Últimas notícias

Fique informado

No Brasil, 96% das empresas assumem ter sofrido um ataque cibernético nos últimos 12 meses

12/08/2020

Spotlight

A sanção da Lei 14.063 de 2020, segundo agência Senado.

A nova lei cria dois novos tipos de assinatura eletrônica em comunicações com entes públicos e em questões de saúde: simples e avançada.

25/09/2020

Lei Geral de Proteção de Dados Brasileira – LGPD começa a valer

Começa a valer nesta sexta 18 de setembro de 2020 conforme o texto aprovado pelo Senado .

18/09/2020

Como gerenciar Identidades Digitais em empresas públicas e privadas? Ouça

Sobre como gerenciar eIDs, conversamos com Luís Correia – Business Development da AET EUROPE, empresa global na área de soluções de segurança digital.

02/09/2020

Crise de habilidades de carreira em cibersegurança piora pelo quarto ano consecutivo

Falhas na orientação de carreira em cibersegurança, no investimento na equipe e na integração de segurança e negócios podem impactar até 70% das organizações.

04/08/2020

Hackers atacam universidades privadas de São Paulo

Universidades brasileiras não promovem cultura de segurança entre sua comunidade.

31/07/2020

A maior parte das organizações brasileiras (96%) sofreu um ataque cibernético que afetou o negócio nos últimos 12 meses, segundo executivos de negócios e de segurança

Os dados são extraídos do relatório “The Rise of the Business-Aligned Security Executive”, um estudo encomendado à Forrester Consulting pela Tenable, empresa de segurança da informação, com mais de 800 líderes globais de negócios e de segurança cibernética, incluindo 59 entrevistados brasileiros.

À medida que os criminosos cibernéticos continuam seus ataques, 67% dos entrevistados no Brasil testemunharam um aumento drástico no número de ataques que afetaram o negócio nos últimos dois anos.

As organizações relataram entre os impactos dos ataques, a perda de produtividade (46%), perda ou roubo financeiro (33%) e perda de dados de funcionários (32%). Em torno de 53% dos líderes de segurança no Brasil afirmam que as ações criminosas também atingiram ambientes de tecnologia operacional (OT).

A pesquisa aponta que apenas quatro em cada dez líderes locais de segurança afirmam poder responder à pergunta fundamental “Qual é o nosso nível de segurança?” com um alto nível de confiança, apesar da prevalência de ataques cibernéticos que afetaram o negócio.

O relatório destaca que menos de 50% dos líderes de segurança disseram incluir ameaças de segurança cibernética no contexto de um risco empresarial específico.

Por exemplo, embora 96% dos entrevistados tenham desenvolvido estratégias de resposta à pandemia da COVID-19, 75% dos líderes de negócios e de segurança admitiram que suas estratégias de resposta estavam apenas “um pouco” alinhadas.

As organizações com líderes de segurança e de negócios alinhados à medição e ao gerenciamento da segurança cibernética como risco estratégico do negócio obtiveram resultados que podem ser comprovados.

Comparados aos seus pares isolados, os líderes de segurança alinhados ao negócio:

Têm oito vezes mais chances de estarem altamente confiantes em sua capacidade de relatar o nível de segurança ou risco de suas organizações.

Estão muito ou completamente confiantes (90%) em sua capacidade de demonstrar que os investimentos em segurança cibernética estão afetando positivamente o desempenho dos negócios, em comparação com 55% de seus parceiros isolados

Em sua maioria (85%), têm métricas para rastrear o ROI de segurança cibernética e o impacto no desempenho dos negócios, ao contrário de apenas 25% de seus pares isolados.

○As organizações com líderes de segurança cibernética alinhados ao negócio também:

○Têm três vezes mais chances de garantir que os objetivos de segurança cibernética estejam em sintonia com as prioridades dos negócios.

○Têm três vezes mais chances de ter um entendimento holístico de toda a superfície de ataque de sua organização.

○Têm três vezes mais chances de usar uma combinação de dados de criticidade de ativos e de vulnerabilidade ao priorizar os esforços de remediação.

Renaud Deraison – Diretor de tecnologia e cofundador da Tenable

“No futuro, haverá dois tipos de CISOs: aqueles que se alinham diretamente ao negócio e os que ficaram para trás. A única maneira de prosperar na era de aceleração digital é integrar a segurança cibernética a todas as questões, decisões e investimentos do negócio”, explica Renaud Deraison, Diretor de tecnologia e cofundador da Tenable.

Fonte: Convergência Digital

Quatro motivos para investir na autenticação de múltiplos fatores com Inteligência Artificial

Grupo Lazarus experimenta com novo ransomware

Mais de 30% dos brasileiros se acha “comum” demais para ser hackeado

Apresente suas soluções e serviços no Crypto ID! 

Nosso propósito é atender aos interesses dos nossos leitores, por isso, selecionamos muito bem os artigos e as empresas anunciantes. Conteúdo e anúncios precisam ser relevantes para o mercado da segurança da informação, criptografia e identificação digital. Se sua empresa é parte desse universo, baixe nosso Mídia Kit, escreva pra gente e faça parte do Portal Crypto ID!

ACESSE O MÍDIA KIT DO CRYPTO ID

contato@cryptoid.com.br  
+55 11 3881 0019