Últimas notícias

Fique informado
Whatsapp “fake” pode roubar dados bancários

Whatsapp “fake” pode roubar dados bancários

27/02/2015

Spotlight

Presidente do ITI fala sobre a CertLive que abordou as MPs 951 e 983

Conversamos com Carlos Roberto Fortner sobre a primeira CertLive recebeu parlamentares e integrantes do governo brasileiro em torno das MPs 951 e 983 de 2020.

31/07/2020

Associações da Sociedade Civil manifestam seu apoio à aprovação da MP 951/2020

A MP autoriza a emissão dos certificados digitais, no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil, por meio de videoconferência.

31/07/2020

O pequeno herói e sua conexão com a tecnologia para acesso ilimitado e seguro

Neste ebook apresentamos a história do pequeno herói neerlandês e sua conexão com a tecnologia do SafeSign e todo o ecossistema de soluções da AET – Unlimited access to your world.

22/07/2020

Holandês cria ferramenta de espionagem no Whatsapp

Ferramenta quase fundamental para quem têm um smartphone, o Whatsapp

19/02/2015

Grã-Bretanha cogita proibir o uso de Whatsapp, iMessage e FaceTime

O jornal “Daily Mail” noticiou essa semana um fato que

15/01/2015

A empresa que desenvolve um dos aplicativos mais populares entre os brasileiros é o mais novo alvo dos hackers. A informação é da companhia de segurança da informação  ESET que anunciou nessa sexta-feira um golpe que usa o Whatsapp como bode expiatório.

Na ação os hackers oferecem uma versão “fake” do app que é capaz de roubar ao dados bancários dos usuários quando os mesmos acessam o internet banking.

O golpe envia aos usuários um e-mail em nome da empresa com uma suposta versão do aplicativo para computador. A mensagem virtual contém um link malicioso que acaba por dar acessos antes restritos aos cibercriminosos.

De acordo com Camillo Di Jorge, executivo da ESET a principal razão para essa ação é a popularidade do aplicativo que o tornou uma isca interessante para novas vítimas. “A popularidade do WhatsApp tem transformado essa ferramenta em um alvo dos cibercriminosos”, diz.

A orientação geral dos especialistas é nunca clicar em links ou arquivos enviados por e-mail sem ter completa consciência de sua origem.

Nenhum comentário até agora

Ir para a discussão

Nenhum comentário ainda!

Você pose ser o primeiro a iniciar a discussão.

<