Últimas notícias

Fique informado
O Avestruz e a Lei de Gérson

O Avestruz e a Lei de Gérson

02/12/2016
david-ben-svaiter

David Ben Svaiter | Diretor – SI & Criptografia na Big Blue Ltda.

Por David Ben Svaiter

O Avestruz e a Lei de Gérson

Antes de prosseguir, gostaria que você refletisse sobre estas perguntas:

– Você fez seguro de sua casa ou automóvel? Porquê?

– Você tem Plano de Saúde? Porquê?

– Você costuma olhar o medidor de combustível de seu veículo? Porquê?

Posso continuar indefinidamente com questões semelhantes e sempre obterei, em essência, a mesma resposta: é melhor prevenir que remediar.

Tais questões refletem nossa capacidade de avaliar investimentos de recursos frente ao risco de uma situação factível. Quando percebemos que o custo da prevenção é menor que o custo da remediação, passamos a considerá-lo como investimento. E se você voltar às questões acima, verá isso com bastante clareza.

Mas e em relação aos investimentos em Segurança da Informação? Não é isso que vejo comumente no Brasil!

Vejo gestores que preferem “enterrar suas cabeças como avestruzes” frente ao perigo iminente de invasão e ainda se orgulham da economia feita, como se estivessem, de fato, agregando alguma vantagem à empresa.

Deixam de investir em segurança da informação acreditando que nada ocorrerá e que tais dados (em arquivo ou transitados por e-mail) não possuem nenhum valor agregado que compense protegê-los.

E isso, mesmo à luz da Lei 12527, que normatiza como uma obrigação legal das empresas resguardar dados e informações de usuários e clientes.

É inevitável que presenciando tais casos, remeto-me ao simpático animal e ao infeliz conceito consolidado pela propaganda de tantos anos.

O verdadeiro valor da informação.

Indenizar envolvidos e recuperar imagem institucional custa muito mais que os dados em si – e por isso dizemos que dados possuem “valor agregado” – e isso sem considerarmos as perdas indiretas, decorrentes da saída de investidores e acionistas.

Veja os casos da Mossack-Fonseca, da SONY, da Ashley Madison e das centenas de outras empresas sólidas que, num espaço de poucas horas, perderam milhões ou bilhões de dólares. Casos em que a imagem institucional foi tão seriamente afetada que chega a comprometer a própria sobrevivência da empresa.

Lembro que nestes casos, a regra é demitir todos os envolvidos. Principalmente, os gestores responsáveis pela falha de gerenciamento destes ativos de valor intangível.

O Brasil é um dos 5 maiores países em cibercrime.

Sempre se ouve falar de casos internacionais relacionados ao vazamento de informação crítica; mas nada ouvimos em relação ao Brasil. Sinal de que o Brasil está mais protegido que os outros países, certo? ERRADO!

Esta percepção é pautada apenas no fato de que em tais países existem leis que obrigam esta divulgação, enquanto que no Brasil tais leis não existem ainda.

O Brasil ocupa uma posição privilegiada em relação ao cibercrime. Somos um dos que mais atacam e um dos que mais sofrem ataques digitais. E esta informação não provém da mídia sensacionalista, mas de fontes abalizadas que acompanham e combatem tais crimes em todo o mundo.

Ferramentas de controle de acesso de nível internacional protegem a informação.

Se isso fosse suficiente, veríamos tantas invasões e vazamentos todos os dias?

A segurança de uma corrente se baseia no seu elo mais fraco. Da mesma forma, basta uma única falha sobre qualquer destas ferramentas e/ou procedimentos para que toda a segurança seja comprometida e o invasor tenha acesso completo à informação.

Pense: não seria mais coerente protegermos a informação em si do que apenas os acessos a ela?

Não vejo tais ferramentas como inúteis ou dispensáveis – são camadas de proteção. Mas por serem todas baseadas no mesmo conceito de monitoração/autorização de acesso, falham quando penetradas de alguma forma. A informação que protegem está “aberta”, “disponível”, bastando ao atacante vencer tais barreiras para acesso irrestrito.

Numa analogia simplória, você compraria um carro sem air-bag apenas pelo fato de usar cinto de segurança? Veja este artigo e entenderá melhor.

E qual seria o melhor investimento nestes casos? Criptografia, sem dúvida!
A criptografia é a fronteira final da proteção, quando todas as outras falham.

Com criptografia, você e sua empresa não estão apenas mitigando o risco, mas contando com ele e se prevenindo de uma forma eficaz, eficiente, ágil e econômica, agregando inclusive um diferencial junto aos seus clientes e Mercado.

Não é à toa que o uso de criptografia foi alardeado por empresas como WhatsApp, Facebook, Google, Microsoft, entre muitas outras.

Todos nós preferimos estar seguros do que inseguros – e tais empresas sabem o valor disso para seu cliente/consumidor.

E diferente do senso-comum, a criptografia corporativa trabalha de forma diferente da criptografia pessoal, evitando a perda da informação em casos de morte ou demissões e sem comprometimento da privacidade exigida pela empresa.

E quanto custa este investimento? Muito menos do que imagina!

Tenho como lhe recomendar algo diferenciado e muito simples de usar para seus arquivos e e-mails, com custo adaptado à realidade brasileira e possibilitando descontos de acordo com as condições de implantação em sua empresa.

O que você perde em conhecê-la, sem compromisso?
Não se deixe convencer pelos avestruzes de sua empresa. Prevenir sempre é melhor e mais barato do que remediar.
linkedin

Nenhum comentário até agora

Ir para a discussão

Nenhum comentário ainda!

Você pose ser o primeiro a iniciar a discussão.

<