Últimas notícias

Fique informado

Data Centers investem em baixa latência para atrair clientes

4 de janeiro de 2021

Spotlight

Veja o que diz Miguel Martins da AET Europe sobre gerenciamento de eIDS

Como traçar a estratégia de IAM para sua organização? Confira o que diz a AET Europe, líder global em gerenciamento de identidades.

19 de janeiro de 2021

Reconhecimento facial sem prova de vida está com os dias contados, afirma CEO de uma das principais plataformas brasileiras de biometria facial

Conversamos com José Luis Volpini, CEO da CredDefense, uma das pioneiras e mais conceituadas plataformas de biometria facial do mercado brasileiro.

6 de janeiro de 2021

Carimbo do Tempo dá início ao fim da era dos protocolos proprietários na ICP-Brasil. Ouça

Segundo Dr. Roberto Gallo, o fim da era dos protocolos proprietários na ICP-Brasil tem data marcada e deve beneficiar fabricantes, prestadores de serviços e clientes finais.

28 de dezembro de 2020

Tempo de latência impacta diretamente na qualidade do serviço da rede e na operação do negócio de Data Center

Em um mundo de conexões, investir em um data center, local onde ficam concentrados os sistemas computacionais de uma empresa ou organização, é fundamental para a empresa que deseja uma boa relação com o usuário.

Alguns pontos essenciais para analisar o bom funcionamento de um data center, como o tempo de latência, um dos diferenciais que os serviços de hosting buscam para conseguir atender os clientes com uma qualidade melhor de serviço.

Quanto menor o tempo de latência, mais ágil o cliente e os próprios funcionários de determinada empresa poderão acessar as informações e serviços disponíveis.  

Segundo Rodrigo Assad, sócio na Ustore, empresa de computação em nuvem instalada no Porto Digital, o tempo de latência pode beneficiar ou prejudicar diretamente a interação do usuário com os serviços ofertados pelas empresas.

Rodrigo Assad – CNO at USTORE

“A latência está associada ao atraso em rede. Quanto mais atraso e demora pior para a percepção do usuário do serviço. Imagina um Black Friday, Natal, ou uma campanha que você faz e tem um pico de usuários e eles ficam represados porque o tempo de acesso na rede de aplicação ficou muito lento ou lançou um curso online e você tem milhares de usuários tentando acessar, mas eles não conseguem porque a latência da rede é ruim, isso prejudica a empresa”, explica Rodrigo Assad.

A empresa pernambucana Petronac Combustíveis é um exemplo de que o tempo de latência é um ponto crucial para os empreendimentos. Atuando em 15 estados do Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte e atendendo a 3.800 postos, a distribuidora tercerizou recentemente seu data center local em parceria com a Surfix Data Center, sediada no Recife.

“Atualmente a Petronac tem um data center de forma híbrida, um na nuvem pública da Microsoft e um local também. Em nossa parte de vendas e atendimento ao cliente, como a gente utiliza uma tecnologia digital para esses atendimentos que é o VoIP, um serviço extremamente sensível, requer de fato uma latência extremamente baixa para um bom desempenho. Estamos nesse projeto com a Surfix, a empresa apresentou pra gente um grande diferencial que foi a baixa latência”, explica o coordenador de TIC Igor Thorp.

Há 18 anos no mercado, a Surfix Data Center, único data center corporativo em operação em Pernambuco, oferece aos clientes um tempo de latência mínimo, o que faz com que mais empresas procurem o data center local. Um exemplo são empresas que utilizam sistemas cliente/servidor mais antigos, nos quais o sistema acessa diretamente o banco de dados. Blocos de storage (HD em disco) também são muito sensíveis à latência.

Wagner Medeiros – Diretor de Tecnologia da Surfix

“A Surfix entra apresentando uma baixa latência para os clientes. Nós temos uma estrutura bem parecida com as empresas grandes, e pegamos as infraestruturas dos clientes e colocamos aqui dentro do nosso data center. Como a gente consegue colocar uma fibra óptica nossa até os pontos que são as lojas do cliente ou o escritório, por exemplo, a latência fica muito pequena, de 1 milissegundo em Pernambuco, 2 milissegundos fora de Pernambuco e até 5 milissegundos fora do Nordeste.”

Então isso faz com que algumas aplicações muito críticas a gente consiga colocar aqui e o cliente não precisa mais ter isso dentro da casa dele”, destaca o diretor de Tecnologia da Surfix, Wagner Medeiros. 

Fonte: Folha de Pernanbuco

Crise de 2020 ressalta a importância dos data centers na economia digital brasileira

Brasil exporta data centers pré-fabricados para a América Latina e para o mundo

Brasil exporta data centers pré-fabricados para a América Latina e para o mundo