Últimas notícias

Fique informado

Desafios para as mulheres no mercado de TI

30 de junho de 2023

Spotlight

Entenda o Incidente de Segurança no Siafi que fez o Tesouro exigir a autenticação exclusivamente com Certificados Digitais ICP-Brasil

No Siafi os certificados ICP-Brasil vão conferir Integridade, autenticidade, conformidade, confidencialidade, disponibilidade, legalidade e irretratabilidade.

22 de abril de 2024

O Halving do Bitcoin: Entendendo o Evento que Redefine a Oferta da Criptomoeda. Por Susana Taboas

Uma visão geral do que é o halving do Bitcoin e sua importância no contexto da economia digital.

17 de abril de 2024

Bertacchini da Nethone compartilha sua visão sobre o cenário atual de fraudes digitais

Tivemos a oportunidade de conversar com Bertacchini, especialista em Desenvolvimento de Negócios Sênior na Nethone, sobre como as empresas podem se blindar contra ciberameaças.

17 de abril de 2024

Do primeiro Robô Advogado ao ChatGPT: Você sabe como as IAs podem impactar o futuro do setor jurídico?

Assista o webinar na íntegra, gratuitamente pelo canal oficial da doc9 no YouTube e obtenha insights essenciais sobre como aproveitar ao máximo as tecnologias emergentes e manter vantagem competitiva neste setor em constante evolução.

28 de março de 2024

AX4B: 64% das empresas brasileiras não possuem soluções corporativas de antivírus, apesar do aumento de 7% nos ataques cibernéticos

A AX4B acaba de divulgar os resultados de sua mais recente pesquisa sobre a situação da segurança cibernética no Brasil.

26 de março de 2024

Funcionalidades do Certificado Digital ICP-Brasil que você PRECISA conhecer

O Bird ID é o Certificado Digital em nuvem da Soluti que é armazenado em nuvem.

19 de junho de 2023

A importância de aplicar a sustentabilidade nos negócios

A cada dez empresas do Brasil, seis delas possuem uma área dedicada à sustentabilidade em sua estrutura organizacional

5 de junho de 2023

Ada Lab: Soluti apresenta projeto de incentivo a inclusão de mulheres no mercado de tecnologia 

O projeto Ada Lab visa ampliar a participação e a representatividade feminina no setor, e divulgar as vagas abertas da empresa

14 de outubro de 2022

A presença de mulheres na área da tecnologia da informação ainda é baixa no Brasil, mas empresas têm adotado estratégias para aumentar a participação feminina

Flávia Cristina Cruz Silva, coordenadora da área de engenharia de software da Soluti
Karla França, designer de experiência do usuário da Soluti – UX designer

A presença de mulheres na área da Tecnologia da Informação (TI) no Brasil ainda é bem menor do que a de homens. Nos anos 60 e 70, elas eram mais ativas neste setor. Nos anos 80 a porcentagem de mulheres que obtiveram diplomas universitários em ciência da computação chegou a 37%. Mas, desde então, essa proporção tem caído constantemente.

No Brasil, as mulheres são maioria nos cursos de ensino superior, mas representam apenas 13,3% dos alunos de Computação e Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Elas também são 21,6% dos cursos de engenharia e profissões correlatas, segundo dados do IBGE. Um estudo da Revelo, empresa de tecnologia no mercado de recrutamento, mostra que apenas 12,7% dos profissionais de tecnologia no Brasil são mulheres.

Entretanto, este cenário começou a mudar. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), nos últimos cinco anos (2015-2022), o aumento da participação feminina foi de 60% no setor de tecnologia. Só que o desafio continua enorme: 83,3% deste mercado é ocupado por homens.

Trazer mais mulheres para as áreas de tecnologia é um caminho importante para um Brasil com mais equidade de gênero no mercado de TI.

A previsão é que até 2025 haja um déficit de 500 a 800 mil talentos do TI no Brasil, segundo relatório da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais. Mas elas ainda enfrentam uma série de desafios e barreiras. Como efeito, se sentem desvalorizadas e não respeitadas.

A boa notícia é que em algumas empresas brasileiras de tecnologia este cenário tem mudado de forma muito rápida. Apenas durante a pandemia, em 2020, a busca por profissionais neste segmento cresceu mais de 600%.

