Últimas notícias

Fique informado

Quais são os impactos da LGPD na experiência do cliente? Entenda aqui. Ouça

19/11/2020

Spotlight

ITI é um dos representes do Brasil na IV Reunião Ministerial da Red Gealc sobre Governo Digital da América Latina e Caribe

A Rede de Governo Eletrônico da América Latina e Caribe, Red GEALC, reúne – desde 2003 – as autoridades dos órgãos governamentais digitais dos países da região.

19/11/2020

Cidadãos poderão assinar documentos e validar transações com o governo de forma simples e eletrônica

O gestor público poderá adequar o nível de assinatura eletrônica exigido em um serviço levando em consideração o nível de segurança da transação.

18/11/2020

Decreto 14.543/2020 regulamenta o artigo 5º da Lei 14.063/2020

O decreto 14.543/20 define alguns requisitos do artigo 5º Lei 14.063/2020.

16/11/2020

Entenda o Universo dos Certificados de Atributo

# TBT | Este artigo escrito em novembro de 2014, apresenta o que são Certificados de Atributo, como estão regulamentados, na época, para uso na ICP-Brasil, quais suas possíveis utilizações e como se tornar uma EEA – Entidade Emissora de Atributos. 

13/11/2020

HSM (Host Security Modules): o que são e quais são suas vantagens? Ouça

Tecnologia e praticidade devem andar juntas na rotina de qualquer negócio, uma vez que essa combinação contribui significativamente para o aumento da produtividade, tendo o HSM como aliado

12/11/2020

Após uma longa jornada de debates, ajustes e adiamentos, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) está bem próxima de entrar em vigor

A vigência da Lei nº 13.709/18 está prevista para se iniciar no dia 29 de dezembro de 2020. Então, tudo indica que as empresas, principalmente, têm um prazo curto para se prepararem para as mudanças.

Com a entrada em vigor da LGPD, uma série de ações deverão ser tomadas referentes ao tratamento de dados pessoais de terceiros, o que impactará diretamente a forma como os negócios e profissionais se relacionam com clientes. Nesse sentido, LGPD e experiência do cliente passarão a ter uma ligação bastante próxima.

Pensando nisso, publicamos este artigo para tratar melhor sobre o tema, mostrando como a vigência da Lei Geral de Proteção de Dados poderá impactar a experiência do cliente ao se relacionar com o seu negócio. Continue a leitura e fique por dentro desse importante assunto!

Qual a importância da LGPD na experiência do cliente?

Há poucos meses de entrar em vigor, os debates acerca da LGPD voltam a se tornar pauta comum dentro das empresas, principalmente.

De modo geral, essa legislação chega com o objetivo de aumentar a transparência no manuseio e tratamento de dados pessoais de clientes e usuários, tanto em meios físicos como em meios digitais.

Desde os primórdios, a LGPD foi sinônimo de desafio para os negócios, pois, além de técnica, é uma norma que exige uma série de adaptações por parte das empresas públicas e privadas, isso em termos de infraestrutura tecnológica e de cultura interna.

Diante da realidade que se aproxima, fato é que os impactos da LGPD sobre a experiência do cliente são inevitáveis. Na prática, a lei terá uma aplicabilidade mais visível em negócios que lidam diretamente com o consumidor (B2C). Logo, há diversas questões que poderão interferir na experiência do cliente.

Inicialmente, muitos gestores e líderes enxergaram a LGPD como um entrave para as operações. Contudo, já se percebe que a lei chega como um incentivo à transformação digital, otimizando processos de tratamento de dados e regulamentando-os, tudo isso em nome de mais confiabilidade e transparência.

A exemplo, com a LGPD em vigor, a relação entre empresa e consumidor, mais do que nunca, terá que se pautar na lealdade, profissionalismo e transparência. Nesse sentido, algumas exigências da lei vão ao encontro desses atributos, como:

  • a necessidade de consentimento do titular das informações para o tratamento dos seus dados;
  • o dever de informação sobre toda e qualquer atividade que envolva o acesso, armazenamento e compartilhamento de dados do usuário pela empresa;
  • acesso simplificado pelo titular a todos os seus dados que estão em poder da empresa;
  • direito à retirada de registros e revogação do consentimento.

O reforço à credibilidade

Sem dúvida, um dos grandes avanços trazidos pela LGPD se relaciona com a transparência na gestão de dados e informações sensíveis de terceiros. A partir da sua entrada em vigor, todas as empresas, públicas e privadas, terão que adotar padrões e parâmetros ainda mais rígidos em relação a como as informações do cliente/usuário são manuseadas.

Tal mudança trará um grande reforço na questão da credibilidade, apesar de representar um certo esforço adaptativo, principalmente considerando a realidade das pequenas e médias empresas, que nem sempre dispõem de setores especializados em tecnologia da informação e suporte jurídico.

