Últimas notícias

Fique informado

CEOs e diretores de startups e empresas falam sobre hábitos que poderão ser adotados mesmo após isolamento social

20/04/2020

COVID-19: Quais mudanças em função do vírus serão permanentes

A chegada da pandemia da COVID-19 fez com que o mundo se adaptasse. Por orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), a melhor forma de evitar o contágio é ficar em casa.

Isso originou grandes mudanças sociais, como a adoção de trabalho remoto e até fazer compras online – que, segundo pesquisa feita pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), aumentaram em 100% em relação ao mesmo período (fevereiro e março) do ano passado.

Em meio a tantas adaptações por conta das medidas restritivas, CEOs e diretores de startups e empresas notaram que alguns hábitos poderão ser adotados permanentemente, tanto pelas instituições quanto pelos consumidores.

Home Office

O trabalho remoto foi uma das principais medidas tomadas por empresas em função do isolamento social. Na visão de Carina L. Dallabrida, analista de DHO da Unifique, operadora de Timbó (SC) eleita a melhor do país em banda larga pela Anatel em 2019, o home office se provou eficiente.

“Já cogitávamos o modelo antes mesmo da pandemia, mas tivemos que acelerar o processo. Foi grande desafio mas conseguimos, em apenas 10 dias, direcionar quase todos os nossos profissionais ao trabalho remoto. Mesmo com aumento de tráfego de rede em até 40%, conseguimos manter a operação em perfeita sintonia”, explica. “Notamos que o home office pode ser possível, mesmo em empresas de grande porte. A produtividade se manteve e sabemos que esse modelo traz benefícios aos colaboradores. Estamos estudando a possibilidade de alguns setores permanecerem nesse formato mesmo depois da quarentena”, conclui.

Educação a distância

No mundo inteiro, universidades e empresas trocaram aulas, eventos e treinamentos presenciais pelo ensino a distância, webinars, calls online e outras práticas digitais. Recentemente, um estudo de mercado realizado pela consultoria americana Bain & Company apontou que essa explosão de demanda deve se manter em alta no longo prazo. Inúmeras tecnologias já permitem fazer treinamentos em grande escala, com alto potencial de engajamento dos colaboradores e bons resultados relacionados ao aumento da produtividade.

A principal delas é a Plataforma de Experiência de Aprendizagem, ou LXP – sigla em inglês, que permite à empresa personalizar a educação dos funcionários. Segundo Luiz Alberto Ferla, fundador e CEO da empresa de educação digital DOT digital group, a ferramenta tem ganhado cada vez mais espaço no ambiente corporativo:

“A educação a distância dá ao profissional maior flexibilidade para estudar a hora e no local que quiser, pelo dispositivo que preferir, e autonomia para escolher os conteúdos para se desenvolver de acordo com seus objetivos. É um investimento com retorno garantido”. 

Automação de processos financeiros

Automatizar processos pode facilitar o dia a dia mesmo sem o isolamento social, já que agiliza os processos internos, reduz custos e substitui metodologias de baixa eficiência organizacional. Quando falamos da área financeira não é diferente.

“Atividades manuais, como pagamento de fornecedores, têm grandes chances de apresentar falhas, mas com um software que pode fazer isso e também validar as contas favorecidas, tudo fica mais fácil e seguro”, explica Guilherme Verdasca, CEO da Transfeera, startup open banking.

Dentre outros benefícios, o CEO destaca ainda a redução de custos bancários, para que as empresas esqueçam as taxas abusivas; cobrança somente pelo serviço utilizando, sem letras miúdas; cobrança realizada apenas para pagamentos efetivados com sucesso; entrega automática de comprovantes para os favorecidos; e a liberação do capital humano para  assuntos estratégicos e menos manuais.

Novas experiências de compra

Se a quarentena está privando os consumidores de visitarem lojas físicas, onde podem ver, tocar e manusear objetos, como fazer o processo da compra online ser tão prazeroso quanto?

