Menu

Últimas notícias

Fique informado

Google, Facebook, Apple, Amazon e Microsoft estão sendo pressionados a pararem de rastrear dados de crianças em suas plataformas

24/09/2020

Spotlight

Thales apresenta nova edição do “Manual de Ciberameaças: o cibercrime organizado”

Especialistas apresentam o modus operandi dos cibercriminosos e as formas de combatê-los

21/10/2020

Reimaginando o novo contrato social para a era digital. Entrevista com Don Tapscott

Don Tapscott é uma das maiores autoridades mundiais no impacto da tecnologia nos negócios e na sociedade. Ele compartilha sua visão de futuro de um novo contrato social.

21/10/2020

eIDAS – REGULAMENTO (UE) N.o 910/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

eIDAS – REGULAMENTO (UE) Nº 910/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

20/10/2020

Empresas brasileiras são beneficiadas pelo certificado ICP-Brasil

A transformação digital, que após a pandemia tornou-se essencial para a economia, já era realidade em diversas empresas brasileiras antes de 2020 com o certificado digital

20/10/2020

Primeiro Documento Eletrônico assinado entre dois Países foi emitido em 2 de outubro de 2020

A possibilidade de acordos internacionais serem assinados por meio de documentos eletrônicos com reconhecimento mútuo entre os países é uma prerrogativa dos documentos que utilizam certificados digitais emitidos por PKIs.

05/10/2020

Check Point alerta para o crescente número de ataques visando instituições de ensino e de pesquisas no mundo

Pesquisadores da empresa observaram o aumento em dois dígitos dos ataques globais ao setor de Educação na América Latina, nos EUA, na Europa e Ásia

24/09/2020

Dados de crianças e adolescentes no contexto da LGPD: reflexões e pontos de atenção às empresas na implementação da Lei

A proteção da privacidade de crianças e adolescentes nos ambientes digitais merece uma reflexão e regulação pública abrangente no âmbito das normas de proteção de dados

24/09/2020


Em carta entregue no último dia 18, mais de 20 organizações e especialistas pedem às gigantes de tecnologia que cessem a exploração comercial infantil no ambiente digital

Mais de 20 organizações, entre elas 5Rights Foundation, Global Action Plan e o Instituto Alana, por meio de seu programa Criança e Consumo, encaminharam uma carta ao Google, Facebook, Apple, Amazon e Microsoft, no último dia 18, exigindo que essas gigantes de tecnologia parem de coletar dados de crianças e adolescentes para segmentação de publicidade.

Além disso, a coalizão pede, ainda, que essas empresas parem com a exploração comercial infantil em ambiente digital e que adotem medidas para garantir uma experiência digital segura para crianças.

A carta é parte da campanha “Stop Targeted Advertising to Kids” (“Parem de Direcionar Publicidade para Crianças”, em tradução livre) da Global Action Plan, que argumenta que a publicidade comportamental online acelera o consumismo, prejudicando o bem-estar e aumentando a tensão já perigosa no planeta.

O documento pondera que as empresas de ad-tech coletam 72 milhões de pontos de dados sobre uma criança, até ela chegar aos 13 anos de idade. Isso demonstra a dimensão do desrespeito pelas leis de proteção de dados, vigentes em diversos países, e o alto nível de monitoramento imposto sobre as crianças, que são rastreadas e perfiladas para que possam receber publicidade infantil ao ponto de que sua atenção seja monetizada de forma mais efetiva.

Vale lembrar que as crianças, em especial até 12 anos, não compreendem o caráter persuasivo da publicidade, em virtude da vivência de um processo peculiar de desenvolvimento físico, mental e social.

Logo, não conseguem distinguir o que são conteúdos de entretenimento de conteúdos publicitários.

Por entender a criança como hipervulnerável, a legislação brasileira já proíbe a prática de publicidade infantil em qualquer meio de comunicação ou espaço de convivência – incluindo o ambiente digital.

“É desigual e injusta a forma como essas empresas se aproveitam da hipervulnerabilidade das crianças para explorá-las comercialmente, principalmente nesses tempos de pandemia, em que as crianças estão cada vez mais online seja para estudar, se comunicar com parentes e amigos ou para outras atividades.

Queremos que as empresas de tecnologia mais poderosas do mundo parem de minerar dados infantis e não permitam que anunciantes direcionem publicidade para esse público.

As crianças possuem o direito de usar a internet com segurança e livre do abuso comercial da publicidade infantil”, diz Pedro Hartung, coordenador do programa Criança e Consumo, do Instituto Alana.

Sobre o Criança e Consumo
Criado em 2006, o programa Criança e Consumo , do Alana, atua para divulgar e debater ideias sobre as questões relacionadas à publicidade dirigida às crianças, bem como apontar caminhos para minimizar e prevenir os malefícios decorrentes da comunicação mercadológica.

Sobre o Instituto Alana
O Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão “honrar a criança”.

Dados de crianças e adolescentes no contexto da LGPD: reflexões e pontos de atenção às empresas na implementação da Lei

Autorização para crianças e adolescentes viajarem desacompanhados poderá ser eletrônica

Descobertas falhas de segurança em rastreadores GPS que expõem a localização de mais de meio milhão de crianças e idosos

Educação Digital | Como orientar jovens e crianças sobre uso da tecnologia?

Projeto visa proteger dados pessoais de estudantes nas plataformas de ensino a distância

Movimento – Criança mais Segura na Internet

NIC.br lança curso on-line e gratuito para auxiliar os pais a orientarem seus filhos no uso seguro e responsável da Internet

Nenhum comentário até agora

Ir para a discussão

Nenhum comentário ainda!

Você pose ser o primeiro a iniciar a discussão.

<

Pular para a barra de ferramentas