Últimas notícias

Fique informado

Entenda como o FBI busca Bitcoin dentro da deep web

13/07/2020

Um relatório preparado pela Federal Bureau of Investigation (FBI) foi vazado pelo “Blueleaks” junto com o grupo Anonymous. O relatório revela como o FBI rastreou criminosos na deep web que usavam Bitcoins, convertendo-o na criptomoeda Monero

O Documento

O documento vazado detalha três casos em que a exchange de criptomoedas “instantânea” MorphToken foi – provavelmente – usada para lavagem de Bitcoin de origem ilícita, sendo convertida em Monero; dois dos mercados da deep web foram nomeados no relatório, são eles: Apollon e Cryptonia.

Em janeiro de 2020, o FBI identificou usuários do mercado darknet vinculados ao Apollon que enviaram pelo menos 11 Bitcoin (no valor de aproximadamente R$542.000) ao MorphToken para conversão em Monero.

Como acontece o rastreamento?

Para rastrear o Bitcoin, o FBI usa uma “ferramenta de software própria” e, com ela, analisa transações na Blockchain. Essas análises são comparadas juntamente com a própria API (Interface de Programação Automática) do MorphToken, para monitorar as transações.

Além disso, eles também analisam as taxas das transações de Bitcoin realizadas na Cryptonia – um marketplace da darknet – e, de acordo com as taxas, conseguem descobrir se foram enviadas para a exchange MorphToken ou alguma outra.

Todas as análises feitas – que poderiam ser consultadas usando a API da exchange – entre maio e setembro de 2019, revelaram que em todas as transações os ativos foram enviados para endereços associados à MorphToken e convertidos para Monero.

Porque Monero?

O FBI apontou sobre postagens em fóruns na darknet que discutiam o uso dessas exchange como portais de conversão. A principal moeda de escolha dos criminosos é a Monero e tem o apelido de “criptomoeda do anonimato”. A MorphToken é uma das oito em destaque da criptomoeda nos fóruns na dark web.

O Relatório Crypto-Crime da Chainalysis observou que a Monero “pode se tornar a criptomoeda de escolha para mais criminosos em 2020”.

A Monero combina três tecnologias de privacidade: assinaturas de toque, transações confidenciais de toque (RingCT) e endereços únicos de carteira sigilosos. O efeito é tornar os usuários ilícitos da Monero não identificáveis.

A Monero pode ser rastreada?

Tom Robinson – Cientista-chefe da empresa de conformidade Elliptic

Tom Robinson, cientista-chefe da empresa de conformidade Elliptic, não acredita que seja possível furar o véu de sigilo da criptomoeda. O relatório avalia que, com o tempo os criminosos aumentarão a adoção de criptomoedas “anônimas”, como a Monero.

Em 2019, o FBI também identificou quatro fornecedores que enviaram Bitcoins oriundos de vendas de drogas para a MorphToken.

“Embora o MorphToken se ofereça para converter Bitcoin em cinco criptomoedas diferentes, em quase todas as conversões identificadas pelo FBI feitas por usuários do mercado darknet, o usuário converteu Bitcoins em Monero”, lê o relatório.

De acordo com a política do Bureau, o FBI se recusou a comentar sobre o relatório vazado.

O que são exchanges instantâneas de criptomoedas?

Exchanges instantâneas de criptomoedas como Morphtoken permitem a conversão rápida de uma criptomoeda em outra criptomoeda. O FBI destaca a falta de protocolos de conhecimento do cliente (KYC) nessas exchange como uma área de preocupação. MorphToken se recusou a comentar sobre o relatório vazado do FBI.

A Morphtoken está registrada no Panamá. De acordo com o escritório de advocacia Kraemer e Kraemer, essa jurisdição não implementou nenhuma regulamentação para criptomoedas e nem para exchanges.

O que é o Blueleaks?

O Blueleaks é um cache de documentos policiais ilegalmente pegos pelo grupo Anonymous. Os arquivos do Blueleaks foram publicados pela Distributed Denial of Secrets, um “coletivo de transparência”. Os dados cobrem “24 anos de dados de mais de 200 departamentos de polícia, centros de fusão e recursos de treinamento”.

Os documentos foram retirados da Netsentinal, uma empresa de web design do Texas que hospeda sites de aplicação da lei. O site de notícias sobre segurança cibernética Krebsonsecurity confirmou a validade dos dados vazados, por meio de uma análise interna.

Fonte: Cripto Fácil

Um Mergulho na Deep Web: O que é, Origem e Profundidade

Ransomware Instabot exige US$ 980 em Bitcoins para recuperar a informação, alerta SonicWall

Deep web e dark web: Os perigos da web profunda e obscura

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID

contato@cryptoid.com.br  
+55 11 3881 0019