Últimas notícias

Fique informado

I Congresso Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados. Realização ANPPD

27/02/2020

A relevância da Privacidade de dados aumentou muito nos últimos anos. A temática ganhou mais evidência após os escândalos envolvendo empresas de redes sociais acusadas de comercializarem dados pessoais para outras de marketing, também houve o caso com o e-mail da ex-secretária de defesa Hilary Clinton entre outros. Isso desencadeou posturas serias de vários países em relação a segurança da informação e o resultado foi a criação de leis severas sobre o assunto.

Um grande exemplo é a GDPR, que é o Regulamento Europeu sobre Privacidade de Dados Pessoais que serviu como modelo para lei brasileira LGPD – Lei Geral de Privacidade de Dados Pessoais autorizada em 2018 sancionada pelo então presidente da república Michel Temer (PMDB) em 14 de agosto de 2018 tendo seu pleno vigor a partir de 2020.

Ambas as leis coincidem que para adequação nas empresas, se faz necessária o envolvimento das áreas como TI/Segurança da informação e de Legislação; para isso, trazem como exigência um profissional responsável pela Privacidade dos dados pessoais, o Encarregado de Privacidade de Dados no Brasil, mundialmente conhecido como DPO – Data Protection Officer.

Em meio a esse cenário diversos profissionais de segurança da informação e advogados começaram a observar esse novo ramo de atuação, entretanto diferente dos advogados, os profissionais de TI não contavam com uma organização que representasse a classe perante as decisões que tramitavam no Congresso Nacional regulamentando os detalhes sobre o papel do DPO.

Inclusive em 2019, antes do surgimento da ANPD – Autoridade Nacional de Privacidade de Dados , discutia-se no Brasil se a figura do encarregado caberia somente para advogados ou à profissionais de TI.

Foi então que em junho de 2019, a MP 869/2018 teve em seu texto a adição do termo “jurídico-regulatório” como pré-requisito de conhecimento para que um profissional exerça o papel de DPO, perante isso, mais se questionou e tal decisão beneficiaria apenas a classe jurídica.

Vendo essa movimentação alguns executivos-acadêmicos e entusiastas que faziam parte das comissões técnicas em Brasília levantaram a bandeira que era chegada a hora dos profissionais de TI terem uma representatividade voltada para o tema de privacidade e Privacidade de dados.

Nesse momento, tal grupo de executivos-acadêmicos estavam buscando por nomes que pudessem dar início à um projeto visionário e de magnitude nacional como esse, sem viés, político/partidário, e após pesquisas de mercado, apontaram o nome do Dr. Davis Alves para presidir tal iniciativa.

Dr. Davis Alves

Dr. Davis Alves é profissional de TI, Ph.D nos Estados Unidos, e especializado em segurança da informação com diversas certificações internacionais ,além de ser um dos primeiros DPOs do Brasil atuante no exterior tendo formado os primeiros Data Protection Officer brasileiros.

No primeiro semestre de 2019 o Dr. Davis Alves aceitou o desfio e passou a reunir interessados no tema, tendo seus próprios alunos do curso de EXIN Privacity & Data Protection Practitioner do Portal do Treinamento como entusiastas e futuros DPOs, que uniram- se como membros fundadores para formar a então ANPPD – Associação Brasileira de Profissionais de Privacidade de Dados Após a reunião inicial com os membros fundadores, Dr. Davis Alves buscou grandes nomes da área de TI para integrar o comitê diretivo da ANPPD, entre eles: 

– Umberto Correia, DPO – executivo de governança de TI e segurança da informação de uma das maiores instituições brasileira para a vice-presidência; 

– André Masili, DPO e fundador do Grupo Linx/SA para a secretaria geral; A ANPPD foi fundada a com a missão de reunir os melhores Profissionais de Privacidade de Dados – DPOs do Brasil, promover o conhecimento técnico/científico a respeito da temática e representar a classe durante as domadas de decisões no Congresso Nacional que envolvam a LGPD suportando-as com bases técnicas sem fins partidários e políticos. 

A Associação Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados do Brasil realizará no dia 14 de março o I CONGRESSO NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE PRIVACIDADE DE DADOS

Congresso Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados |1º CNPPD 2020 by ANPPD

14 e 15 de março de 2020

O 1º CNPPD tem com objetivo reunir os profissionais de privacidade de dados do Brasil oficializando a inauguração da ANPPD – Associação Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados.

O evento contará com a presença de grandes nomes envolvidos com a Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD no Brasil, indo desde figuras do setor privado, acadêmico e governamental.

Também contará com a com a participação de instituições internacionais como a ANPPD Portugal (Associação dos DPOs de Portugal) trazendo em um link ao vivo, os DPOs já atuantes com a Regulamentação Europeia de Proteção de Dados – GDPR, transmitindo assim as lições aprendidas do cenário europeu com os 2 anos de vigoração.

O tema do evento é “LGPD JÁ – #lgpdJÁ!” que abrangerá desde a Segurança da Informação com Aspectos Jurídicos e Governamentais, até demonstrações ao vivo de técnicas de invasão por onde os hackers podem ter acesso a dados pessoais. Ao final será apresentada oficialmente a estrutura da ANPPD e a tão aguardada liberação de entrada para ingresso no Comitê de Segurança e Comitê Jurídico, bem como as ações de participação coletiva da sociedade que a ANPPD atuará em 2020 no Congresso Nacional do Brasil.

As inscrições ainda não estão abertas, mas acompanhe o Crypto ID que assim que liberado pela ANPPD, nós atualizaremos nossos leitores.

  Acesse aqui a programação completa 1º CNPPD 2020 by ANPPD!

  Temos uma coluna dedicada a Proteção de dados. Acompanhe e contribua com artigos. redacao@cryptoid.com.br

Foi sancionada a Lei que cria a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). O que isso impacta na sua vida?

“País precisa de autoridade atuante para orientar as instituições sobre a LGPD”, alerta Dra. Patricia Peck

Patricia Peck fala sobre as novas mudanças na LGPD e como podem gerar insegurança jurídica no mercado