Menu

Últimas notícias

Fique informado

Funcionários em home office viram alvos prioritários para golpes cibernéticos de hackers

16/04/2020

Spotlight

Crypto ID, ATID e AARB conversam com Deputado João Campos sobre a Lei 14.063/20

Entrevistamos o Deputado João Campos, um dos principais protagonistas da

08/10/2020

Primeiro Documento Eletrônico assinado entre dois Países foi emitido em 2 de outubro de 2020

A possibilidade de acordos internacionais serem assinados por meio de documentos eletrônicos com reconhecimento mútuo entre os países é uma prerrogativa dos documentos que utilizam certificados digitais emitidos por PKIs.

05/10/2020

Presidentes da ATID e AARB são entrevistados sobre a Lei 14.063/2020

A entrevista trata dos três tipos de assinaturas eletrônicas criada pela Lei 14063/2020, também aborda a questão da videoconferência e muito mais. Confira!

01/10/2020

A Lei 14.063/2020 reconhece o valor das assinaturas digitais e faz a distinção entre assinaturas avançadas e qualificadas

A aplicação da Lei 14.063/2020 está direcionada à comunicação com entes públicos, mas é um passo importante para a consolidação da identificação digital no mercado brasileiro para o relacionamento de empresas privadas e suas comunidades.

30/09/2020

Em Portugal o Certificado Digital viabiliza a compra de carro da marca Kia sem sair de casa

A assinatura dos documentos da transação são assinados digitalmente com o certificado digital do comprador e da concessionária de automóveis

14/04/2020

Big data analytics: como a análise de dados está ajudando a salvar vidas

A constante transformação digital impulsionada pela geração e análise dos dados está, a cada dia, revolucionando diversas áreas.

14/04/2020

Entenda quais são os principais golpes cibernéticos no período de trabalho remoto e como as equipes e empresas devem estar preparadas

Por Denis Riviello

Denis Riviello – Head de Cibersegurança da Compugraf

A rápida adaptação ao modelo de trabalho remoto imposta pela necessidade de isolamento causada pela pandemia da COVID-19, trouxe uma série de desafios para as empresas brasileiras. Apesar da corrida por tecnologias que permitam e protejam esse modelo de trabalho, os ataques cibernéticoss também adaptaram seus alvos e agora foca no elo mais frágil dessa cadeia: as pessoas.

O volume de ataques cibernéticos por engenharia social, quando o fraudador convence pessoas a executarem ações que possibilitem o golpe ou o acesso aos dados, já demonstra crescimento substancial de quase 100 mil tipos de fraudes online que usam a palavra coronavírus, por exemplo.

O trabalho remoto favorece essa mudança de alvo, pois em casa a tendência é que os funcionários “baixem a guarda” muitas vezes negligenciando as políticas de segurança cibernéticas constantemente reforçadas no ambiente corporativo.

Mas principalmente, é comum que uso de dispositivos pessoais e redes de Wi Fi pessoais para atividades profissionais, abrindo portas para às informações de clientes e empresas.

Para se aproveitar dessas vulnerabilidades, os fraudadores usam, principalmente, métodos mais populares, como o phishing, vishing, smishing, pretexting  e o quid pro quo, não tão popular, mas que vem crescendo diariamente.

O phishing consiste em tentativas de fraudes por meio de e-mails falsos, onde os criminosos cibernéticos atraem as vítimas para acessarem cópias de páginas idênticas a de sites como o da própria empresa ou de serviços. O vishing, é executado pelo atacante em ligações telefônicas, a fim de obter informações estratégicas da empresa, ou também para realizar compras ou saques em nome da vítima.

Já o smishing, por sua vez, testa golpes por sms e mensagens via celular, onde o usuário do telefone é convencido a baixar um vírus ou malware em seu dispositivo móvel ou a fornecer seus dados pessoais.

Também tornou-se comum entre os cibercriminosos o pretexting, que ocorre quando o atacante finge ser um colega de trabalho ou o chefe a fim de exercer sua autoridade para demandar ações, solicitar informações ou simplesmente usufruir de seus benefícios, podendo ocorrer via e-mail, telefone, SMS e até mesmo pessoalmente.

Já o quid pro quo, não tão popular mas que vem crescendo diariamente, é um ataque que ocorre no processo de troca e não necessariamente envolve bens financeiros e é executado, por exemplo, quando as vítimas respondem a uma pesquisa e assinam com seus dados pessoais para validação, facilitando para os cibercriminosos o roubo de seus dados.

Todas essas formas de ataques consistem em gatilhos que envolvem o emocional da equipe, como a curiosidade, preguiça, comoção, vaidade e ansiedade.

E, para que todos estejam preparados para os dias longe do ambiente formal de trabalho sem correr riscos, o ideal é que a organização crie, no mínimo, processos internos, como por exemplo, definir canais formais para que mensagens importantes trocadas pelos colaboradores possam ser autenticadas e que se precisarem de ajuda, isso seja feito de maneira organizada e em um ambiente próprio para isso.

Auxílios informais devem ser evitados, como pedir ajuda a pessoas que não façam parte da equipe de TI da empresa, além do mais, os colaboradores também devem ser instruídos a não acessarem arquivos sensíveis quando logados no ambiente corporativo em seus dispositivos.

Por isso, treinamentos e testes preventivos para a conscientização de toda a  organização devem ser investimentos a pequeno e médio prazo, assim, os possíveis ataques cibernéticos serão combatidos na mesma proporção.

Home office escancara vulnerabilidades

Dez dicas da Forcepoint para potencializar o home office sem riscos à cibersegurança

Sobre a Compugraf 

A Compugraf é a provedora de soluções de segurança da informação e privacidade de dados das principais empresas brasileiras. Responsável pela implementação e operacionalização de sistemas completos de segurança digital, da tecnologia ao comportamento humano, além disso, a empresa é a principal parceira brasileira de gigantes globais do mercado, como: Check Point, F5, Fortinet, OneTrust, Algosec, Senha Segura, IBM, entre outros.

Com mais de 35 anos de mercado e 100% brasileira, a Compugraf reúne um time de mais de 100 colaboradores qualificados e certificados que proporcionam operações mais seguras para mais de 300 clientes ativos em nível nacional. cibernéticos 

Home Office: como a tecnologia impulsionou um novo paradigma de trabalho

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! cibernéticos 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID cibernéticos 

contato@cryptoid.com.br  cibernéticos 
+55 11 3881 0019  cibernéticos 
Pular para a barra de ferramentas