Últimas notícias

Fique informado
O que é o open banking e como ele funciona

O que é o open banking e como ele funciona

14 de julho de 2021

Spotlight

Philip R. Zimmermann apresenta o 3º episódio AET Security Topics: Quantum Key Distribution

Philip R. Zimmermann, um dos maiores criptógrafos, apresenta uma nova webserie. Não perca o 1º episódio! Com legenda em português!

15 de setembro de 2021

NSA publica atualização sobre criptografia resistente a quantum

A NSA publicou o FAQ “Quantum Computing and Post-Quantum Cryptography. Confira nesse artigo!

3 de setembro de 2021

A condição paradoxal do hacktivismo

O início dos anos 2000 foi marcado pela formação do movimento Anonymous e por ataques relevantes, classificados como hacktivistas.

1 de setembro de 2021

CertForum 2021: Fórum Mundial de Assinatura Digital

Como parte integrante do CertForum, será realizado o Fórum Mundial de Assinatura Digital, com o objetivo de ampliar o debate do uso da assinatura digital.

1 de setembro de 2021

CertForum 21: evento on-line para quem quer saber tudo sobre identificação digital e documentos eletrônicos

O CertForum é realizado pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) e organizado pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (ABRID).

31 de agosto de 2021

Open Banking: Como essa tecnologia se relaciona com o Certificado Digital

O Open Banking, ou sistema financeiro aberto, é uma nova modalidade financeira que visa democratizar o acesso a serviços

5 de julho de 2021

Afinal, quais as reais oportunidades de negócio que o Open Banking pode gerar?

A operação do Open Banking envolverá os clientes, as instituições financeiras e de pagamento autorizadas a funcionar pelo Banco Central que lhes oferecem serviços

7 de junho de 2021

O que é NFT? Entenda como funciona essa tecnologia

Tal como as Assinaturas Eletrônicas realizadas por Certificado Digital, a partir do momento em que são criados, os NFTs não podem sofrer alterações

31 de maio de 2021

Empresas do Brasil se unem para capacitar de graça e empregar estudantes em blockchain, tecnologia e mercado financeiro

A Investtools e a Grana Capital, fintechs parceiras incubadas no Instituto Gênesis, da PUC-Rio, estão oferecendo um programa de formação para universitários, na área de tecnologia para o mercado financeiro

5 de abril de 2021

O impacto do Open Banking para o mercado financeiro

Desde o anúncio do open banking, um dos pontos mais questionados foi a segurança e a privacidade dos dados.

30 de março de 2021

Investindo em inovações no mercado financeiro

Lançamento do PIX; modernização da legislação cambial; agilização e ampliação da concessão de microcrédito a pequenos empreendedores; e lançamento da cédula de R$ 200 fizeram parte do mercado financeiro

14 de dezembro de 2020

Entenda como o Pix e o Open Banking vão revolucionar a vida dos brasileiros

O Bacen tem trazido atualizações necessárias para levar o ecossistema bancário brasileiro a um novo patamar de inovação e equipará-lo aos mercados mundiais mais avançados.

10 de setembro de 2020

O PIX na visão de advogados especialistas em Mercado Financeiro

O BC decidiu considerar os participantes indiretos do PIX como integrantes do SPB. Essa qualificação gera um aumento significativo das obrigações regulatórias.

3 de setembro de 2020

Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD): Quais os impactos no mercado financeiro? – Ouça

A LGPD tem o objetivo de fazer com que as empresas sejam mais transparentes e expandir os direitos de privacidade dos titulares de dados.

28 de fevereiro de 2019

Saiba o que vai mudar na vida dos brasileiros com a expansão do open banking e quais benefícios o sistema financeiro aberto pode trazer para você

Imagine uma loja virtual onde você pode escolher os produtos financeiros que melhor atendem às suas necessidades e, se desejar, contratar um cartão de crédito em uma instituição, um empréstimo em outra e uma conta corrente em uma terceira.

Tudo isso sem precisar fornecer um monte de informação para cada uma dessas instituições.

Esse é o conceito básico, para o consumidor, do sistema de open banking (banco aberto) ou open finance (sistema financeiro aberto) que está sendo implantado no Brasil pelo Banco Central em conjunto com os bancos e demais instituições que integram o sistema financeiro do país. 

