Últimas notícias

Fique informado

25% de profissionais de cibersegurança são mulheres, aponta BCG

15 de dezembro de 2022

Spotlight

Resiliência cibernética: Insights para o Board, CEO, CIO e CISOs

Leonardo Ferreira nesse artigo oferece uma visão abrangente e atualizada sobre o cenário da segurança cibernética.

28 de fevereiro de 2024

Como o Tether (USDT) se tornou a principal criptomoeda no Brasil 

No dinâmico cenário das criptomoedas em 2023, o Tether (USDT) conquistou a posição de destaque como a principal escolha entre os brasileiros.

23 de fevereiro de 2024

Entrevista com Marco Zanini, CEO da DINAMO Networks, sobre sigilo e assinatura digital

O CEO da DINAMO Networks, Marco Zanini, destacou o sigilo e as assinaturas digitais, além de abordar os principais marcos de 2023 e expectativas para 2024

19 de fevereiro de 2024

FIDO redefine a segurança online com a autenticação sem senhas

As senhas perduram, apesar do crescente consenso de que seu uso precisa ser reduzido, se não substituído.

16 de fevereiro de 2024

1º Insurance Mega Trends

O evento Insurance Mega Trends trará as principais tendências em seguros com personalidades nacionais e internacionais.

15 de fevereiro de 2024

Open Finance, ou Sistema Financeiro Aberto, e suas variações por setor econômico. Por Susana Taboas

Sistema Financeiro Aberto permite que as empresas e os indivíduos acessem dados financeiros de diversas fontes em um único lugar.

6 de fevereiro de 2024

Uso de assinaturas eletrônicas cresce 140% e deve chegar a 2 milhões/mês

Dados da ZapSign mostram ainda que adoção de assinaturas eletrônicas por empresas quase dobrou no ano de 2023

29 de janeiro de 2024

eIDAS – REGULAMENTO (UE) N.o 910/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

eIDAS – REGULAMENTO (UE) Nº 910/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

20 de outubro de 2020

Pesquisa mostra disparidade de mulheres entre profissionais de tecnologia, o que pode ser uma oportunidade para setor de cibersegurança

Apenas 25% das profissionais de tecnologia que trabalham com segurança cibernética são mulheres: a falta de diversidade no setor foi destacada no artigo “Empowering Women to Work in Cybersecurity Is a Win-Win“, do Boston Consulting Group.

Segundo a consultoria, 57% das organizações relatam que vagas de trabalho na área não foram preenchidas e que incentivo à entrada de mulheres nesse campo não só diminuiria a iniquidade de gênero no setor como também contribuiria para solucionar o gap de mão de obra especializada.

A pesquisa realizada pelo BCG, em parceria com a Ipsos, foi realizada em 26 países, com duas mil mulheres estudantes de graduação em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês), e teve como objetivo fornecer um entendimento sobre os potenciais desafios para as mulheres entrarem nas áreas de estudos STEM e seu interesse e percepções sobre as carreiras de cibersegurança.

Cerca de 78% das entrevistadas disseram que o interesse na área de exatas foi despertado no ensino médio, o que, de acordo com a análise do BCG, já é um ponto crítico.

Já 82% afirmaram ter algum ou muito conhecimento sobre segurança cibernética, mas 37% disseram encarar a profissão como difícil de proporcionar um bom equilíbrio entre vida pessoal e trabalho, de render um bom salário, e não veem como a área contribui com a sociedade.

A pesquisa do BCG mostrou, ainda, a importância de lideranças inspiradoras: para 70% das entrevistadas que afirmaram saber algo sobre segurança cibernética disseram ter uma pessoa como modelo, que as inspirou a se aprofundarem no assunto.

Obstáculo não é acesso, mas sim incentivo as mulheres

A análise do BCG sugere que não é o acesso à informação que impede mulheres de entrarem na área de cibersegurança, mas sim questões culturais e sociais, como as responsabilidades da vida doméstica, que limitam a capacidade dessas profissionais de se desenvolverem e alavancarem suas carreiras. 

Onde começa a mudança

Para mudar o cenário, o BCG faz algumas sugestões: 

  • Pipeline de talentos: dar às mulheres maior acesso à educação em segurança cibernética ampliaria o pipeline de talentos. Também é preciso despertar o interesse das meninas no ensino fundamental e desmistificar a carreira na área de segurança cibernética como exclusiva de homens e tecnologicamente elitista.
  • Recrutamento: é preciso garantir que as mulheres sejam incluídas e tratadas com igualdade, e evitar procurar pessoas semelhantes aos atuais funcionários — maioria formada por homens — o que pode excluir as mulheres, principalmente as mais jovens.
  • Retenção: o foco na retenção de mulheres na segurança cibernética deve abordar compensação, preconceitos de gênero e mais. A promoção de uma cultura no local de trabalho inclusiva e a implementação de políticas de diversidade, equidade e inclusão são os principais fatores para a retenção de funcionárias.
  • Avançar: Mover as pessoas para cargos de liderança — e fazê-lo de forma equitativa. Mentores são cruciais para o avanço delas para cargos de liderança em segurança cibernética e para ajudá-las a navegar no setor em geral e construir perspicácia nos negócios. 

Mulheres que constroem: dados mostram o impacto da diferença de gênero

Dia da Mulher: cresce número de mulheres na área de segurança privada em 2022

Área da tecnologia ganha presença de mulheres nos últimos anos

SOBRE CRYPTO ID

Somos o maior portal brasileiro sobre Criptografia e Identificação Digital.

Desde 2014 levamos as melhores e mais atualizadas informações sobre o mercado brasileiro e internacional de segurança digital para mais de 2 milhões de usuários únicos por ano.

As empresas que nos apoiam contribuem para a construção de um mundo digital mais seguro, confiável e tranquilo.

Acompanhe o Crypto ID nas redes sociais!