Últimas notícias

Fique informado

Os principais desafios da segurança de redes

19/12/2019

O principal desafio enfrentados pelas empresas é encontrar meios eficazes de aumentar a segurança dos dados que circulam nas redes das organizações

Por Marcel Mathias

Marcel Mathias – Diretor de P&D da Blockbit

O avanço da tecnologia e do acesso à Internet tem possibilitado o surgimento de uma infinidade de novas ferramentas que auxiliam e, em muitos casos, até revolucionam a forma como interagimos com o mundo. Para as empresas, porém, além de novas oportunidades, essa realidade gera desafios.

Com o aumento da complexidade das estruturas cibernéticas, a segurança de redes tornou-se uma das maiores demandas das empresas, afetando diretamente a gestão das áreas de TI e de negócios. De acordo com pesquisas globais, a cibersegurança é hoje um dos três maiores riscos corporativos, sendo um tópico essencial para os líderes técnicos e executivos.

Mas quais seriam, afinal, os principais desafios de segurança de redes hoje em dia? Para enfrentar este cenário, e tornar as condições mais favoráveis para a sua empresa, listamos os quatro principais desafios para aprimorar a segurança de sua rede e como solucioná-los. Confira:

Necessidade de acompanhar a evolução das ameaças

O primeiro desafio que os líderes de segurança e tecnologia enfrentam, evidentemente, é a crescente ameaça de ataques maliciosos. À medida que as organizações passam a utilizar novas tecnologias, utilizando cada vez mais a Internet e a Digitalização das Informações como uma estratégia de negócios, mais as operações estarão em risco. Afinal de contas, os cibercriminosos não param – assim como a indústria de soluções para este setor.

Com a enorme quantidade de aplicações utilizadas por usuários corporativos, as companhias devem buscar tecnologias e processos automatizados para otimizar suas estratégias de proteção, com acompanhamento e gerenciamento inteligente de políticas de conformidade e riscos de segurança. Redes definidas por software (SDN – Software-Defined Network, em inglês) e firewalls dinâmicos de nova geração são opções que tornam mais fácil acompanhar os processos de segurança.

Falta de profissionais especializados em cibersegurança

Segundo estudos globais, há um déficit mundial de aproximadamente 4 milhões de profissionais de cibersegurança. Por outro lado, a expertise dos hackers só aumenta. Para fugir desse desafio, é necessário investir na seleção de mão de obra especializada, além de incentivar e proporcionar treinamentos voltados à segurança de dados para toda a equipe. Assim, é possível ampliar a cultura orientada à proteção das informações, conquistar novos talentos internos e manter a operação sempre de acordo com as práticas mais atualizadas do mercado.

Falhas na gestão de segurança

Com a falta de profissionais capacitados e voltados unicamente para o setor de segurança, é comum que a tecnologia e os processos de proteção do ambiente digital se tornem rapidamente desatualizados e suscetíveis a falhas – o que pode, facilmente, facilitar a invasão da rede em questão. Para impedir que este tipo de erro ocorra, é importante implementar políticas específicas de segurança para cada tipo de tecnologia adotada. Além disso, é necessário que se faça uma revisão periódica da infraestrutura, buscando por soluções de eficiência reconhecida e parceiros com sólida experiência, que atuem como referência no mercado de cibersegurança.

Dispositivos móveis não gerenciados

No passado, quando os dispositivos usados pelas operações eram basicamente fixos, era muito mais fácil controlar e garantir a segurança da rede. Com a ascensão dos aparelhos móveis, no entanto, o gerenciamento dos equipamentos se tornou uma tarefa muito mais complexa. Por isso, embora a mobilidade permita gerar vantagens como a maior economia de recursos, infraestrutura e tempo, essa transformação móvel também precisa ser acompanhada de um plano para adotar práticas de proteção de rede que se estendam para os dispositivos remotos.

Nesse caso, a medida mais adequada a ser tomada é implementar a autenticação com fatores múltiplos e obrigar que o usuário se conecte usando conexões VPN criptografadas, além de firewalls inteligentes, dotados de recursos de última geração que garantam o filtro completo do acesso de conteúdo a ser disponibilizado na rede.

Muito mais do que aplicar as dicas citadas acima, é importante entender, ainda, que a segurança de redes é uma questão a ser acompanhada diariamente. O investimento neste setor evita as perdas financeiras, patrimoniais e, principalmente, o roubo de informações pessoais, que se tornou um assunto de extrema importância nos últimos anos e, agora, está sendo priorizado em cumprimento à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

A segurança do ambiente de tecnologia e das conexões com a Internet depende de uma ação coordenada, que inclua tecnologia de ponta, soluções realmente adequadas às demandas dos negócios e visão estratégica colocada em prática por especialistas do setor. A cibersegurança é um tema que não pode mais ser negligenciado e, tampouco, tratado à parte das definições das companhias. É preciso agir imediatamente.

Segurança em Redes Corporativas aliando Tecnologia e cultura em toda Cadeia – Ouça

O que falta para o Brasil avançar na área de cibersegurança?

Segurança digital: o que é preciso saber sobre a autenticação multifator