Últimas notícias

Fique informado

Por que os tokens podem servir como hedge contra a inflação no mercado brasileiro?

18 de julho de 2022

Spotlight

Heather Vescent, pensadora e futurista do setor de identidade digital fala sobre ID no Metaverso

“Estamos começando a ver empresas de identidade digital aplicarem suas soluções para um mercado metaverso. Faz sentido resolver os casos de uso de hoje e planejar um mercado futuro”

9 de agosto de 2022

Telecomunicações, a raiz para os desafios de segurança cibernética

Alguns dos maiores golpes de inteligência artificial da história foram resultado do comprometimento dos sistemas de telecomunicações

8 de agosto de 2022

O que é criptografia assimétrica – ID Plus #10

No Id Plus dessa semana, a equipe de redação te explica o que é a criptografia assimétrica e como ela se aplica em nosso cotidiano

8 de agosto de 2022

FEBRABAN TECH traz renomados keynotes internacionais e nacionais para a edição 2022

Ban Ki-moon, Paul Krugman, Makaziwe Mandela, Ilan Goldfajn, Roberto Campos Neto e o ex-jogador Cafu estão entre os destaques do tradicional evento de tecnologia, que ocorre de 9 a 11 de agosto, na Bienal de São Paulo

3 de agosto de 2022

CISO Forum Brazil 2022 acontece 100% on line com o apoio do CRYPTO ID

CISO Forum Brazil 2022, a ser realizado nos dias 18, 19 e 20 de outubro de 2022 de forma 100% online.

25 de julho de 2022

Graças ao avanço das soluções digitais, alguns criptoativos, principalmente os tokens, também servem como proteção do dinheiro

Por Daniel Carius

Daniel Carius é COO da Ribus, plataforma de integração blockchain voltada ao mercado imobiliário – e-mail: ribus@nbpress.com

Independentemente da classe social ou do poder aquisitivo, a inflação alta voltou a ser um incômodo para a maioria das famílias brasileiras.

No supermercado, no combustível dos veículos e em diferentes serviços no país, os preços subiram consideravelmente – enquanto a renda da maioria das pessoas não acompanhou esse aumento.

Entretanto, há formas de se precaver contra esse cenário econômico adverso por meio dos hedges, ativos financeiros que não são impactados pela alta de preços.

Graças ao avanço das soluções digitais, alguns criptoativos, principalmente os tokens, também servem como proteção do dinheiro.

Diversos levantamentos mostram que essa preocupação realmente se faz necessária no Brasil. O Relatório Focus de maio de 2022, publicado pelo Banco Central, projeta que a inflação para esse ano deve ser de 7,89%. Foi a 16ª alta consecutiva na revisão desse indicador.

Além disso, a prévia da inflação oficial do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA 15) mostra em maio de 2022 um aumento de 12,2% nos últimos 12 meses.

Por fim, entre os membros do G20 (as 20 maiores economias do planeta), o Brasil tem o quarto pior índice de inflação, à frente apenas de Venezuela, Argentina e Rússia.

Mas onde entra os criptoativos nessa história? Simples, pela própria característica deles em relação às moedas fiduciárias e ao processo de inflação. O principal problema do dinheiro tradicional (isto é, real, dólar, euro, etc.) com o aumento de preços é justamente o fato de ser impresso.

Quando precisa, o governo federal vai lá e imprime. Chega uma hora que a conta não bate e, com isso, o dinheiro em circulação perde o valor de compra.

Os tokens são justamente o contrário: os principais são limitados. Ou seja, eles não podem ser criados sempre que alguém quiser. Só estão disponíveis aqueles que já circulam no ambiente digital.

Assim, em vez de perder valor porque a oferta é abundante, os ativos digitais se valorizam porque são escassos.
Essa situação leva à primeira característica fundamental para os tokens se posicionarem como um importante hedge contra a inflação.

