por toda a organização para comprometer sistemas adicionais, exfiltrar dados, lançar um ataque de ransomware ou realizar outras ações.

Isso é possível com o uso de credenciais de funcionários legítimos ou explorações de vulnerabilidades não corrigidas.

Algumas práticas recomendadas para fortalecer suas defesas de segurança:

Reforce a autenticação multifator – A autenticação fornece uma camada extra de defesa para que você tenha certeza de que se trata de um funcionário e não um invasor obtendo acesso a sistemas e recursos.

Faça backups regulares – Se uma violação atingir sua pequena empresa, você ficará feliz por ter feito backup de seus dados no local ou na nuvem.

Um invasor pode criptografar backups se obtiver acesso aos sistemas, por isso é fundamental criar uma defesa forte.

Acompanhe os patches – As violações de dados geralmente começam quando um invasor explora uma vulnerabilidade não corrigida.

Manter o software atualizado garante que esse vetor seja bloqueado.

Invista em uma proteção de segurança cibernética – Busque por produtos e serviços que caibam em seu orçamento, tendo em mente que a prevenção sempre gera menos custos do que uma defesa a um ataque que já ocorrido.

E lembre-se: o que livra uma empresa de perder dinheiro diante um ataque é a capacidade que ela tem de responder ao incidente antes que chegue ao usuário ou seu consumidor final, e, para isso, é preciso estar munido e protegido.

Sobre CrowdStrike

A CrowdStrike, líder global em segurança cibernética, redefiniu a segurança moderna com uma das plataformas nativas de nuvem mais avançadas do mundo para proteger áreas críticas de risco corporativo – endpoints e cargas de trabalho em nuvem, identidade e dados. Alimentada pela CrowdStrike Security Cloud, a plataforma CrowdStrike Falcon® utiliza indicadores em tempo real de ataque, inteligência de ameaças, negociação de adversários em evolução e telemetria enriquecida de toda a empresa para fornecer detecções hiperprecisas, proteção e remediação automatizadas, caça de ameaças de elite e priorização observabilidade de vulnerabilidades.

O que faz o profissional de pentest e por que ele se tornou peça-chave na cibersegurança das empresas

5 Tendências em cibersegurança e como elas podem proteger as empresas

Cibersegurança é pré-requisito para empresas sustentáveis, empenhadas em cumprir as métricas de ESG

Em grandes empresas, CISOs e lideranças focadas em cyber assumem papeis estratégicos, indica Pesquisa Tempest de Cibersegurança

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Com uma década de existência, temos um público de cerca de 2 milhões de leitores por ano.

As empresas que nos apoiam e nossos colunistas ajudam a criar um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!

Você quer acompanhar nosso conteúdo? Então siga nossa página no LinkedIn!