“Mesmo sem pandemia, os e-commerces já vinham se fortalecendo a cada ano. Por isso é tão importante investir em soluções para trazer uma experiência de compra mais rica, diferenciada e assertiva. Digitalizar os seus produtos em 3D e utilizar realidade aumentada, por exemplo, possibilita que o usuário tenha uma visualização muito mais real do seu catálogo, aumentando a taxa de conversão e a satisfação do cliente”, comenta Gustavo do Valle, CEO da CreativeDrive, produtora global de fotos e vídeos que atua no Brasil com soluções de tecnologia.

Atendimentos públicos digitalizados

Jéferson Castilhos

Diante da recomendação de isolamento social para reduzir a proliferação da Covid-19, os gestores municipais têm recorrido à comunicação virtual com a população. Prefeituras como de Americana (SP), Atibaia (SP) e Aracaju (SE) já estão adotando um atendimento 100% digital. Para Jéferson Castilhos, cofundador da 1Doc, plataforma em nuvem presente em mais de 100 municípios do país, o processo digital é um caminho natural a ser seguido:

Em uma época de restrições de contato, a transformação digital ganha força. Sem digitalização dos serviços, o setor público fica extremamente prejudicado”, diz Castilhos.

A pandemia só veio reforçar essa necessidade, avalia Marcelo Fett, diretor de Relações com o Mercado da Softplan.  A empresa, que tem o 1Doc em seu portfólio de serviços, é especialista em transformação digital do setor público há 29 anos.

“O cidadão quer que o poder público simplifique e agilize os processos, tornando a gestão verdadeiramente eficiente”, diz Fett. Para ele, o cenário atual evidenciou a necessidade de acelerar a jornada da transformação digital em toda a sociedade, inclusive nos governos.

Entrega de produtos não é mais opcional

Com as pessoas em casa, os serviços de entrega foram essenciais para negócios manterem suas operações, especialmente àqueles que não dispunham dessa opção antes. “O setor de entregas de produtos foi impulsionado como nunca antes. Restaurantes, mercados, farmácias e tantos outros empreendimentos precisaram se adaptar e viram que esse serviço não é opcional. Quem não tinha estruturado isso antes, vai ter um prejuízo muito maior e agora corre contra o tempo para aprender como fazer”, avalia o CEO da Motoboy.com, startup de Joinville (SC) especializada em entregas ultrarrápidas – realizadas em até 2h – em mais de 100 cidades brasileiras.

“Uma vez que o serviço de entregas de produtos foi oferecido aos clientes, dificilmente os empreendimentos vão voltar atrás. É uma forma de alcançar seu público, conquistá-lo e fidelizá-lo, de expandir os negócios levando seu produto a pessoas que, por vezes, não podem sair de casa”, encerra.

Entrevista com Senador Dário Berger e professor Aldo von Wangenheim sobre sistema de Telemedicina Catarinense

ANCD e Frente Parlamentar da Economia Digital participam de evento em Florianópolis

Como funciona a tecnologia por trás do diploma digital lançado pelo MEC

Veja como irá funcionar o Diploma Digital lançado pelo MEC

Brasil deve investir em gestão eletrônica para subir no ranking contra corrupção

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID

contato@cryptoid.com.br

+55 11 3881 0019

Tecnologia de realidade aumentada colaborativa auxilia fabricação de ventiladores respiratórios(Abre numa nova aba do navegador)

Embratel migra dados da rede pública de saúde para Nuvem em contrato com o Ministério da Saúde

Funcionários em home office viram alvos prioritários para golpes cibernéticos de hackers

Em Portugal o Certificado Digital viabiliza a compra de carro da marca Kia sem sair de casa

Rodrigo Fragola CEO da OGASEC diz que a nuvem e o trabalho remoto vieram para ficar

Federação Assespro sugere medidas para evitar a mortalidade das empresas e perda de empregos no setor de TI