A novidade chega para revolucionar o jeito de contratar produtos e serviços financeiros no Brasil e foi inspirada em um modelo que começa a ser adotado em vários países ao redor do mundo.

A principal referência internacional no tema é o Reino Unido, que saiu na frente e implantou o open banking em 2018, mas o sistema também está presente na União Europeia, Austrália, Canadá, Cingapura, Estados Unidos, Hong Kong, Japão, Índia, México e Nova Zelândia, entre outros países.

O que é o open banking

O open banking permite que os clientes das instituições financeiras, de pagamentos e outras autorizadas a funcionar no Brasil pelo Banco Central autorizem o compartilhamento de seus dados com outras instituições das quais desejam contratar produtos de crédito, investimentos ou apenas centralizar, em um só aplicativo, as diversas movimentações financeiras que possuem em diferentes bancos.

Tudo de forma segura, dentro do internet banking ou do aplicativo de seu banco no seu celular. O sistema tem o potencial de facilitar a vida de clientes individuais e empresas com mais acesso a produtos financeiros de menor custo e maior conveniência.

Para que o cliente conte com essa conveniência, terá que autorizar o compartilhamento de suas informações com a outra instituição, e a decisão para o compartilhamento é sempre do próprio cliente.

O open banking foi criado pelo Banco Central exatamente com essa finalidade: “aumentar a eficiência e a competição no sistema financeiro nacional e abrir espaço para a atuação de novas empresas no setor”, segundo definição da própria instituição.

Na prática, ele vai facilitar a circulação de informações no sistema financeiro, permitindo que pessoas e empresas:

– Conheçam melhor os produtos e serviços financeiros.

– Comparem preços de tarifas e taxas para a contração de crédito.

– Tenham um histórico de relacionamento com diferentes instituições financeiras.

– Compartilhem seu histórico de relacionamento e outros dados com as instituições com as quais querem trabalhar.

– Sejam beneficiados com melhores taxas e tarifas.

– Tenham mais acesso a crédito e outros produtos e serviços financeiros.

A plataforma também abre um mundo de oportunidades para os bancos, fintechs e outras instituições inovarem na abordagem dos clientes e desenvolverem serviços sob medida para atendê-los.

O open banking faz parte do movimento de modernização do sistema financeiro iniciado há alguns anos no país e que levou ao lançamento do PIX em 2020.

Como o open banking funciona

O open banking não é um site nem um aplicativo. É uma padronização de tecnologias que facilitará o compartilhamento das informações dos clientes entre instituições.

Isso é feito por um meio muito seguro, que são as APIs (Application Programming Interfaces, ou seja, interfaces de programação de aplicações) e nos canais das próprias instituições.

A API de open banking é como uma ponte que liga um ponto a outro. Ela possibilita que o cliente, que tem conta no banco A e quer compartilhar seus dados com o banco B para comprar um serviço qualquer, faça isso de um jeito muito fácil.

Quais são os benefícios do open banking

Mais saúde financeira

Com o open banking você pode comparar serviços e escolher o que melhor serve para você, sem gastar muito tempo fazendo pesquisas ou comparando produtos que têm características diferentes em diversas instituições. Isso facilita manter as finanças em dia, buscando os serviços financeiros que tragam mais benefícios para você ajudem no seu dia a dia.

Tarifas e prazos mais visíveis

Você poderá pesquisar e comparar taxas e prazos das linhas de crédito e escolher aquele que traga mais benefícios para você. Exemplo: você tem conta corrente no banco X, mas gostou da oferta de crédito do banco Y, com o open banking você pode contratar o serviço de crédito do banco Y sem necessariamente ter uma conta corrente nele.

Foco na solução dos seus problemas

Com a universalização de acesso aos dados bancários, a competitividade aumenta entre as instituições à medida em que você, cidadão, tem maior autonomia de escolha. Para conquistar a sua preferência, elas terão que se destacar criando soluções para os seus problemas. E, por consequência, você poderá obter tarifas mais baixas e condições mais vantajosas.

Aplicativos de orientação e planejamento financeiro

A expectativa é que, no processo de desenvolvimento do open banking, surjam aplicativos que unifiquem diferentes serviços financeiros em uma única ferramenta, facilitando a sua vida.

Se você investe na corretora X, tem uma conta corrente em um banco Y, e ainda contratou crédito na instituição Z, você pode, com alguns cliques, monitorar e suas fazer movimentações em um único lugar. Isso apenas vale para as instituições que participam do Open Banking.