No Grupo Soluti, por exemplo, mais de 50% dos seus 700 colaboradores são formados por mulheres. Para isto, a IDtech especializada em Identidade Digital e Assinaturas Eletrônicas, lançou o Projeto Ada Lab, com o objetivo de ampliar a participação das mulheres no mercado de Tecnologia da Informação (TI) e fomentar a representatividade feminina.

*Desafios e perspectivas*

Coordenadora de Pessoas da Soluti, Bruna Carvalho destaca que as mulheres são maioria na empresa: 333 profissionais, que representam 54,5% do quadro de colaboradores. Nas áreas de tecnologia, no entanto, a situação se inverte, elas ocupam apenas 19% dos cargos.

Para equilibrar mais esses números, criamos o Ada Lab e temos algumas posições afirmativas em que preferimos mulheres. Adotamos um critério de desempate em seleções de colaboradores. Se tivermos um homem e uma mulher igualmente competentes e preenchendo os mesmos critérios exigidos, a preferência é pela mulher”, explica.

Flávia Cristina Cruz Silva, coordenadora da área de engenharia de software da Soluti, diz que se sente acolhida na empresa e que nunca teve nenhum problema por trabalhar num ambiente em que predominam os homens. “Mas sei que, para as mulheres no mercado de TI, é preciso provar em dobro a nossa competência. Com o tempo, no entanto, aprendi a lidar com essa realidade”, afirma.

Flávia acredita que a baixa presença das mulheres no mercado de TI também se explica pelo fato de não ser um curso muito atrativo e considerado difícil. “No entanto, quando nos tornamos profissionais, colhemos os frutos e constatamos que existem várias áreas na tecnologia da informação que vão além da parte de desenvolvimento de códigos”, ressalta. 

Karla França, designer de experiência do usuário da Soluti (UX designer), também diz que nunca se sentiu constrangida no ambiente de trabalho. “Apesar de saber que existem casos de machismo, penso que eles são exceção à regra”, reforça.

A designer destaca que o mercado de trabalho de TI, mais recentemente, vem se expandindo para a área de produtos, vertente que tem atraído mais mulheres do que homens, afirma a profissional. “Nós conseguimos desenvolver essa parte lógica da TI e trabalhar com desenvolvimento, mas também trabalhamos com a parte que está mais relacionada às ciências humanas e de análise de negócios. Na época em que entrei no mercado, era mais fechado e o estereótipo da TI era uma tela preta e um profissional extremamente concentrado diante dela, o que realmente não é atrativo para as mulheres”, admite.

Ada Lab: Soluti apresenta projeto de incentivo a inclusão de mulheres no mercado de tecnologia 

Funcionalidades do Certificado Digital ICP-Brasil que você PRECISA conhecer

A importância de aplicar a sustentabilidade nos negócios

Sobre Soluti

A Soluti é uma IDTech que fornece soluções inovadoras em Identidade Digital e Assinaturas Eletrônicas.

O Grupo Soluti nasceu em abril de 2008 como uma pequena prestadora de serviço na área de Certificação Digital, em Goiânia (GO). Começou com o sonho de 3 irmãos empreendedores: Cassio Sousa, Flavia Sousa e Vinicius Sousa. A empresa deu seu primeiro grande salto ao se tornar produtora e vendedora de Certificados Digitais, concorrendo diretamente com os grandes players do mercado. Em 2012, se tornou uma Autoridade Certificadora de Nível 1, a primeira fora de São Paulo.

Com uma política comercial agressiva, em pouco tempo já estava praticamente em todos os Estados brasileiros. O Grupo Soluti detém hoje 40% do mercado nacional de Certificados Digitais, com aumento médio anual de 15% a 20% desde 2015.

Nos últimos anos, o Grupo Soluti vem mudando o seu perfil, ampliando-o para uma empresa de soluções tecnológicas. Com aproximadamente 600 colaboradores diretos no País, tem expandido a sua atuação no mercado por meio de aquisições de empresas que são referências no setor. Neste ano, criou a Everest Digital e passou a oferecer aos seus clientes o primeiro Data Center Tier III na Região Centro-Oeste do Brasil. Também neste ano adquiriu a empresa Identity del Peru S.A, proprietária da plataforma de assinatura IntelliSign, dando um importante passo para a sua internacionalização.

Leia outros artigos publicados sobre a Soluti aqui o Crypto ID!