Últimas notícias

Fique informado

ABES apresenta tendências para o mercado brasileiro de software em 2023

15 de março de 2023

Spotlight

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

 ABES anuncia aliança estratégica com a Embrapii

O apoio financeiro à inovação realizado por organizações como a Embrapii representa um importante estímulo ao desenvolvimento tecnológico

6 de outubro de 2022

ABES remove mais de 115 mil conteúdos ilegais na internet em 2021

A ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software removeu da web, no ano de 2021, 115.485 anúncios, links e sites com conteúdos que davam acesso a arquivos que violam o Direito Autoral.

3 de outubro de 2022

ABES promove debate sobre as Linhas de crédito Finep para projetos de inovação no segmento de software

A ABES reuniu especialistas em webinar que discutiram, entre diversos assuntos, quais linhas de crédito melhor se adequam a projetos do setor

13 de junho de 2022

O total aplicado se distribui em 26% para o mercado de software, 19,5% para o mercado de serviços e 54,6% para o mercado de hardware


A ABES — Associação Brasileira das Empresas de Software apresentou hoje, durante webinar aberto ao público em seu canal no YouTube, o Estudo Mercado Brasileiro de Software — Panorama e Tendências 2023.

De acordo com dados da International Data Corporation (IDC) analisados pela ABES, o Brasil hoje manteve 1,65% dos investimentos em tecnologia em nível global, e 36% dos investimentos em toda a América Latina (contra 40% na pesquisa anterior).

Considerando o total de investimentos globais em tecnologia da informação (software, hardware e serviços) durante o ano de 2022 — que foi de US$ 3,11 trilhões, contra US$ 2,79 trilhões –, o Brasil caiu duas posições, figurando agora em décimo-segundo lugar neste ranking de investimentos, com US$ 45,2 bilhões aplicados e lidera na América Latina, cujo total de investimentos alcançou US$ 124 bilhões (contra US$ 115 bilhões em 2021).

O Brasil segue como referência entre os países considerados emergentes, apresentando maior maturidade em investimentos em TI — que prioriza os valores dedicados ao desenvolvimento de software e incremento da oferta de serviços.

O total aplicado se distribui em 26% para o mercado de software (U$ 11,7 bilhões), 19,5% para o mercado de serviços (U$ 8,8 bilhões) e 54,6% para o mercado de hardware (U$ 24,7 bilhões), o que mostra que o país caminha para a média global, cuja distribuição é de 28% em software, 26% em serviços e 45% em hardware.

Em nível nacional, a ABES aponta um ligeiro aumento da dispersão dos investimentos em TI pelo país, o que sinaliza que a tecnologia e inovação estão chegando em maior volume às regiões mais remotas do País.

Nas regiões Nordeste e Norte, o crescimento foi de 1%, enquanto na região Sul o aumento foi de 0,7%. Na região Centro-Oeste, a queda de participação no total dos investimentos em TI foi de 0,4%, e na região Sudeste, a queda foi de 0,5%.

“O crescimento do mercado de tecnologia, em nível global, foi de 7,4% em 2022. No mesmo período, o Brasil apresentou um crescimento de 3%, abaixo das expectativas de crescimento de até dois dígitos esperados, e diversos fatores contribuíram para este resultado. A Guerra da Ucrânia que não estava no radar, o alto impacto da inflação na Economia Global, que impacta investimentos no Brasil, a mais disputada eleição presidencial da história recente, a própria Copa do Mundo, a alta na taxa de juros, a volatilidade do dólar ao longo do ano, foram alguns dos fatores que contribuíram para este resultado inesperado de baixo crescimento. Outro ponto a se destacar foi a queda de investimentos em devices, como celulares e notebooks, que puxaram o percentual de crescimento para baixo. Contudo, pode parecer pouco, mas esse índice de 3% mostra uma positividade da indústria em continuar realizando investimentos em tecnologia. E a tendência, para 2023, é que haja um crescimento global na ordem de 4,5%, e o Brasil, mais deve apresentar um índice levemente acima da média, de 5,4%”, aponta Jorge Sukarie Neto, conselheiro da ABES. 

Confira outras tendências apresentadas em primeira mão pela ABES durante o evento:

5G: O novo core 5G foi projetado para ser cloud-native, com um núcleo e funções virtualizadas. A IDC acredita que, em 2023, haverá mais acordos entre Telcos e Cloud Providers para funções do core das redes e virtualização.

Nos próximos cinco anos, o consumo de nuvem pelo segmento de Telecom crescerá, em média, 35,2% em IaaS e 42,2% em PaaS anualmente.

Internet das Coisas (IoT): Impulsionado pelos gastos de IoT no Brasil, que devem chegar a R$ 11,2B em 2026, sendo 38% desse valor destinados a conectividade, o mercado de redes móveis privativas deve crescer acima de 35% ao ano neste período.

As oportunidades estarão concentradas em conectar com eficiência endpoints de IoT, dispositivos móveis corporativos, substituir a infraestrutura de rede, além de convergir e combinar meios.

Cibersegurança: A região da America Latina terá a segunda maior taxa de crescimento no planeta em 2023 em cibersegurança, chegando a 12,2% e perdendo apenas para a China.

Soluções de Cybersecurity Analytics, Intelligence, Response and Orchestration (CAIRO) terão o maior aumento de procura.

No Brasil, os gastos com soluções de segurança atingirão US$ 1,3B em 2023, com crescimento de 13% em relação a 2022.

Nuvem: Em 2023, os gastos com IaaS+PaaS passarão de US$ 4,5B no Brasil, avançando 41% YoY. Os gastos com infraestrutura em nuvem pública já corresponderão a pouco mais da metade dos gastos com infraestrutura digital (conjunto de recursos que habilitam a base da TI.

Entre eles temos nuvem pública, nuvem privada, serviços de Data Center, além de servidores e armazenamento adquiridos para uso em Data Centers, próprios ou contratados) em 2023.

Inteligência Artificial: A IA segue amadurecendo no Brasil e deve ultrapassar US$ 1B de gastos em 2023 — cerca de 33% YoY. Os gastos com soluções de automação inteligente (IPA) superarão US$ 214M em 2023 no Brasil, crescimento próximo de 17% sobre o ano anterior.

A íntegra do Estudo Mercado Brasileiro de Software — Panorama e Tendências 2022 está disponível para download neste link.

ABES remove mais de 60 mil conteúdos ilegais na internet em 2022

Fintech brasileira recebe certificação da Abes

ABES visita a Ministra do MCTI, Luciana Santos, o deputado Kim Kataguiri, e Maximiliano Martinhão, do MCom

Sobre a ABES     

ABES

A ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) tem como propósito contribuir para a construção de um Brasil mais digital e menos desigual, no qual a tecnologia da informação desempenha um papel fundamental para a democratização do conhecimento e a criação de novas oportunidades para todos. Nesse sentido, tem como objetivo assegurar um ambiente de negócios propício à inovação, ético, dinâmico, sustentável e competitivo globalmente, sempre alinhado a sua missão de conectar, orientar, proteger e desenvolver o mercado brasileiro da tecnologia da informação.

Atualmente, a ABES representa aproximadamente 2 mil empresas, que totalizam cerca de 85% do faturamento do segmento de software e serviços no Brasil, distribuídas em 24 Estados brasileiros e no Distrito Federal, responsáveis pela geração de mais de 210 mil empregos diretos e um faturamento anual da ordem de R$ 80 bilhões em 2020.