A tendência é que o mercado se movimente para atender às exigências da LGPD, aprimorando seus processos internos e se alinhando ainda mais com atributos importantes, como o da segurança da informação e compliance.

Em geral, o consumidor tende a se sentir mais confortável na hora de se relacionar com as empresas, pois tem a garantia de que seus dados estarão protegidos e serão usados de maneira lícita e em seu benefício.

Personalização dos serviços e atendimento

Com a LGPD, o tratamento de dados pessoais terá parâmetros rígidos a serem seguidos, de modo que as empresas só poderão fazer aquilo que não é vedado.

Essa regulamentação, na prática, traz mais segurança jurídica aos negócios, que terão mais tranquilidade para utilizar os dados do consumidor, por exemplo, sem o risco de incorrer em violações.

Diante disso, as empresas poderão aproveitar ainda melhor os dados e informações dos seus consumidores e usuários.

Com dados mais qualitativos, por exemplo, as companhias podem desenvolver análises mais técnicas e precisas, identificar padrões de consumo e promover melhorias em seus serviços, produtos e atendimento, tudo com base em dados.

Com isso, é possível garantir uma personalização mais eficiente nas entregas, um ponto que se mostra determinante sobre a satisfação e fidelização do cliente, independentemente do segmento em que se atua.

Quais são as consequências de não se adequar à LGPD?

Por ter caráter legal e impositivo, a LGPD precisa ser respeitada por todos aqueles agentes que se enquadram nas prescrições dela. Sendo assim, para garantir a observância das novas regras, a lei também prevê uma série de penalidades que podem ser aplicadas em caso de violação.

Por essa e outras razões, adequar-se à LGPD é uma ação que precisa estar no radar das empresas. Como destacado, a lei está prestes a entrar em vigor. Logo, o prazo para ajustes e adaptações é curto.

Em relação ao descumprimento dela, o seu art. 42, por exemplo, presume a obrigação de reparar os danos causados em consequência do exercício de atividade de tratamento de dados pessoais.

Ou seja, qualquer ocorrido por descumprimento às exigências da lei pode gerar o dever de reparar o dano — o que, dependendo do caso, pode significar grandes prejuízos.

Indo além, o art. 52 da LGPD aponta sanções administrativas aplicáveis aos agentes de tratamento de dados, devido a infrações cometidas às normas da lei. Entre as sanções estão:

  • advertência, com indicação de prazo para adoção de medidas corretivas;
  • multa simples, de até 2% (dois por cento) do faturamento da pessoa jurídica de direito privado, grupo ou conglomerado no Brasil no seu último exercício, excluídos os tributos, limitada, no total, a R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais) por infração;
  • multa diária, até o valor máximo citado acima;
  • publicização da infração após devidamente apurada e confirmada a sua ocorrência;
  • bloqueio dos dados pessoais a que se refere a infração até a sua regularização;
  • eliminação dos dados pessoais a que se refere a infração;
  • suspensão parcial do funcionamento do banco de dados a que se refere a infração pelo período máximo de 6 (seis) meses, prorrogável por igual tempo, até a regularização da atividade de tratamento pelo controlador;
  • suspensão do exercício da atividade de tratamento dos dados pessoais a que se refere a infração pelo tempo limite de 6 (seis) meses, prorrogável por igual período;
  • proibição parcial ou total do exercício de atividades relacionadas ao tratamento de dados.

Por fim, como vimos, LGPD e experiência do cliente são temas que terão um vínculo ainda mais próximo com a entrada em vigor da lei, prevista para dezembro de 2020.

Diante dessa realidade, para empresas e profissionais que, de alguma forma, prestam serviços em áreas impactadas pela Lei Geral de Proteção de Dados, só há um caminho: adaptar-se à legislação e aproveitar todas as oportunidades que ela poderá proporcionar.

Fonte: Soluti Responde

Gigantes do setor saem na frente na utilização de Assinaturas Digitais. Ouça

Saiba como gerenciar documentos na nuvem de maneira adequada

Qual a relação entre IoT e Certificado Digital? Ouça

O que é Criptografia?

Criptografia é uma ciência secular que utiliza a cifragem dos dados para embaralhar as informações de forma que apenas os que detém a chave para decriptografar os dados tenham acesso à informação original.

Criptografia Simétrica utiliza uma chave única para cifrar e decifrar a mensagem. Nesse caso o segredo é compartilhado.

Criptografia Assimétrica utiliza um par de chaves: uma chave pública e outra privada que se relacionam por meio de um algoritmo.  O que for criptografado pelo conjunto dessas duas chaves só é decriptografado quando ocorre novamente o match.  

Criptografia Quântica utiliza algumas características fundamentais da física quântica as quais asseguram o sigilo das informações e  soluciona a questão da Distribuição de Chaves Quânticas – Quantum Key Distribution.

Explore a coluna sobre Criptografia aqui no Crypto ID!