Últimas notícias

Fique informado

Riscos ambientais e cibernéticos ofuscados por preocupações econômicas de curto prazo para líderes empresariais do G20

9 de novembro de 2022

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Apesar da crescente ameaça de ataques cibernéticos, este e outros riscos tecnológicos estão entre os cinco menos citados este ano

O impacto da rápida inflação, das crises de dívida e do custo de vida são as maiores ameaças para fazer negócios nos próximos dois anos nos países do G20, de acordo com novos dados do Fórum Econômico Mundial.

Os resultados da Executive Opinion Survey, deste ano, que obteve a opinião de mais de 12.000 líderes empresariais de 122 países entre abril e agosto de 2022, vem antes da COP27 no Egito e da cúpula do G20 na Indonésia no final deste mês. 

De acordo com os resultados da pesquisa, a interligação de riscos econômicos, geopolíticos e sociais está dominando o cenário de risco entre os líderes empresariais do G20, à medida que eles continuam a lidar com preocupações imediatas em torno de turbulências significativas no mercado e intensificação dos conflitos políticos.

A inflação rápida e/ou sustentada é o risco mais comum citado nos países do G20 pesquisados este ano, com mais de um terço (37%) dos países do G20 identificando-a como uma das principais preocupações, seguida conjuntamente por crises da dívida e por crises do custo de vida (21%).

O confronto geoeconômico foi identificado como o principal risco por dois países do G20.

Outros entrevistados referiram o potencial de colapso do Estado e a falta de serviços digitais generalizados e desigualdade digital como principais preocupações.

Os resultados deste ano contrastam fortemente com os resultados de 2021, particularmente em áreas-chave, como o risco tecnológico e ambiental.

Apesar do aumento das pressões ambientais e do aumento da regulação ambiental nos últimos 12 meses – e de ajustes na lista de riscos pesquisados este ano em resposta à evolução das tendências econômicas, geopolíticas e ambientais -, as questões ambientais apresentaram-se significativamente mais baixas como um dos cinco principais riscos para os países do G20 no relatório deste ano, em comparação com 2021.

Além disso, apesar da crescente ameaça de ataques cibernéticos à infraestrutura crítica, este e outros riscos tecnológicos estão entre os cinco riscos menos citados este ano. 

De forma mais ampla, os resultados também destacam variações regionais acentuadas entre as economias avançadas e os mercados emergentes.

Embora os riscos econômicos associados à inflação rápida e/ou sustentada tenham sido identificados como o principal risco pelos entrevistados na Europa, América Latina e Caribe, e leste da Ásia e Pacífico, preocupações sociais associadas à crise do custo de vida dominada no Oriente Médio e África e África Subsaariana.

Na Ásia Central e no Sul da Ásia, os conflitos interestaduais e as crises da dívida superaram as preocupações, respectivamente. 

Carolina Klint, Risk Management Leader, da Marsh Europa Continental, disse: “Os líderes empresariais do G20 estão justamente focados nos riscos econômicos e geopolíticos imediatos e urgentes que estão enfrentando agora. No entanto, se eles estão ignorando grandes riscos tecnológicos, isso pode criar futuros pontos cegos, deixando suas organizações expostas a graves ameaças cibernéticas que poderiam afetar seriamente seu sucesso a longo prazo.

Peter Giger, Group Chief Risk Officer, Zurich Insurance Group, disse: “Após um salto de 2 bilhões de toneladas em 2021, o aumento das emissões globais de CO2 este ano é muito menor — perto de 300 milhões de toneladas. Isso se deve ao crescimento do uso de energia renovável e veículos elétricos. Apesar desses desenvolvimentos positivos, ainda não estamos no caminho certo para atingir a meta de 1,5°C. A transição para o net-zero caiu muito nas agendas de curto prazo de muitos líderes empresariais. No entanto, os impactos das mudanças climáticas são de curto e longo prazo. Mesmo no atual e economicamente desafiador ambiente geopolítico, precisamos nos concentrar na construção de um sistema de energia mais limpo, mais acessível e mais seguro, se esperamos manter um futuro net-zero ao alcance.”

Executive Opinion Survey é realizada pelo Centro do Fórum Económico Mundial para a Nova Economia e Sociedade.

A Marsh McLennan e Zurich Insurance Group são parceiros do Centro e do Global Risks Report series.

Sobre Zurich Insurance Group

O Zurich Insurance Group (Zurich) é um segurador líder multilinha que serve tanto pessoas físicas como empresas em mais de 210 países e territórios.

Fundada há 150 anos, a Zurich vem transformando o setor segurador.

Além de fornecer proteção por meio dos seguros, a Zurich disponibiliza cada vez mais serviços de prevenção, como por exemplo os serviços que promovem o bem-estar e os que reforçam a resiliência climática.

O Grupo Zurich tem cerca de 56 mil colaboradores e tem sede em Zurique, na Suíça.

O Zurich Insurance Group Ltd (ZURN) está cotado na SIX Swiss Exchange e tem um programa de American Depositary Receipt (ZURVY) de nível I, que é negociado livremente no OTCQX. 

Sobre a Marsh McLennan

Marsh McLennan (NYSE: MMC) é uma empresa de serviços profissionais e líder mundial nas áreas de risco, estratégia e pessoas.

Os 86.000 colegas da empresa aconselham clientes em mais de 130 países.

Com receita anual de US$ 20 bilhões, a Marsh McLennan ajuda os clientes a navegar em um ambiente cada vez mais dinâmico e complexo por meio de quatro empresas líderes de mercado.

A Marsh assessora clientes corporativos e individuais de todos os tamanhos em corretagem de seguros e soluções inovadoras de gestão de risco.

A Guy Carpenter desenvolve estratégias avançadas de risco, resseguro e capital que ajudam os clientes a crescer de forma lucrativa e buscar oportunidades emergentes.

A Mercer oferece consultoria e soluções para ajudar as organizações a reformular o trabalho, a aposentadoria, os investimentos e os resultados de saúde para uma força de trabalho em constante mudança. 

Oliver Wyman atua como um consultor estratégico, econômico e de marca para o setor privado e também clientes governamentais. 

Para mais informações, visite marshmclennan.com, siga-nos no LinkedIn e Twitter ou assine o BRINK.

Em reunião do G20, secretário defende cooperação na área de pesquisa e desenvolvimento em tecnologias digitais

24 países, inclusive o Brasil, assinam plano comum para a livre partilha de dados

Gartner destaca três diretrizes que os líderes de segurança devem observar para acompanhar a evolução da segurança cibernética

Em grandes empresas, CISOs e lideranças focadas em cyber assumem papeis estratégicos, indica Pesquisa Tempest de Cibersegurança

Você quer acompanhar nosso conteúdo? Então siga nossa página no LinkedIn!