O valor deles não depende da inflação ou de outros fatores macroeconômicos, como a taxa Selic. Os preços dos produtos e serviços podem continuar subindo que isso não impactará em nada os criptoativos.

Por serem limitados, o que determina o valor é justamente a sua procura e importância no ambiente digital. É diferente, por exemplo, de ativos financeiros tradicionais, que costumam estar atrelados à variação desses indicadores.

Além disso, os principais tokens disponíveis também possuem uma característica fundamental: são de utilidade. Isto é, além de terem um valor em si, eles dão acesso a diferentes funcionalidades ou até bens dentro de um ecossistema em suas transações.

Dessa forma, também servem como moeda de troca para empresas, possibilitando que as pessoas adquiram diferentes produtos e serviços.

No mercado imobiliário, por exemplo, esses criptoativos permitem que a pessoa possa contratar pedreiros, engenheiros, advogados, entre outros prestadores num valor que independe da inflação.

Quem não gostaria de poder contratar serviços sem imaginar se o preço dele vai mudar ou não ao longo do tempo, não é mesmo?

Se a transformação digital está alterando a forma como as pessoas convivem com diferentes setores da economia, era natural que provocaria mudanças também em nossa relação com o dinheiro.

Os tokens surgiram justamente com esse propósito, permitindo que as pessoas possam comprar, investir e pagar sem ter que depender das moedas tradicionais. Em um cenário econômico incerto provocado pela inflação, fica evidente as vantagens desse novo modelo para as pessoas e empresas.

Os criptoativos, portanto, não são mais o futuro, mas um presente cada vez mais consolidado e real para todos.

Sobre a Ribus  

Criada em 2021, a partir da parceria entre profissionais reconhecidos no universo de criptoativos no Brasil, com empresas consolidadas no ramo imobiliário, a Ribus surge para facilitar o acesso a esse mundo imobiliário a partir dos utility tokens. A missão é desmistificar os dogmas implantados pelo ambiente convencional de aplicações no setor imobiliário. Para isso, possui o utility token RIB, que concede diferentes produtos e serviços para o seu usuário. Para saber mais, acesse: https://ribtoken.com.br/ 

O cinema e o universo cripto: cinco indicações de filmes e um bônus

Blockchain além do Bitcoin

Especialista explica o impacto da inflação americana no mercado de criptomoedas

O que é Criptografia?

Temos muitos artigos sobre criptografia publicados em nossa coluna especial!

Abaixo apresentamos os principais conceitos, mas se você é um especialista em criptografia não deixe de ler o artigo: NIST anuncia de 5 de julho de 2022 os primeiros quatro algoritmos criptográficos resistentes ao computador quântico.

Criptografia é uma ciência secular que utiliza a cifragem dos dados para embaralhar as informações de forma que apenas os que detém a chave para decriptografar os dados tenham acesso à informação original.

Criptografia Simétrica utiliza uma chave única para cifrar e decifrar a mensagem. Nesse caso o segredo é compartilhado.

Criptografia Assimétrica utiliza um par de chaves: uma chave pública e outra privada que se relacionam por meio de um algoritmo.  O que for criptografado pelo conjunto dessas duas chaves só é decriptografado quando ocorre novamente o match.  

Criptografia Quântica utiliza algumas características fundamentais da física quântica as quais asseguram o sigilo das informações e soluciona a questão da Distribuição de Chaves Quânticas – Quantum Key Distribution.

Criptografia Homomórfica refere-se a uma classe de métodos de criptografia imaginados por Rivest, Adleman e Dertouzos já em 1978 e construída pela primeira vez por Craig Gentry em 2009. A criptografia homomórfica difere dos métodos de criptografia típicos porque permite a computação para ser executado diretamente em dados criptografados sem exigir acesso a uma chave secreta. O resultado de tal cálculo permanece na forma criptografada e pode, posteriormente, ser revelado pelo proprietário da chave secreta.

Leia artigos sobre CRIPTOATIVOS aqui no Crypto ID.