Últimas notícias

Fique informado

A Transformação Digital está nas nuvens

7 de julho de 2021

Spotlight

Facebook fala sobre o incidente de 4 de outubro

“Agora que nossas plataformas estão funcionando normalmente após a interrupção de 4 de outubro achei que valeria a pena compartilhar,”Santosh Janardhan.

6 de outubro de 2021

Let’s Encrypt root cert update catches out many big-name tech firms

A legacy certificate used by the certificate authority – the IdentTrust DST Root CA X3 – expired on September 30.

6 de outubro de 2021

Zero Trust e viagens pós-COVID ocupam o centro das atenções no Identity Week 2021

Identity Week 2021 será realizado de 22 a 23 de setembro de 2021 em Londres e reúne as mentes mais brilhantes do setor de identidades.

27 de setembro de 2021

Entrevista com Oscar Zuccarelli da Certisign sobre segurança cibernética

Oscar Zuccarelli, Gerente de Segurança da Informação, Proteção de Dados e Prevenção a Fraudes da Certisign.

22 de abril de 2021

Veja o que diz a Serasa sobre as mudanças na declaração IRPJ 2021. Ouça

A Serasa Experian é líder na América Latina em serviços de informações para apoio na tomada de decisões das empresas.

3 de fevereiro de 2021

Tudo o que os comerciantes precisam saber sobre o PIX pela Soluti. Ouça

A Soluti, especialista em tecnologia da informação, explica em detalhes o funcionamento do PIX para os comerciantes

14 de dezembro de 2020

AET Europe e AARB reunem-se para gerar negócios para as ARs

AET Europe é uma empresa global na área de soluções de segurança digital. Com matriz na Holanda, escritórios na Suíça e em Portugal e representação no Brasil.

12 de abril de 2019

A computação em nuvem foi a responsável por proporcionar a mesma infraestrutura tecnológica dos escritórios aos colaboradores em suas casas

Por Gustavo Migliorini Arruda

Gustavo Migliorini Arruda é gerente de Cloud da Engineering

Sabemos que a pandemia da Covid-19 foi a impulsão para a Transformação Digital.

Entretanto, há um tópico dentro deste universo que estava e está em pauta nas empresas muito antes das discussões sobre vacinas permearem nossa sociedade: a nuvem, uma das principais tecnologias facilitadoras e aliadas à inovação ao considerarmos a experiência do cliente, a eficiência operacional e os novos modelos de negócio.

Durante a pandemia, as empresas tiveram rapidamente que digitalizar e escalar seus processos para continuar operando e, todas essas mudanças passaram e ainda passam pela nuvem.

A computação em nuvem foi a responsável por proporcionar a mesma infraestrutura tecnológica dos escritórios aos colaboradores em suas casas, permitindo que não houvesse grandes impactos operacionais. 

Segundo o Relatório de Nuvem Híbrida deste ano, realizado pela NTT, 93,7% dos negócios globais afirmaram ver a nuvem como crítica para atender necessidades imediatas em meio às incertezas ainda provocadas pela pandemia, além de ser considerada uma “salvação para os negócios”.

Isso significa que a nuvem ganhou notoriedade dada a agilidade e a flexibilidade que proporciona às empresas, principalmente para se adequarem às demandas urgentes impostas pelo cenário atual, além de deter baixo custo, segurança e resiliência. 

Mas, como falamos, mesmo saindo deste contexto pandêmico e partindo para outra necessidade iminente, a experiência do cliente, vemos o protagonismo desta tecnologia.

Aqui, temos a máxima de “conseguir o que precisa, quando precisa e ainda pagar pouco”, e, neste ponto, a nuvem é essencial, pois em apenas alguns minutos ou até segundos é possível disponibilizar vários tipos de serviços por um preço que se adequa a qualquer necessidade e de fácil acesso a partir de qualquer localidade e dispositivo móvel. 

Não é à toa que a nuvem ultrapassou pela primeira vez as receitas de hardware. Enquanto a nuvem atingiu participação de 10% no mercado de TI em 2020, o hardware se manteve estável em 9%, segundo o Gartner.

A nuvem pública certamente foi a mais acessada num primeiro momento devido à facilidade de adesão, a capacidade e ao armazenamento promovidos pelo modelo.

Porém, a tendência é que o mercado experimente daqui por diante o modelo híbrido para todas suas demandas, que podem combinar opções On Premises e a oferta de provedores públicos de larga escala. 

Num futuro próximo, em 2022, a IDC (International Data Corporation) prevê que 70% das empresas vão integrar gerenciadores de cloud — entre nuvens privadas e públicas — por meio dos modelos Híbridos e MultiCloud. 

Partindo para a eficiência operacional, podemos dizer que a nuvem agrega nativamente os projetos de continuidade de negócios.

Por meio de suas características de regiões geográficas espalhadas ao redor do mundo e zonas de disponibilidade em várias localidades de um determinado país, inclusive o Brasil, é possível configurar planos de DR (Disaster Recovery) e até mesmo GDR (Geographic Disater Recovery) para o negócio contando com alta disponibilidade para gerenciar soluções por custos que não sejam proibitivos. 

Por último, mas não menos importante, nada mais aderente ao objetivo de novos modelos de negócio do que as opções de utilização de cloud. Começando em Infrastructure as a Service (IaaS), passando por Platform as a Service (PaaS), Software as a Service (SaaS) ou até Serverless e Function as a Service (FaaS), hoje é possível mesclar diferentes modelos existentes no mercado. 

Vivendo num ecossistema de negócios cada vez mais ágil e flexível como pudemos constatar recentemente, precisamos urgentemente priorizar novas culturas e metodologias como DevOps e DevSecOps, que podem acelerar a Transformação Digital ainda mais, mas sem nos esquecermos de que toda e qualquer inovação passa e ainda passará pela nuvem. 

Sobre a Engineering

Companhia global de Tecnologia da Informação e consultoria especializada em Transformação Digital com mais de 40 anos de atuação.

Com presença na Europa, América do Norte e América Latina, contribui para a modernização do mundo, combinando tecnologias de última geração, infraestruturas tecnológicas organizadas em um único multicloud para ampliar e interpretar novos modelos de negócios.

Os projetos desenvolvidos pela empresa transformam-se numa melhor relação entre custo, agilidade e inovação para os clientes.

Com mais de 11 mil profissionais e projetos em mais de mil clientes de grande porte nos mais diversos segmentos de mercados, a experiência do Grupo aprimora-se ainda mais pelo investimento contínuo em Pesquisa e Desenvolvimento, contando com mais de 250 pesquisadores, além de parcerias com os principais centros de pesquisa e universidades do mundo.

Alta demanda de gerenciamento remoto impulsionou mercado de nuvem híbrida, diz novo relatório ISG

As vantagens da nuvem pública, independente do tamanho do seu negócio

Como escolher o melhor banco de dados na nuvem