Últimas notícias

Fique informado

Cartório de Poxoréu recebe, registra e certifica a primeira CPR nato-digital com trâmite totalmente eletrônico em Mato Grosso

05/11/2019

O Cartório do 1º Ofício de Poxoréu foi o primeiro em Mato Grosso a receber, registrar e certificar duas Cédulas de Produtor Rural Eletrônica (e-CPR) a dois produtores de milho do Estado

Os títulos foram emitidos para garantir a entrega total de 58.496 sacas do produto à empresa Syngenta em 30/07/2020, responsável por fornecer insumos em geral aos produtores.

A operação foi coordenada pelo escritório Luchesi Advogados, com sede em São Paulo, em parceria com a Bart.Digital, que utiliza a Central Eletrônica de Integração e Informações (CEI-MT). Esta ferramenta, que foi desenvolvida e é gerenciada pela Associação dos Notários e Registradores do Estado de Mato Grosso (Anoreg-MT), é responsável por reunir documentos e informações, numa única plataforma eletrônica, de todos os cartórios de Mato Grosso.

A registradora do 1º Ofício de Poxoréu, Maria Aparecida Bianchin Pacheco, explicou o trâmite do registro. “Recebi os títulos (Cédulas de Produtor Rural) eletronicamente pela CEI-MT, importei para o meu sistema, registrei, certifiquei e enviei para eles também por meio da CEI-MT, ou seja, toda a tramitação do título deu-se de forma eletrônica e sem materialização em papel. Nossa CEI está totalmente apta para receber e enviar arquivos eletrônicos e/ou nato-digitais”.

A Cédula de Produto Rural foi instituída pela Lei 8.929/94 e é um documento representativo de promessa de entrega de produtos rurais, com ou sem garantia cedularmente constituída. A lei fala que tem legitimação para emitir CPR o produtor rural e suas associações, inclusive cooperativas.

O sócio da Luchesi Advogados, Antonio Carlos de Oliveira Freitas, disse que “são os primeiros títulos nato-digitais de Mato Grosso, não somente o título em si, mas, também, toda a parte de registro, feita pelo Cartório de Poxoréu. O benefício do trâmite totalmente eletrônico é o ganho de tempo. Para se ter ideia, se for feito usualmente, que é a CPR física, leva-se de 70 a 100 dias para finalizar a formalização do título (emissão, coleta de assinaturas, levar para registro). Isso, numa base totalmente eletrônica, é possível reduzir o tempo de transação para uma semana, o que aconteceu nesse caso. Mas, todo esse procedimento ainda pode ser feito em apenas um dia ou em algumas horas, desde que o produtor rural possua e esteja com certificado e assinatura digitais devidamente atualizados e validados”, destacou.

Ele acrescentou que, mesmo reduzindo o tempo para uma semana, “é um ganho brutal. Agiliza todo o processo e é uma operação de ganha-ganha para todos, seja para a empresa de insumos, seja para o produtor rural. Isso permite mais agilidade no fechamento de negócios e potencial escalabilidade, gerando efeito cascata no sentido de incentivar que outros produtores e empresas façam da mesma forma, sigam o mesmo caminho”, concluiu Antonio Carlos.

Cartórios de Imóveis já emitem mais de 53 mil certidões em formato digital no Paraná

Declaração do Imposto sobre Propriedade Territorial Rural pode ser feita por meio de Certificado Digital

Certificação Digital e de Atributos no meio Rural – Entrevista com Michel Medeiros

Produtor Rural

Rastreabilidade da carne bovina usando blockchain é o foco de novo projeto do CPQD com a Safe Trace

NF-e de Produtor Rural