Últimas notícias

Fique informado

WhatsApp atrasa a controversa atualização da política de privacidade de compartilhamento de dados em 3 meses

16 de janeiro de 2021

Spotlight

PL 317/21: Plenário aprova criação do Governo Digital

O PL 317/2021, conhecido como o do Governo Digital segue agora para sanção presidencial.

26 de fevereiro de 2021

Qual é o valor legal de uma assinatura eletrônica?

No passado, muitas pessoas relutavam em usar documentos ou assinatura eletrônica, questionando sua validade legal e a capacidade de usá-los como evidência ​​em processos judiciais ou demais contextos jurídicos

25 de fevereiro de 2021

Diretor da Digicert fala sobre os megavazamentos no Brasil e as novas relações de confiança na internet

Segundo Dean Coclin , “Os consumidores devem agora olhar além da fechadura para verificar se o site é autêntico”.

24 de fevereiro de 2021

Assinatura Eletrônica nos contratos e em outros atos jurídicos

“A assinatura eletrônica decorrente de certificados emitidos no âmbito do ICP-Brasil é eficaz para qualquer ato jurídico por força do art. 10 da MP 2.200-2/2001”

23 de fevereiro de 2021

Mergulhando e Navegando no Submundo da Deep Web

Deep Web (dark web, deepnet, invisible net, undernet, ou hidden web) refere-se a qualquer rede fechada que compreende um grupo privado de pessoas, que querem se comunicar.

25 de julho de 2016

Anvisa é favorável ao Receituário Eletrônico com a utilização de assinatura digital ICP-Brasil

Todas as receitas digitais, para serem válidas, deverão estar assinadas digitalmente usando a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileiras -ICP-Brasil.

4 de março de 2020

Prescrição Médica Digital deverá ter Assinatura Digital com Certificados ICP-Brasil

A prescrição eletrônica necessitará de regulamentação própria uma vez que os documentos devem ter certificação e assinatura digital.

12 de outubro de 2019

A desinformação sobre a privacidade e a segurança do WhatsApp

Por – Ravie Lakshmanan • 16 de janeiro de 2021| The Hacker News

O WhatsApp disse na sexta-feira que não aplicaria sua polêmica atualização da política de compartilhamento de dados recentemente anunciada até 15 de maio.

Originalmente programado para entrar em vigor no próximo mês em 8 de fevereiro, o atraso de três meses vem após “muita desinformação” sobre uma revisão de sua política de privacidade que permite que o WhatsApp compartilhe dados com o Facebook, gerando preocupações generalizadas sobre o tipo exato de informação que será compartilhado sob os termos de entrada.

Desde então, a empresa de propriedade do Facebook esclareceu repetidamente que a atualização não expande sua capacidade de compartilhar bate-papos pessoais do usuário ou outras informações de perfil com o Facebook e, em vez disso, está simplesmente fornecendo mais transparência sobre como os dados do usuário são coletados e compartilhados ao usar o aplicativo de mensagens para interagir com as empresas.

“A atualização inclui novas opções que as pessoas terão para enviar mensagens para uma empresa no WhatsApp e fornece mais transparência sobre como coletamos e usamos os dados”, disse o WhatsApp em um post.

“Embora nem todo mundo compre com uma empresa no WhatsApp hoje, achamos que mais pessoas escolherão fazê-lo no futuro e é importante que as pessoas estejam cientes desses serviços. Esta atualização não expande nossa capacidade de compartilhar dados com o Facebook.”

Em 6 de janeiro, o WhatsApp começou a alertar seus 2 bilhões de usuários sobre uma nova política e termos de privacidade como parte de seus esforços mais amplos para integrar melhor o WhatsApp com outros produtos do Facebook e em meio a seus planos de transformar o WhatsApp em um provedor de serviços comerciais e empresariais .

Segundo os termos propostos – que tratam de como as empresas gerenciam seus bate-papos no WhatsApp usando os serviços de hospedagem do Facebook – o WhatsApp compartilharia dados adicionais com o Facebook, como número de telefone, informações relacionadas ao serviço, endereço IP e dados de transações para quem usa o bate-papo empresarial.

A notificação pop-up também deu aos usuários um ultimato para aceitar a nova política até 8 de fevereiro ou correr o risco de perder a capacidade de usar o aplicativo.

A confusão em torno da atualização, juntamente com nenhuma outra opção de discordar além do encerramento da conta, levou a um maior escrutínio na ÍndiaItália e Turquia, sem mencionar um êxodo de usuários para concorrentes de mensagens com foco na privacidade, como Signal e Telegram.

Nos dias que se seguiram, o Signal se tornou um dos aplicativos mais baixados no Android e iOS, em parte impulsionado por um tweet do CEO da Tesla, Elon Musk, que pediu a seus seguidores “Use Signal”.

No início desta semana, o Telegram disse que ultrapassou a marca de 500 milhões de usuários ativos, ganhando mais de 25 milhões de novos usuários em todo o mundo em 72 horas.

É importante notar que o WhatsApp, de fato, compartilha algumas informações da conta do usuário com o Facebook desde 2016, como números de telefone, exceto para aqueles que optaram por não compartilhar quando reformulou a política de privacidade naquele ano e deu aos usuários a capacidade única de não têm os dados de suas contas entregues ao Facebook.

O WhatsApp, em um FAQ separado publicado esta semana, tentou esclarecer as dúvidas enfatizando que “vê suas mensagens pessoais ou ouve suas chamadas, e nem o Facebook”, e que não compartilha os contatos dos usuários e informações de localização.

Com a empresa recuperando algumas de suas mensagens anteriores, resta saber se o tempo extra a ajudará a superar a polêmica e a “esclarecer a desinformação sobre como a privacidade e a segurança funcionam no WhatsApp”.

Fonte: The Hacker News

Siga o Crypto ID no Linkedin e acompanhe as atualizações sobre inovação e segurança da informação com foco em eIDs e Criptografia!