Facilidades para fazer pagamentos

Já pensou poder fazer pagamentos usando o WhatsApp, por exemplo? O sistema do open banking possibilita a criação de outras formas de pagamentos que usem a tecnologia e sejam seguros.

Segurança e controle na sua mão

Você escolhe como, quando e com qual instituição quer compartilhar os seus dados cadastrais, sendo que esse compartilhamento só poderá ser concluído com o seu consentimento.

Esse serviço deve ser gratuito, ou seja, você poderá conceder seus dados e as instituições não podem cobrar pela troca que farão entre si nem de você.

As instituições participantes devem obedecer às regras estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Banco Central. Essas regras abrangem as responsabilidades pelo compartilhamento e as características obrigatórias desse processo, que inclui as etapas de consentimento (autorização de compartilhamento), autenticação (verificação de identidade) e confirmação. 

Adicionalmente, as instituições participantes, por meio da estrutura responsável pela governança do Open Banking, devem adotar padrões tecnológicos, procedimentos operacionais e outros aspectos necessários à implementação do sistema financeiro aberto.

Quais dados serão compartilhados e com quem?

É você quem vai decidir. A sua instituição só pode compartilhar seus dados cadastrais e das operações que você já realizou com ela quando você solicitar. Esse pedido será feito em três etapas:

– Consentimento – Você pede ou dá um ok para o compartilhamento.

– Autenticação – Faz o login no aplicativo ou internet banking.

– Confirmação – Autoriza formalmente o compartilhamento.

A autorização é para finalidades e prazos específicos. Você pode, por exemplo, pedir para seu banco compartilhar seus dados por um mês com uma finctech da qual você quer contratar um empréstimo.

Novidades do Open Banking em 2021

A implementação do open banking acontece em quatro fases e se estenderá ao longo de 2021. Na primeira etapa, implantada em fevereiro, foram contemplada informações sobre os canais de atendimento das instituições financeiras, produtos e serviços mais relevantes, como contas de depósito à vista e operações de crédito.

A seguir, você conhece os serviços contemplados nas próximas etapas e as datas de implementação, de acordo com o Banco Central.

15/7: Cadastro rápido e mais serviços

Preencher formulários e fazer cadastros são tarefas extintas para quem utiliza o Open Banking.

Isso porque a partir de 15 de julho, os consumidores podem solicitar produtos ou serviços financeiros a instituições das quais não são clientes, usando apenas um de seus dados cadastrais (nome, número de documento ou endereço, por exemplo). 

Com essa informação, as instituições que participam do Open Banking podem acessar a sua ficha cadastral, desde que você as autorizem. Você também poderá compartilhar informações sobre suas transações de conta corrente, poupança, cartões e operações de crédito.

30/8: Comparar preços de produtos e serviços financeiros

A partir desta data, se desejar, você pode receber, comparar e contratar propostas de crédito de diferentes instituições, não apenas daquela em que você tem conta.

Ampliam-se, assim, as oportunidades para escolher as propostas mais vantajosas e adequadas ao seu perfil.

Todos os serviços básicos das instituições cadastradas no sistema de open banking estarão disponíveis, na próxima etapa, para que você tenha mais liberdade para escolher o que pretende contratar.

15/12: Compartilhar dados de operações bancárias

Na fase final de implementação do Open Banking, você poderá compartilhar informações também sobre suas operações de câmbio, investimentos, seguros, previdência com outras instituições e receber propostas, ampliando leque de escolhas.

Vale lembrar que também o compartilhamento desses dados só acontece com a sua autorização prévia e específica.

Quais instituições participam do open banking

São obrigados a participar do open banking todos os grandes bancos que atuam no país (múltiplos, comerciais, de investimento, câmbio e caixas econômicas) dos chamados segmentos S1 e S2.

Além deles, participam instituições com contas de depósito à vista, poupança e de pagamentos e correspondentes de crédito eletrônico. Para as demais instituições autorizadas pelo Banco Central, a participação é voluntária.

Fonte: Meu Bolso em Dia

Serasa Experian lança novos modelos de certificado digital para operação no Open Banking

Marcelo Fernandes da FICO fala sobre a segunda fase do open banking

Open Banking: Como essa tecnologia se relaciona com o Certificado Digital